Os Melhores Fundos de Investimentos [Parte I]

O investimento através de fundos é uma boa alternativa para quem deseja simplificar suas aplicações financeiras.

Basta apenas depositar o dinheiro no fundo e pronto, uma equipe de profissionais irá fazer todo o trabalho de pesquisa, análise e operações para você.

Para aqueles que preferem fazer sua própria alocação de ativos, acompanhar alguns fundos de investimento é fundamental para se ter uma idéia de como a gestão própria se compara com a gestão profissional.

Um incentivo para determinar metas melhores.

Disponibilizarei nesta sequência de artigos minhas preferências pessoais sobre os melhores fundos de investimento do mercado, além do acompanhamento dos relatórios dos melhores gestores e, por fim, uma comparação destes fundos com minha carteira de investimento pessoal.

Dentre milhares de fundos de investimento, quais seriam os mais indicados para o investidor aplicar ou acompanhar?

Para responder à esta difícil pergunta precisamos fazer análises sob diversas óticas:

1. Retorno anual histórico do fundo

Embora rentabilidade passada não seja garantia de rentabilidade futura, um fundo que teve bons resultados no longo prazo (mais de 5 anos) tem maior possibilidade de agregar valor ao seu cotista do que um fundo com mau resultado no longo prazo.

2. Desvio-padrão anual histórico do fundo

Desvio-padrão é uma medida de risco utilizada no mercado financeiro para saber o quanto o retorno de um fundo espera-se variar ao redor da sua média.

Exemplo. Um fundo com retorno médio de 10% a.a e com desvio-padrão de 10% a.a é esperado que em 68% (-1 desvio-padrão e +1 desvio padrão) das vezes o retorno fique entre 0% (-1 desvio padrão) e 20% (+1 desvio-padrão).

Se o conceito ainda é muito abstrato, veja esta imagem.

3. Tipo de fundo e Benchmark

Antes de investir ou comparar seus rendimentos com um fundo é preciso primeiro definir seus objetivos.

Neste artigo, estaremos apenas analisando os Fundos Multimercado, já que eles se adequam ao meu perfil diversificado de investimentos. Portanto, nosso benchmark será o CDI.

Geração de Valor. É importante que o fundo tenha uma rentabilidade acima do seu índice de referência no longo prazo, pois, senão, bastaria apenas investirmos em um índice passivo que teríamos um melhor resultado.

Portanto, analisaremos também o quanto o fundo gerou de valor ao cotista, ou seja, o quanto seu desempenho ficou acima do seu benchmark.

4. Custos

Também é preciso estar atento aos custos incluídos no investimento destes fundos.

Taxas de administração, taxas de performance, Imposto de Renda são custos que valem a pena ficar de olho.

Fundos com maiores custos tendem a ter resultados inferiores em relação aos fundos com menor custo.

5. Patrimônio Líquido, Liquidez, Início de Negociação e Aplicação Inicial.

Por fim, dar uma olhada no patrimônio líquido do fundo ajuda a identificar se o fundo é grande ou pequeno.

Fundos pequenos e novos tendem a ser mais arriscados por terem menos cotistas.

A liquidez do fundo é importante para ter maior flexibilidade em suas aplicações e o início de negociação do fundo auxilia a saber o histórico do fundo.

Quanto maior, melhor a credibilidade do fundo.

Finalmente, observe qual é o valor da aplicação inicial para saber o quanto é necessário para poder fazer parte do fundo.

Estatísticas Históricas

Tendo em mente estes conceitos vamos analisar importantes itens na hora de escolher um fundo de investimento.

Na tabela abaixo você pode ver os 4 melhores fundos multimercados, segundo minha própria avaliação.

Fundos Multimercado – Estatísticas Históricas

1. Período

Todos os fundos analisados tem pelo menos 4 anos de história, sendo que o CSHG Verde tem um impressionante histórica de mais de 13 anos.

