Estudo prático da correlação no mercado brasileiro

Na conclusão do post anterior vimos que a correlação entre ativos não é algo estático, mas está em mudança todo o tempo. Na imagem abaixo podemos observar a correlação entre o Ibovespa e o Dólar ao longo de 12 meses corridos de Julho de 1994 até Julho de 2009. (Clique na imagem para ampliar)

Correlação Ibov x Dólar (12 meses corridos de 1994-2009)

Correlação Ibov x Dólar (12 meses corridos de 1994-2009)

Notem que a correlação entre o Ibov e o Dólar está majoritariamente no campo negativo. Existem períodos que ela até mesmo se situou no campo positivo, mas está é uma correlação claramente negativa.

Em todo o período (1994-2009) a correlação entre estes investimentos foi de -0,4. Isso reforça a tese acima. Ainda, se pegarmos os dados a partir de 1999 (após o início da flutuação do Dólar) temos uma correlação negativa ainda mais forte de -0,65.

De modo semelhante podemos analisar a correlação entre o Ibovespa e o Ouro. (Clique na imagem para ampliar)

Correlação Ibov x Ouro (12 meses corridos 1994-2009)

Correlação Ibov x Ouro (12 meses corridos 1994-2009)

Podemos notar que a correlação não é tão clara como a do Dólar. Temos a impressão que são investimentos não-correlacionados. Entretanto, se analisarmos o período de 1994-2009, o valor da correlação entre estes investimentos foi de -0,33. Após a abertura das bandas cambiais em 1999, a correlação se intensificou para -0,46.

Apenas por curiosidade: Observem como a correlação (tanto no Ouro como no Dólar) cai drasticamente no período próximo de janeiro de 1999. Com a abertura das bandas cambiais e início da flutuação do Dólar, tanto o Dólar como o Ouro tiveram valorizações, apenas em janeiro, em torno de 70%.

Nos gráficos abaixo vemos com mais detalhe esta forte movimentação.

  • Gráfico Histórico do Dólar Comercial (1995-2009):
Gráfico Histórico do Dólar Comercial (1995-2009)

Gráfico Histórico do Dólar Comercial (1995-2009)

Aplicando um Zoom:

Dólar Comercial_Abertura das Bandas Cambiais (jan-1999)

  • Gráfico Histórico do Ouro BMF (1992-2009):
Gráfico Histórico do Ouro BM&F (1992-2009)

Gráfico Histórico do Ouro BM&F (1992-2009)

Aplicando um Zoom:

Ouro BM&F_Abertura das Bandas Cambiais (jan-1999)

Conclusão: Devemos sempre ter em consciência que a correlação entre 2 ativos não é uma força estática mas está sempre em movimento. Este movimento pode ser intensificado em momentos de grandes acontecimentos, como a abertura das bandas cambiais e início da flutuação do Dólar em janeiro de 1999.

Embora não possamos saber se no futuro as correlações hoje negativas irão continuar negativas, podemos ter uma maior probabilidade de acerto usando dados históricos e dados anualizados das correlações entre os diversos investimentos.

Sobre o autor

Henrique é especialista em alocação de ativos, eleito um dos 5 melhores educadores financeiros do Brasil em 2012/2013. Continue Lendo aqui!

  • Muito bom! Eu iria abordar exatamente essa forte correlação que apresentam o IBOV e o dólar, que ficou ainda mais acentuada no momento mais agudo da crise, no final do ano passado, em que o IBOV caiu vertiginosamente, ao passo que o dólar subiu consideravelmente.

    É curioso notar que hoje estamos vendo o exato oposto, ou seja, o IBOV subir a galope, e o dólar caindo bastante.

    Muitos analistas recomendam o investimento em dólar apenas como proteção, ou seja, hedge, haja vista que não se trataria de um bom investimento a longo prazo, em virtude do poder corrosivo da inflação. Nesse aspecto, me parece que o dólar chega a perder até da poupança.

    É isto aí!
    Um grande abraço, e que Deus lhes abençoe!

  • Henrique Carvalho

    Hotmar,

    obrigado pela sua participação!

    Ainda pretendo explorar com mais calma esse assunto no futuro, mas realmente o dólar deixa um pouco à desejar quando se fala da relação retorno x risco. Seu retorno anual é baixo considerando o seu alto desvio padrão.

    De acordo com meus dados:

    Retorno Anual (1994-2009): 8,45%
    Desvio-Padrão (1994-2009): 22,64%

    Com mais calma eu irei explorar esses números em outros ativos e mostrar melhor o benefício da diversificação.

    Abraços!

  • Henrique, o bom dos seus textos é que vc sustenta suas argumentações práticas em dados técnicos (retorno anual, desvio-padrão).

    É uma mescla bem interessante, porque vc deve estar cursando economia, e o blog serve como uma espécie de válvula de escape pra vc colocar em prática as matérias q aprendeu nas aulas. Continue assim.

    É isto aí!
    Um grande abraço, e que Deus lhes abençoe!

    • Henrique Carvalho

      Hotmar,

      Embora possa soar estranho eu posso afirmar com toda certeza que a faculdade me ensinou muito, mas muito POUCO mesmo sobre finanças e investimentos…

      O foco lá na UFRJ é teoria econômica (e bota teoria…rsrs)

      Os termos técnicos eu trago dos livros que sempre busco estar lendo e a prática vem da curiosidade de descobrir novos investimentos, novas estratégias e bastante estudo sobre elas.

      Grande Abraço!

  • Pingback: HC Investimentos comemora 1 ano de aniversário! « HC Investimentos()

eBook-alocacao-ativos