A liquidez veio para ficar?

Amigos,

Primeiramente gostaria de agradecer ao consultor Sérgio Belleza pelo seu ilustre comentário aqui no blog. Estou publicando abaixo as tabelas que ele me enviou por e-mail.

Negociação FFCI11 na Bovespa_03_03_2010

Clique na imagem para ampliar

Apenas para relembrar, foram 341 negócios em apenas 1 dia no FFCI11 (Rio Bravo Renda Corporativa).

Já no FLMA11 (Square Faria Lima), tivemos 48 negócios neste mesmo dia. Mais detalhes abaixo:

Negociação FLMA11 na Bovespa_03_03_2010

Clique na imagem para ampliar

Embora no FFCI11 não possamos identificar um comprador dominante no mercado, aqui no FLMA11 temos a corretora XP com uma participação de 46% na ponta compradora.

Questionamos sobre se o caso seria um ponto fora da curva ou se seria motivo da aprovação do aumento de cotas no FFCI11 (como bem lembrou meu amigo Edmilson). Ainda sem fontes mais concretas vamos ver se o movimento se repetiu hoje (04/03/2010).

Liquidez elevada em FFCI11 e FPAB11_04_03_2010

Clique na imagem para ampliar

O movimento se repetiu nos mesmos fundos. No entanto, notem que ao invés da oscilação positiva de ontem, hoje ambos performaram negativamente, tendo o FFCI11 uma queda de 8,57%.

Um caso semelhante (com exceção deste elevado número de negócios) ocorreu em 2009 quando o fundo NSLU11B (Nossa Senhora de Lourdes) aumentou seu número de cotas.

Neste caso, o ativo estava sendo negociado ao redor de R$ 185,00.

Porém, havia sido aprovado uma oferta aos que já detinham cotas deste fundo a subscrever mais cotas ao preço R$ 170,00.

O mercado  convergiu para este preço, dando excelentes oportunidades de compra (já que o rendimento mensal do NSLU11B gira em torno de 1,55). Logo, teríamos um yield mensal de 0,91%.

Neste PDF podemos ver a aprovação do número de cotas do FFCI11.

Neste outro PDF no site da Rio Bravo podemos ver que o preço para quem já tiver o ativo e quiser subscrever as novas cotas que serão emitidas terá a opção de comprá-lo por R$ 1,25.

Na imagem acima vemos que o fundo fechou ontem a R$ 1,40 e terminou fechando hoje a R$ 1,28 (com preço mínimo negociado a R$ 1,26), bem próximo do seu preço de subscrição.

Gostou do artigo? Compartilhe!

Sobre o autor

Henrique é especialista em alocação de ativos, eleito um dos 5 melhores educadores financeiros do Brasil em 2012/2013. Continue Lendo aqui!

  • Interessante, Henrique!

    Aliás, vc leu no site do Sérgio sobre o lançamento de um novo FII sobre imóveis no RJ? Apesar de não haver rendimento mínimo garantido, projeta-se uma taxa anual de 9,5% a.a. de rendimentos.

    O curioso da notícia é que há previsão de rateio – teto de R$ 15 mil, caso haja pressão de demanda. Nunca tinha visto isso em se tratando de FIIs. O volume a ser ofertado é enorme – para os padrões de FIIs – quase R$ 200 milhões, o que dá o dobro do Parque Shopping Dom Pedro (que previa rendimento mínimo mensal).

    É isso aí!
    Um grande abraço, e que Deus os abençoe!

    • Henrique Carvalho

      Grande Hotmar! Obrigado pelo aviso!

      Será que passaremos a ter um boom de IPOs nos FII?

      De todo modo, isso nos mostra um mercado imobiliário aquecido e é projeta um aumento de liquidez nos FII. Na minha opnião, quanto mais fundo melhor. Quem sabe assim a iShares não cria logo um ETF de FII?

      Abraços!

  • Concordo, Henrique!

    Aos poucos o mercado vai abrindo os olhos para esse interessante tipo de investimento imobiliário que são os fundos!