2. Retorno

Sendo o CDI o benchmark destes fundos multimercados, é possível observar que todos os fundos obtém rentabilidade acima do CDI.

Na coluna “%CDI” temos o quanto o fundo variou em relação ao CDI.

Se você ficou espantado com o retorno anual de 33,67% em mais de 13 anos de história junte-se a mim.

Este retorno é maior do que a rentabilidade do próprio Ibovespa.

Alocação de ativos, hedge, timing e stock picking fizeram e fazem deste fundo um fundo vencedor.

3. Risco

Tão importante quanto o retorno, o risco é um fator fundamental numa análise, já que mostra a possibilidade de perda esperada.

Por exemplo, em 68% do tempo (faixa entre o -1 e +1 desvio-padrão) podemos esperar um retorno entre 14,96% e 52,38% no fundo CSHG Verde.

4. Índice Sharpe

Criado por William Sharpe, é um indicador que permite avaliar a relação entre o retorno e o risco dos fundos.

Quanto maior o valor, melhor a relação entre retorno x risco. Seu cálculo é bem simples, sendo feito desta maneira:

Índice Sharpe = (Retorno do Fundo – Retorno do Benchmark) / Desvio-Padrão do Fundo.

No fundo CSHG Verde temos: (33,67% – 17,93%) / 18,71% = 0,84.

Rentabilidades Anuais

1. Períodos quebrados

Notem que coloquei uma sinalização nos primeiros retornos de alguns fundos.

Isso se deve ao fato de que o fundo foi lançado no meio do ano.

O Gap Multiportfólio foi lançado em dezembro de 2001, o Gávea Diversificado em julho de 2005 e o Modal Eagle 60 em julho de 2006.

2. Pontos interessantes

Em 1999, o fundo CSHG Verde teve um retorno expressivo de 135,40%, sendo que somente no mês de janeiro de 1999, mês da abertura das bandas cambiais no Brasil, o fundo valorizou 63,45%.

O ano de 2008 foi severo com fundos multimercados que detinham boa alocação em Bolsa.

E foi o que ocorreu principalmente com o CSHG Verde. Entretanto, o fundo Modal Eagle 60 conseguiu passar ileso na crise, tendo um excelente resultado de 17,77%, bem acima do CDI.

A recuperação dos mercados em 2009 pode ser acompanhada pelos fundos multimercados, principalmente pelo CSHG Verde.

Entretanto, o Modal Eagle 60, optando por uma estratégia mais defensiva, não teve a mesma excelente rentabilidade obtida em 2008.

2010 veio para botar um freio no Modal Eagle 60, que vinha com resultados bem consistentes até o momento.

O fundo está rendendo apenas 0,32%. Já o CSHG Verde, voltou a tomar a iniciativa de “fundo alpha”, gabando-se do seus excelente histórico em relação aos outros fundos.

Planilha com as rentabilidades mensais históricas dos Fundos de Investimento

Está curioso para saber o desempenho destes fundos mês-a-mês? Clique no link abaixo e baixe a planilha.

Aproveite para ver o porquê o fundo CSHG Verde é considerado uma lenda no mercado.

Clique para baixar (xlsx)

Informações Gerais sobre os Fundos de Investimentos

Fundos Fechados e Abertos

Má notícia! Infelizmente, 2 dos 4 melhores fundos multimercado (na minha opinião) estão fechados…

Uma pena, já que seria ótimo investir no CSHG Verde com aporte inicial de apenas R$ 5.000.

Patrimônio Líquido

Impressionante o patrimônio líquido do fundo CSHG Verde. Superior a 2 Bilhões!

Quase 10x maior do que o GAP Multiportfólio, segundo maior da nossa lista.

Mesmo em fundos de ações, que são mais populares, é difícil encontrar fundos deste porte.

Custos

 Taxas de administração seguem o padrão dos fundos multimercados, variando de 1,00% até 2,00%.

