Comparando Portfólios: Selic vs Dólar (parte III)

Chegamos ao último artigo da comparação entre dois tipos de portfólio: (a) Selic + Ibovespa (correlação neutra) e (b) Dólar + Ibovespa (correlação negativa).

Vimos nos artigos anteriores [(parte I) e (parte II)] que não devemos escolher entre um portfólio ou outro apenas através da correlação que eles apresentam.

Observamos que, mesmo o portfólio composto por Selic e Ibovespa tendo uma correlação neutra (zero), ele foi capaz de performar melhor do que o portfólio composto por Dólar e Ibovespa, além de oferecer um risco menor, para a nossa surpresa.

Neste último artigo iremos focar nos mesmos portfólios, porém, através de períodos de análise diferentes.

O período analisado será de janeiro de 2008 até setembro de 2009. Vamos analisar como os dois portfólios se comportaram neste novo período.

  • Portfólio 1: 50% Selic / 50% Ibovespa
50% Selic_50% Ibovespa (2008-2009)
50% Selic_50% Ibovespa (2008-2009)

Clique para ampliar

A imagem acima nos mostra a evolução de $1 ao longo de todo o período. O portfólio é o mesmo nas três ocasiões.

A única diferença é o uso (ou não) do rebalanceamento da carteira. Novamente, podemos tirar a conlusão de que rebalancear a carteira (seja através do desvio de 20% ou de 10%) aumentou o retorno total do portfólio.

  • Portfólio 2: 50% Dólar / 50% Ibovespa
50% Dólar_50% Ibovespa (2008-2009)
50% Dólar_50% Ibovespa (2008-2009)

Clique para ampliar

Assim como no portfólio 1 (Selic + Ibovespa) podemos inferir que rebalancear este portfólio composto de 50% Dólar e 50% Ibovespa aumentou o retorno, embora também tenha aumentado o risco do portfólio.

Visando tirar uma melhor conclusão entre estes dois portfólios necessitamos avaliar o gráfico envolvendo os dois portfólios e uma tabela comparando as diferenças de cada um.

  • Evolução de $1 do Portfólio 1 (50% Selic / 50% Ibovespa) e Portfólio 2 (50% Dólar / 50% Ibovespa)
Selic x Dólar (2008-2009)
Selic x Dólar (2008-2009)

Clique para ampliar

No gráfico acima podemos perceber que usei o desvio percentual de 20% para rebalancear os diferentes portfólios.

Neste período (2008-2009), embora o portfólio 1 (Selic + Ibovespa) tenha sido melhor do que o portfólio 2 (Dólar + Ibovespa), esta constatação não é tão obvia, pois tivemos um período (no agravamento da crise) em que o portfólio 2 performou melhor do que o 1.

Alguns fatos a se obervar:

(a) Neste período (janeiro de 2008 até setembro de 2009), a correlação negativa entre o Dólar e o Ibovespa foi de -0,74.

O mais surpreendente é ver que a correlação antes nula entre Selic e Ibovespa se tornou negativa, ficando em -0,59.

Este fato ocorreu devido ao aumento dos juros básicos (até os 13,75%) no auge da crise e no corte da taxa de juros (até os atuais 8,75%) após o fundo no mercado acionário.

(b) Analisando a média simples anual do retorno e o desvio-padrão (volatilidade) neste período temos respectivamente:

Selic: 10,88% de retorno e 0,50% de volatilidade

Dólar: 2,82% de retorno e 33,95% de volatilidade

  • Vamos à tabela e as conclusões finais:
Comparativo_Selic x Dólar (2008-2009)
Comparativo_Selic x Dólar (2008-2009)

Na tabela acima podemos ver melhor a diferença entre os portfólios sob diversas perspectivas.

Conclusões:

(a) Rebalancear o portfólio sempre diminui o risco? A resposta é clara: NÃO. Entretanto, devemos atentar que o período analisado é pequeno (quase dois anos).

Logo, tivemos a ocorrência de um fenômeno conhecido como “Feed the Bear“. “Alimentar o urso” ocorre quando um ativo de risco cai bastante em relação à outro ativo, necessitando uma readequação da carteira, através da venda de ativos mais seguros (safe heaven) para comprar ativos de risco.

O fenômeno toma sua forma quando, após o rebalanceamento, o ativo de risco continua caindo, fazendo com que o risco e as perdas da carteira aumentem ainda mais do que anteriormente, já que estamos direcionando cada vez mais capital para o ativo de maior risco.

Podemos pensar que no curto prazo o mercado tende a exagerar em suas movimentações, criando distorções que poderão ser revertidas em um prazo maior, através do retorno à média (mean regression).