    É isso aí!
    Um grande abraço, e que Deus os abençoe!

  • Tom Farkas

    Olá Henrique,
    Primeiramente gostaria de parabenizá-lo por seu blog, aprendi muito aqui. E gostei particularmente das publicações que ensinam a formar um portfólio de FIIs.

    Trabalho com o Sergio e acompanhei a corrida para o FFCI11 com grande espanto, mesmo que o mercado esteja buscando equalizar o preço da cota com a próxima oferta o número de negócios foi muito anormal.

    Com certeza o mercado está evoluindo de forma muito acelerada!

    Foi aprovado um fundo de fundos de investimento imobiliário na CVM em Fevereiro, uma emissão de R$30MM do banco ourinvest, o prospecto disponível anda é uma minuta, porém o cronograma apresenta a data de reserva para Maio de 2010.

    Vale a pena conferir.

    Abraços

    • Henrique Carvalho

      Olá Tom!

      É um prazer tê-lo comentando aqui no blog!

      Agradeço os elogios e aproveito para parabenizar a equipe de vocês que vêm trazendo ótimas informações a respeito dos diversos FII do mercado, num site muito bem planejado e organizado.

      Resposta sobre o fundo de fundos abaixo no comentário do Sérgio.

      Grande Abraço!

  • Adicionando ao que o Tom falou: este fundo que o Ourinvest está criando será um FIC-FII, ou seja, um fundo que investe em cotas de outros FIIs. Deve ser o primeiro do gênero.

    Outra coisa: sobre o comentário do hotmar, a respeito do fundo Presidente Vargas, tenho algo muuuuito importante a adicionar: é o primeiro FII do Bradesco, que havia participado da coordenação na emissão do Dom Pedro, mas neste será o Lider na distribuição e o administrador do Fundo. Só a Gestão Imobiliária está a cargo de terceiros , a LATOUR.

    O BRADESCO em FIIs é uma baita notícia. Só falta o ITAU-UNIBANBCO e aí vem o setor todo!

    Abs!

    • Henrique Carvalho

      Grande Sérgio!

      Fiquei sabendo desse fundo de fundos de FII e procurei que nem louco na web porém sem sucesso.

      No e-mail enviado a Ourinvest consegui o acesso ao prospecto deste fundo.

      Aos interessados no PDF estou disponibilizando abaixo:

      http://www.ourinvest.com.br/imagens/bcfundodefundos/Prospecto_BC_Fundo_de_Fundos_FII.pdf

      É Sérgio, quando os grandes vierem para os FII a coisa vai ficar muito boa!

      Espero e torço bastante pela melhoria dos FII.

      Obrigado pelo comentário e por este alerta sobre a participação do Bradesco!

      Grande Abraço!

  • O Sérgio pontuou uma questão que considero importante trazer à discussão: o aparecimento dos grandes bancos nesse setor.

    A corretora do Bradesco foi uma das poucas que esteve presente nos leilões das cotas do Shopping Parque Dom Pedro. Pouquíssimas corretoras se habilitaram a participar dessa oferta pública, o que se refletiu no reduzido número de pessoas físicas (menos de mil) que efetivamente compraram as cotas desse FII.

    Parece que o Bradesco “gostou” desse novo ramo de investimentos, e agora está entrando com mais força no mercado de fundos imobiliários. Vamos acompanhar os próximos passos dos gigantes.

    É isso aí!
    Um grande abraço, e que Deus os abençoe!

  • Luiz Felipe

    Caros,

    Uma pergunta: esse Fundo de fundos desfrutaria da mesma isenção de IR que o investimento direto em FIIs?

    Abs,
    LF

    • Henrique Carvalho

      Olá Luiz!

      Sim, existe a isenção de IR nos rendimentos mensais que irão cair mensalmente em sua conta, caso tenha este fundo.

      Só lembrando que, caso decida vender o ativo com ganho de capital, terá de pagar um IR de 20%.