Taxa de performance, que é uma taxa cobrada semestralmente apenas sobre o rendimento em excesso do fundo em relação ao seu benchamrk, no padrão de 20%, 25%.

E na consulta que fiz sobre o fundo Gávea Diversificado notei esta taxa de saída de 10%, cobrada na hora em que o cliente saca dinheiro do fundo.

No meu entendimento, esta taxa seria como uma taxa de performance, porém, cobrada apenas na do resgate.

Se você ainda deseja saber mais sobre estes fundos citados no artigo acesse a página destes fundos: CSHG VerdeGap MultiportfólioGávea DiversificadoModal Eagle 60.

Ainda temos assuntos muito interessantes para tratar, como os relatórios dos melhores gestores do mercado, o acesso a alocação atual através da CVM e a comparação destes fundos profissionais com minha carteira de investimentos pessoal.

Acompanhe a sequência deste artigo – Melhores Fundos de Investimentos Parte II.

Gostou do artigo? Compartilhe!

Sobre o autor

Henrique é especialista em alocação de ativos, eleito um dos 5 melhores educadores financeiros do Brasil em 2012/2013. Continue Lendo aqui!

  • Thiago

    Você sabe dizer se essa performance dos fundos mostradas já incluem a taxa de administração e performance?
    Se não, eu acredito que esses fundos todos devem perder pro próprio IBOV. As taxas cobradas são absurdas. Já não basta 15% de IR (no melhor dos casos), ainda temos que pagar mais 10% pra administradora na retirada no caso da Gávea!

    • Henrique Carvalho

      Olá Thiago!

      As taxas de administração já são incluídas na rentabilidade dos fundos. Entretanto, a taxa de performance depende, pois ela é cobrada apenas se, após os 6 meses em que o cotista fez sua aplicação, houve variação positiva no valor da cota.

      E cuidado ao comparar Fundos Multimercado com Ibov. Eles tem perfil mais diversificado, tendo como benchmark o CDI.

      Grande Abraço!

  • Erico

    Henrique,

    Muito bom este artigo! Parabéns!
    Espero a parte II com a comparação do seu portifolio versus os fundos.

    Me diga uma coisa…
    Como voce verifica a sua posição financeira para comparação?
    Para ações e FII basta pegar a cotação que fechou determinado dia, entretanto para Títulos do Tesouro, se você pegar a cotação no extrato do dia terás um valor que pode ser mais ou tambem menos do que o valor pré-acordado no momento da compra, correto? Desta forma, depois estar comparando um valor e um rendimento não verdadeiro!

    Abracos,
    Erico

    • Henrique Carvalho

      Olá Erico!

      Os Fundos de Investimentos utilizam a marcação a mercado (mark-to-market) para avaliar sua posição financeira no dia. Isso significa que todos os ativos devem ser precificados ao preço de negociação no mercado secundário, ou seja, é o preço em que todos os ativos poderiam ser liquidados hoje.

      No caso dos títulos pré-fixados, por exemplo, devemos utilizar o preço do mercado secundário para avaliar nossa posição, independente se levaremos o título ao vencimento ou não. Lembre-se que, no vencimento, todo título pré-fixado tem valor de face igual a R$ 1.000,00.

      Portanto, é importante sempre levarmos em conta a marcação a mercado para avaliarmos nossa carteira, assim como os fundos de investimentos fazem.

      Grande Abraço!

  • MARCELO

    olá Henrique!

    muito bom seu artigo. Venho acompanhando os fundos multimercados e realmente há ótimas opções de diversificação. Contudo, é necessário avaliar o nível de alavancagem de cada fundo e também se os riscos são os mesmos (crédito privado ou risco de mercado).

    Aproveito e recomendo para análise dois fundos de uma gestora que tem bom histórico de desempenho: Opportunity Asset.
    – Fundo Total
    – Fundo Market

    abraço
    marcelo

    • Henrique Carvalho

      Marcelo,

      Obrigado pelo seu comentário e pelas recomendações destes fundos multimercados.