O rebalanceamento é um ótimo meio de se reduzir o risco da carteira no longo prazo, embora existam momentos em que ocorrem o efeito “Feed the Bear“.

(b) Nos artigos anteriores vimos que a diferença entre o rebalanceamento de 10% e o de 20% proporcionava pequenas diferenças, favorecendo ligeiramente o adiamento da realocação entre os ativos.

Neste caso, podemos observar claramente que retardar o rebalanceamento (usando o desvio de 20% ao invés de 10%) nos proporcionou retornos bem maiores (3,57%  a mais no portfólio com Selic e 4,95% a mais no portfólio com Dólar).

Além disso, ainda contamos com uma redução de risco em ambos os portfólios (0,54% a menos no portfólio com Selic e 0,71% a menos no portfólio com Dólar).

(c) Embora no período analisado o risco tenha sido menor nos portfólios sem rebalanceamentos, o retornos destes foram pífios se comparados com um rebalanceamento através do desvio de 20%.

Em mercados com uma alta volatilidade a preferência por rebalancear o portfólio (principalmente através do desvio de 20% em relação ao de 10%) proporciona ganhos ainda maiores do que em comparação com um período de baixa volatilidade.

(d) O artigo não propõe identificar qual a melhor alocação entre os ativos mencionados.

O intuito é mostrar a eficiência do rebalanceamento, principalmente no longo prazo, já que os ativos tendem a regredir à média, ao invés de seguir apenas uma direção (neste artigo, para baixo), ocasionando o efeito “Feed the Bear”.

Além disso, usar desvios maiores no rebalanceamento tendem a proporcionar maiores ganhos, menores riscos e menores custos, permitindo que o investidor se aproxime mais rapidamente de suas metas.

Gostou do artigo? Compartilhe!

Sobre o autor

Henrique é especialista em alocação de ativos, eleito um dos 5 melhores educadores financeiros do Brasil em 2012/2013. Continue Lendo aqui!

  • Mais um ótimo texto, Henrique! 😀

    Uma das coisas que mais gosto são as ilustrações dos textos com números e gráficos, o que enriquece ainda mais a explicação.

    É isso aí!
    Um grande abraço e que Deus lhes abençoe!

  • Henrique Carvalho

    Obrigado pelo comentário Hotmar!

    Eu adoro gráficos, pois eles resumem toda a informação necessária da forma mais organizada possível.

    Afinal, uma imagem vale mais do que mil palavras, não é mesmo?!

    Abraços!

  • Jovem Capitalista

    Ficou bem legal.Muito completo só achei o prazo curto demais.

    • Henrique Carvalho

      JC,

      Para prazos mais longos veja os artigos anteriores onde os períodos analisados são de 1994-2009 (1) e 1999-2009 (2).

      Grande Abraço!

  • Sensacional, Henrique. 🙂

    Parabéns pelos textos, muitos claros, concisos, e brilhantemente ilustrados.

    E parabéns pela iniciativa de compartilhar esse conhecimento todo conosco.

    Aliás, o assunto Alocação de ativos é um dos mais importantes para o sucesso de longo prazo no mercado, na minha humilde opinião.

    E você o tem abordado com brilhantismo. Parabéns.

    Forte abraço e SUCESSO!!!!

    PS-Espero que a perna esteja melhor. Esse tipo de risco é difícil de gerenciar. 😉

    • Henrique Carvalho

      Jonas,

      Muitíssimo obrigado pelas suas palavras gentis. Um elogio vindo de uma pessoa como você certamente tem um valor imensurável.

      Digo isso pois o ensinamento que você passa através de suas escritas vai sempre além…Não é apenas sobre o mercado financeiro, mas é sobre a vida e como ser uma pessoa melhor, sempre disposta a ajudar o próximo.

      Para aqueles que (ainda) não conhecem o trabalho do Jonas recomendo fortemente uma visita em seu site Clube de Vienna, pioneiro no Brasil, atuando como uma consultoria de investimentos, gerando informações e recomendações de altíssima qualidade. Para mais detalhes basta apenas clicar no link.

      Sou assinante do serviço deles deste o ínicio e posso dizer que foi o melhor investimento que já fiz, sem sombra de dúvidas.

      Jonas, muito obrigado pelo incentivo e pelas suas palavras!!!

      Grande Abraço e Sucesso!

  • Pingback: HC Investimentos comemora 1 ano de aniversário! « HC Investimentos()

  • Pingback: Comparando Portfólios: Selic vs Dólar (parte II)()

  • Pingback: Blog Willian Rodrigues » Alocação de Ativos()

eBook-alocacao-ativos