      Grande Abraço!

  • Maspimentel

    HC,

    Ainda estou só com EURO11, o que vc acha de S. West Plaza?

  • Henrique Carvalho

    Olá amigo!

    West Plaza com um valor da cota em torno de R$ 100,00 e com seus rendimentos mensais constantes em 0,83 pode ser uma boa pedida. Não está fácil achar um FII com 0,83% mensal atualmente.

    Só ficaria um pouco preocupado com a liquidez deste FII.

    Grande Abraço!

  • Maspimentel

    HC,

    Comprei ontem WPLZ11B nos 101,50 e amanhã devo comprar mais. PIBB11 só faz subir, então ainda estou fora. Vou seguindo na renda fixa com os novos lucros recebidos, inclusive das opções de PETR4.

  • Henrique Carvalho

    Legal Maspimentel!

    Realmente as ações parecem estar um pouco esticadas…Ultimamente também tenho alocado mais nos FII e na RF.

    Grande Abraço!

  • Maspimentel

    HC, tenho apenas uma dúvida quanto WPLZ11B. Será que consegue manter os dividendos neste patamar após a garantia dos 4 anos pela Ourinvest? Dúvida crruel..

  • rodpba

    Pelo que eu entendi, esse fundo de fundos vai ter uma gestão ativa através de um consultor, e vai cobrar por isso:

    – 1,50% anual em cima do patrimônio líquido do fundo
    – 20% de performance de resultado acima de 4,5% ao semestre.

    Além disso, será pago ao Itaú:

    – R$1,45 por mês por cotista
    – R$2,81 por pagamento de rendimentos aos cotistas (para não correntistas, para correntistas é R$0,72)
    – R$0,67 por emissão de extratos / etc

    Além da taxa do fundo que é:

    – 0,15% ao ano do PL, corrigido pelo IGPM

    em relação à tributação, colocarei no próximo comentário para discutirmos =)

  • rodpba

    Tributação dos Investidores

    Os rendimentos e ganhos de capital auferidos, apurados segundo o regime de caixa, quando distribuídos pelo FUNDO aos Cotistas, sujeitam-se à incidência do Imposto de Renda retido na fonte à alíquota de 20% (vinte por cento).

    Cumpre ressaltar que, de acordo com o inciso II, do Parágrafo Único, do Artigo 3º, da Lei nº 11.033, de 21 de dezembro de 2004, ficam isentos do Imposto de Renda retido na fonte e na declaração de ajuste anual das pessoas físicas, os rendimentos distribuídos pelo FUNDO ao Cotista pessoa física titular de Cotas que sejam admitidas à negociação exclusivamente em bolsas de valores ou no mercado de balcão organizado. Referida isenção será concedida somente nos casos em que o FUNDO possuir, no mínimo, 50 (cinqüenta)cotistas, e não será concedida ao cotista pessoa física titular de cotas que representem 10% (dez por cento) ou mais da totalidade das cotas emitidas pelo FUNDO de Investimento Imobiliário, ou cujas cotas lhe der direito ao recebimento de rendimento superior a 10% (dez por cento) do total de rendimentos auferidos pelo FUNDO de Investimento Imobiliário.

    Havendo alienação de Cotas, a tributação não será na fonte, cabendo aos Cotistas apurarem o ganho de capital e recolherem o respectivo tributo. Nesse caso, a alíquota do Imposto de Renda será de 20% (vinte por cento). Tal tributo incidirá (i) quando da
    amortização das Cotas; (ii) em caso de alienação de Cotas a terceiros; e (iii) no momento do resgate das Cotas, em decorrência do término do prazo de duração ou da liquidação antecipada do Fundo. Somente haverá incidência de imposto de renda se as Cotas tiverem
    gerado rendimentos aos Cotistas.

  • Investimentos e Finanças

    Muito interessante este fundo.
    O lado ruim é a administração ativa e os custos altos (a taxa de administração e taxa de performance). Acho que idealmente um fundo assim deveria ter ma gestão passiva.