      Interessante, em particular o Opportunity Market, com um bom histórico desde 1996.

      Agora, olha que interessante:

      Comparando o CSHG Verde com o Opportunity Market temos (respectivamente):

      1. Retorno Acumulado: ~5000% (é isso mesmo!) x ~2000%.
      2. Retorno Anual: 33,67% x 23,59%.
      3. Risco Anualizado: 18,71% x 12,32%.
      4. Patrimônio Líquido: 2.350 Milhões x ~100 Milhões.

      De qualquer forma adicionei o Opportunity aos meus fundos favoritos! Valeu Marcelo!

      Grande Abraço!

  • Olá Henrique, achei interessante o assunto e tenho algumas dúvidas.

    Eu estava estudando sobre portfólios e tracei algumas linhas de tendência, projeções, desvio-padrão e etc. Só que não sei se está correto. O desvio padrão é a raiz da variância, correto? Eu fiz as projeções, os desvios, a soma do quadrado dos desvios, calculei a variância depois tirei a raiz, mas acho que não é o valor correto. É assim que você calcula? A porcentagem eu faço pelo meu patrimônio total? Posso enviar minha planilha depois para você dar uma olhada!

    Abraço!

    • Henrique Carvalho

      Olá Renda Passiva!

      É, acho melhor. Envie a planilha que te explico lá os cálculos direitinho!

      Também já penei um pouco para entender estes cálculos, mas hoje acho que já estão melhor controlados! haha

      Envie uma mensagem na área contato que já te respondo com meu e-mail!

      Abraço!

  • Henrique, mais um *EXCELENTE* artigo, sobre um tema muito interessante de ser debatido.

    É comum lermos em revistas como Você S.A., Exame, Valor Investe etc., textos com guias sobre os “melhores fundos de investimento”. O problema é que eles são, com todo o respeito aos que fazem tais “rankings” e “estrelas”, um pouco superficiais, principalmente na questão da rentabilidade, cujo histórico geralmente é o do último ano, o que nem sempre espelha a realidade.

    O grande diferencial desse artigo que temos aqui no HCI é que você mostra um quadro mais amplo do desempenho e das características de cada um dos melhores fundos de investimento. E tudo com a didática que o caso requer.

    Também acho o Verde um fundo de fato “fora de série”. Pena que esteja fechado.

    Não sei se você já ouviu falar desse gestor: Fama Investimentos – http://www.famainvestimentos.com.br/

    Rentabilidade dos fundos dele: http://www.famainvestimentos.com.br/docs/Rentabilidade.pdf

    É isso aí!
    Um grande abraço, e que Deus os abençoe!

    • Henrique Carvalho

      Muito obrigado pelos elogios Guilherme!

      Assim como você, tento sempre priorizar o canal entre autor e leitor, visando passar as idéias que eu gostaria de ler, caso fosse o leitor deste blog. Entendendo pedaço por pedaço, em todos os detalhes.

      E obrigado pelo link dos fundos da Fama Investimentos. Só achei fundos de ações por lá e eles são ótimos!

      Impressionante o histórico dos fundos: Future Watch e Challenger. Deixaram o Ibovespa no chão!

      Entretanto, como se tratam de fundos que aplicam em mid-caps e small-caps, a volatilidade deles pode assustar um pouco, como em 2008, em que tiveram retorno de -50%.

      Grande Abraço!

  • TBB

    Parabéns pelo ótimo post analise completa sobre todos os componentes de uma boa avaliação de fundo de investimento.

    HC qual a sua opinião sobre o fundo multimercado Mapfre Inversion?

    Chamou-me atenção sua baixa taxa de adm, aporte inicial e por ser pouco volátil.

    • Henrique Carvalho

      Obrigado pelos elogios TBB!

      Bem interessante o multimercado Mapre Inversion.

      O fundo tem praticamente 4 anos e já tem um ótimo histórico de rentabilidade. E vem tendo boa rentabilidade em 2008 e 2010.

      Patrimônio líquido de quase R$ 500 Milhões.
      Rentabilidade nos últimos 36 meses de 68,09% (26,25% só em 2008, ano de crise!)
      Baixa Volatilidade – Praticamente fica em torno de 0% – 2% (mais para 2%! rs)
      Aporte Inicial Muito Baixo – R$ 200,00 (Mais hein?)
      Taxa de Administração Baixa – 1,20% (Para a classe multimercado é baixa)
      Taxa de Performance – 20% (Média dos Multimercados)

      Impressionante!

      Pela alocação do fundo fica difícil imaginar o porquê desta exuberante boa rentabilidade. Talvez os derivativos….Hmm. Este fundo merece uma pesquisa mais detalhada…

      Obrigado pela recomendação!

      Grande Abraço!

  • Olá, HC.

    Excelente post. Nunca tinha pensado em fazer uma análise de risco de fundos ou da minha carteira. Quem sabe não podemos fazer um ranking/comparativo de carteiras heheh. Seria interessante.

    Conforme prometido, fiz uma análise da minha carteira no post anterior (link abaixo):

    http://hcinvestimentos.wordpress.com/2010/07/02/carteira-hc-investimentos-%e2%80%93-atualizacao-mensal-%e2%80%93-junho2010/#comments

    Abraços

    Ricardo
    http://www.eutonabolsa.com

    • Henrique Carvalho

      Muito obrigado pelos elogios Kerbej!

      E podemos fazer sim. Talvez todo semestre ou final de ano, comparar a rentabilidade, risco e alocação da carteira de diversos blogers. Seria uma ótima forma de aprender!

      E obrigado pela análise de sua carteira. Comentei mais detalhadamente lá.

      Grande Abraço!

  • Valeu Henrique pelos comentários!

    É isso aí!
    Um grande abraço, e que Deus os abençoe!

  • Olá Henrique,

    Não aconselho a ninguém investir em fundos multimercado. Primeiro por que o retorno passado não garante o retorno futuro. Segundo por que voce incorre em um bias de sobrevivência, só analisa quem foi bem até agora – por exemplo até 2008 o melhor fundo multimercado era o GWI, com rentabilidade absurda (2004 51%; 2005 35%; 2006 79%; 2007 97%); ou seja se este artigo tivesse sido escrito no fim de 2007 voce provavelmente estaria recomendando o GWI. Chegou 2008 e com a crise eles perderam 98% do patrimônio e faliram.

    E o principal fator por que acho bobagem investir em um fundo multimercado é que eles são caixas pretas, em que voce não sabe em que o gestor está investindo exatamente, pois eles não divulgam. Voce não sabe se ele está comprando opções a seco, operando com futuros, termo, dolar, boi gordo, se está investindo em avestruz ou se é tudo um grande embuste, um esquema ponzi como o que ocorreu com o Madoff, ou voces acham que o que aconteceu lá não pode acontecer aqui??

    Se o cara está ganhando muito, acima do Ibovespa, é por que ele está incorrendo em riscos altos e não há como escapar disto. Se muitos soubessem exatamente em que os gestores estão investindo talvez desistissem de investir nestes fundos, pois teriam uma noção real do risco.

    Além óbvio das taxas de administração e de performance carissimas.

    Fica o alerta

    • Henrique Carvalho

      Investimentos e Finanças,

      Tenho ciência deste fundo e da alavancagem que ele utilizava para conseguir melhores resultados. A intenção do artigo não foi recomendar nenhum fundo multimercado para ninguém, apenas explorar os alguns critérios de avaliação que podem ser úteis para investidores avaliarem por si próprios fundos mais adequados para investirem.