  • Henrique Carvalho

    Amigos,

    Muito obrigado por todas as informações. Belíssimo trabalho de coleta de dados rodpba. Não temos muita informação de fácil acesso e seu trabalho foi fundamental.

    Faço das palavras do inv. e fin. as minhas. Se for para ter uma gestão ativa, prefiro fazer a gestão por minha conta (escolhendo os fundos individualmente).

    Quem sabe com este fundo a iShares já não se antecipa ao “boom imobiliário” e cria um ETF para seguir os FII? Sonhar não custa nada…

    Grande Abraço!

  • rodpba

    Opa, eu que agradeço por trazer essa discussão à tona!

    Concordo com vocês e confesso que “broxei” quando vi que se tratava de uma gestão ativa com esses custos.

    Penso que seria uma ótima se um de nós conseguisse criar um “fundo” desses através de um clube de investimentos, mas talvez seria complicada a questão da confiança.. não sei… vou dar uma pesquisada sobre a possibilidade de um clube de investimento para este tipo de ativo.

    Abcs!

  • rodpba

    Um detalhe importante, nesse caso, seria a interpretação da do artigo 3º da lei 11.033, que determina isenção de imposto de renda:

    III – na fonte e na declaração de ajuste anual das pessoas físicas, os rendimentos distribuídos pelos Fundos de Investimento Imobiliários cujas quotas sejam admitidas à negociação exclusivamente em bolsas de valores ou no mercado de balcão organizado. (Incluído pela Lei nº 11.196, de 2005)

    Será que a valorização das cotas de um clube estariam isentas? Será que o clube pode distribuir rendimento?

    =)

  • rodpba

    To parecendo maluco respondendo a mim mesmo mas lá vai:

    Em relação à composição da carteira do clube, pelo menos 51% deve ser:

    -em ações e/ou bônus de subscrição e/ou debêntures conversíveis em ações de emissão de companhias abertas adquiridas em bolsa de valores ou no mercado de balcão organizado ou durante período de distribuição pública, ou ainda, adquiridas de empresas em processo de privatização.

    – quotas de fundos de investimento que tenham sua carteira constituída exclusivamente com ações representativas de índices de mercado calculados pelas bolsas de valores.

    – quotas de fundos de investimentos em ações administrados por instituições autorizadas pela CVM, desde que as carteiras dos referidos fundos atendam também o percentual de aplicação definido no caput deste artigo;

    E os 49% restantes é que entrariam os FIIs:

    a) quotas de fundos de renda fixa e de direitos creditórios;
    b) quotas de fundos de investimento imobiliários, com registro de negociação em
    bolsa de valores ou no mercado de balcão organizado;
    c) títulos de renda fixa de livre escolha do Gestor da Carteira;
    d) outros valores mobiliários adquiridos em bolsa de valores ou no mercado de
    balcão organizado ou durante período de distribuição pública.

    • Henrique Carvalho

      Rodpba,

      Sem dúvida seria uma alternativa a falta de um fundo (indexado) dos FII.

      Entretanto, daria um trabalho…..fora a alocação em ações que aumentaria sensivelmente a volatilidade do todo.

      Nos resta apenas pressionar a iShares para a criação de um ETF para os FII.

      Afinal, acho que todos temos unanimidade quanto à esta questão, um ETF dos FII (ponderado pelo valor de mercado destes) seria uma alternativa BEM MELHOR do que o ETF que eles oferecem para as ações do setor imobiliário (MOBI11), por sinal, com uma péssima liquidez…

      Abraço!