      Veja que não analisei apenas o retorno, porém, outras importantes questões como:

      1. Risco
      2. Índice Sharpe
      3. Liquidez
      4. Patrimônio Líquido
      5. História e Tradição do Fundo.

      Isso porque (na parte II) ainda vou falar sobre os relatórios que estes fundos produzem, o que considero um dos, senão o mais importante, critérios na hora de analisar os fundos, já que eles permite que possamos entender como o gestor está alocando o dinheiro dos cotistas e seu pensamento sobre diversos cenários.

      Ainda assim, como a maioria dos leitores aqui do blog fazem sua gestão de recursos pessoal, a comparação com os Fundos Multimercado é apenas uma referência.

      E é possível ver em que o fundos está investindo sim. Não é tão claro como deveria ser, porém na CVM basta digitar o CNPJ do fundo e você consegue saber em que ativos ele está investindo.

      Espero que não tenha me entendido errado. Também sou muito preocupado com estes fundos perigosos do mercado (veja que nem citei o Multimercado Sparta no artigo).

      O alerta é válido!

      Grande Abraço!

  • Oi, HC.

    O problema é que muitos desses fundos só divulgam a carteira após 03 meses. Nesse sentido, acho interessante os fundos da Geração Futuro, pelo menos você sabe onde estão investindo o seu dinheiro, apesar da alta taxa de adm., que faz com que eu desanime de investir nele.

    Abraços

  • Pingback: Os Melhores Fundos de Investimentos [Parte II] | HC Investimentos()

  • Daniel

    Muita Boa análise, para béns pela dedicação.

    Somente um ponto : O Gavea Diversificado só cobra 10% de saída SE você quiser resgatar antes do prazo de cotização, que acredito que seja de 60 dias. Fora isso, ele não cobra essa taxa.
    E a gestora Gavea Investimento tem diversos fundos mais interessantes do que o Diversificado, visto que ele SÓ aplica em fundos e não possui carteira própria. Coloque na sua análise o Gavea Brasil ou o Gavea Investimento no Exterior.

    Abs

    • Henrique Carvalho

      Olá Daniel!

      Obrigado pela informação sobre a taxa de saída do Gávea.

      Quando fiz minha pesquisa (dei até uma olhada novamente) comprovei que este fundo parecia ter resultados mais consistentes do que o Gávea Brasil. Nos últimos 5 anos, o Gávea Diversificado, mesmo sendo um Fundo de Fundos, teve rentabilidade superior ao Gávea Brasil, além de um risco menor.

      Não vejo problema em ele ser um FIC de FIM, já que analisando o portfólio dele (através da CVM) podemos observar ótimos fundos como o CSHG Verde 90, o próprio Gávea Brasil e o Ventor Hedge.

      Sobre o Gávea Investimento no Exterior não acho apropriado para uma comparação, já que não tenho nenhum ativo estrangeiro em carteira.

      Obrigado pela sua visão. Mas continuarei usando o Diversificado para análises futuras.

      Grande Abraço!

  • Pingback: Valores Reais » A indústria de investimentos não é sua amiga()

  • Marcos

    Como posso investir nestes fundos citados? Preciso abrir uma conta? Tem valor minimo para se abrir uma conta neste banco?
    Atualmente sou cliente do Itau e cada dia noto mais que, é um dos bancos que cobra as maiores taxas.
    Abraco.

    • Henrique Carvalho

      Olá Marcos!

      Recomendo entrar no site dos fundos citados para ver todas as demandas necessárias para investir.

      Importante também ver se o fundo está aberto ou fechado para captações. O Verde da CSHG, por exemplo, infelizmente está fechado para novas captações…

      Grande Abraço!

  • Rodrigo Formigoni

    Olá HC,

    Vc conhece o fundo quantitativo chamado “Azul Quantitativo FIM” da RMW Investimentos ? Vc poderia dar algum parecer sobre esse fundo ?

    Obrigado, Rodrigo Formigoni

    • Henrique Carvalho

      Olá Rodrigo!

      Conheço sim! Difícil fazer previsões sobre o futuro de um fundo. Entretanto, posso lhe afirmar que as pessoas envolvidas nele são bastante inteligentes e tem ótima experiência no mercado. O Roberto Denadai, responsável pela gestão do fundo já deixou inclusive um comentário aqui no HC Investimentos. Ele também costuma de vez em quando postar no Fórum Investidor Agressivo (veja a entrevista dele). Sem dúvida, uma das pessoas mais inteligentes que conheço do mercado. Uma inspiração para todos que estão procurando se desenvolver.

      Grande Abraço!

  • Rodrigo Formigoni

    Olá Henrique,

    Vc possui as rentabilidades mensais do IBOVESPA desde jan/97 até hoje ??? Ou vc sabe onde posso encontrar ?

    sds Rodrigo Formigoni

    • Henrique Carvalho

      Olá Rodrigo!

      Enviei diretamente para seu e-mail os dados mensais do Ibovespa desde jul/94.

      Abraços!

  • Rodrigo Formigoni

    Oi Henrique,

    O que vc poderia falar sobre investimento em ETF´s. Por exemplo, estou pensando em trocar um fundo de investimentos em ações com taxa de adm de 4% aa pelo PIBB11 que possui uma taxa bem pequena. Para o longo prazo, vc diria que é uma boa escolha ? E com relação ao SMAL11 ? Qual é a sua opinião ?

    Um abraço, Rodrigo Formigoni

    • Henrique Carvalho

      Olá Rodrgio!

      Acho ambos ETF’s ótimos para o investimento em longo prazo. A diversificação com os dois aumenta, podendo lhe garantir uma melhor relação retorno x risco do que com apenas um deles.

      Abraços!

  • Rodrigo Formigoni

    Olá Henrique,

    Vc sabe onde posso encontrar as rentabilidades mensais do SMALL11 desde o seu início ?

    Um abraço,

    Rodrigo Formigoni

    • Henrique Carvalho

      Olá Rodrigo!

      O portal infomoney, através deste link, disponibiliza até 2 anos dos dados diários.

      Veja se lhe é útil!

      Abraços!

      • Felipe

        Olá, Henrique e Rodrigo!
        No site Comparação de Fundos é possível ver todo o histórico do fundo. Desde o início. E comparar com outros fundos.
        Abraço!

  • Resendedaniel

    Vejam esses fundos e essas estatísticas atualizadas no site http://www.comparacaodefundos.com/ 
    Aqui a comparação já montada: http://www.comparacaodefundos.com/compare/#cdi/otimo/01221890000124/03804917000137/06170915000121/05257287000153

  • Wagner

    Oi, Henrique.

    Parabéns e obrigado pelo belo trabalho! Comprei o seu livro de Alocação de Ativos, devorei e já estou aplicando seus ensinamentos na minha carteira. Era o que eu estava procurando há um bom tempo.

    Obviamente montei um meio de campo com uma pequena carteira de 9 FIIs, que vai aumentar mais. Mas recentemente andei lendo uns artigos do Rafael Seabra (por onde cheguei até vc), apresentando uma série de argumentos que levam à percepção de que estamos vivendo uma bolha imobiliária, que está prestes a estourar ou desinflar. Alguns corretores e amigos tb me falaram sobre essa possibilidade, ainda incerta, mas possível, no mercado imobiliário.

    Gostaria de saber a sua opinião sobre isso e também entender os efeitos dessa possível bolha sobre os FIIs, quais seriam mais negativamente afetados e quais representariam boas oportunidades neste cenário, caso ele se concretize..

    Valeu!

  • Ana

    Olá Henrique, como você fez para adquirir conhecimentos de educação financeira? Tem que obrigatoriamente trabalhar na área? Que cursos você fez?
    Obrigada.

  • Fernando

    Olá, Henrique. E quanto ao efeito come-cotas? Quais desses fundos não o possuem, isto é, alocam mais de 67% em ações?

eBook-alocacao-ativos