  • Flávio

    Henrique,

    Tenho notado uma explosão nos preços dos imóveis residenciais. Desde o final da crise (início de 2009),os preços estão subindo em uma velocidade que não é compatível com a evolução da massa salarial e de outros ativos. Na minha opinião, o aumento significativo do crédito, a ampliação do limite de utilização do FGTS (de R$ 350 mil para R$ 500 mil) e a queda das taxas de juros explicam parte da valorização, contudo, faço uma pergunda à comunidade do blog. Será que estamos diante de uma formação de uma bolha imobiliária? Até então valia a pena viver de aluguel e aplicar nossos investimentos em ativos como: ações e títulos soberanos e depois adquirir um imóvel, contudo, com o aumento dos preços, quem comprou imóvel financiado acabou ganhando, porque a valorização do imóvel compensou o pagamento dos juros. Quando falo dos preços dos imóveis, estou falando da região metropolitana do RJ. Abraços.

    • Henrique Carvalho

      Olá Flávio!

      Também não descarto esta opção de bolha imobiliária nos imóveis e até mesmo em alguns FII.

      O retorno total nos FII tem sido bastante alto considerando a classe em que eles estão inseridos, superando muitas vezes diversas ações em bolsa.

      Como não temos uma bola de cristal para avaliar a situação o que podemos fazer é tomar medidas mais conservadoras em relação à esta classe de investimentos.

      Procurar FIIs que tenham maior consistência nas distribuições mensais é uma opção mais conservadora, já que o impacto do preço não seria grande.

      Atribuir a necessidade de um maior prêmio em relação a instrumentos de RF pode ser outra alternativa.

      Como já falei anteriormente aqui no blog, a maior do retorno dos FII está na forma de apreciação de capital (valorização da cota) em torno de 60%.

      Tomando os dados de quase 40 anos do mercado americano (os REITs), podemos esperar que a apreciação da cota, em relação ao total do retorno destes, seja em torno de 40% e os aluguéis distribuídos em torno de 60%.

      Portanto, este seria um forte motivo para adotar premissas mais conservadoras na escolha de um imóvel ou FII.

      O maior problema das bolhas não é identificá-las mas saber quando de fato irão estourar. Afinal, em um curto prazo (e eu falo de 3 anos) o mercado pode continuar subindo até patamares inimagináveis…até o estouro vir.

      Diversificar é a solução!

      Grande Abraço!

    • ernesto

      amigo Flavio, moro nointerior do parana, cidade c 300.000 habitantes e aqui tambem estou percebendo que os precos dos imoveis estao subindo com forca apos 10 anos de desvalorizacao e sem negocios. E posso afirmar ainda que nossos precos estao em 30 a 50% mais baratos que nossa capital(curitiba) mas e dai……havera bolha nos imoveis?….temo que sim….so que a gente nunca sabe quando isso vai acontecer…so sei que vou aproveitar o momento e desovar 3 imoveis que so me pentelharam minha vida…eheheheheh…abraco

  • Pingback: HC Investimentos comemora 1 ano de aniversário! « HC Investimentos()

  • Fabio

    Oi Henrique,

    Parabéns pelo seu blog.

    Somente uma correção ortográfica.
    A grafia correta para “excessão” é “exceção”.

    Att,
    Fabio.

    • Henrique Carvalho

      Fábio,

      Muito obrigado pela correção. Erro grave, mas já consertado. Caso ache outro erro ortográfico em outros artigos por favor sinta-se à vontade para me corrigir.

      E obrigado pelos elogios!

      Grande Abraço!

  • zavatti

    Estou comprando sempre que sobra uma graninha a FFCI11, nada de um valor alto, mas sim valores baixos para um longo prazo, reparei que sempre vem um rendimentos…, procurei na net e nunca acho algo que me interesse nestes fundos imobiliarios, gostaria de saber uma opiniãop sobre estas ações obrigado

    • Henrique Carvalho

      Olá Zavatti!

      Dê uma olhada com carinho pelo blog. Garanto que irá achar informações úteis para lhe ajudar!

      Abraços!

  • jottaefy

    Olá Henrique , por favor poderia comentar sua opinião sobre a oferta publica do bc fundo de fundos (bcff11b). estou pensando em aumentar minha carteira de fundo imobiliario, hoje tenho pqdp11b . parabens pelo blog,obrigado.

eBook-alocacao-ativos