Estratégias de Investimentos: Alocação de Ativos [Simulação, Análise e Bônus!]

estrategias-alocacao-ativos

Estudos Comprovam:

90% da variação do retorno em uma carteira de investimentos está atrelado à sua alocação de ativos

Os 10% restantes estão ligados ao timing, ou seja, o momento em que o investidor entra e sai de uma posição, e ao asset picking, os ativos que ele escolhe dentro de uma determinada classe.

Ignorar estes números significa diminuir a probabilidade de você alcançar o sucesso no mercado.

Porém, caso ainda não tenha uma estratégia de alocação de ativos definida ou ainda não esteja convencido de sua importância, não tem problema!

Continue lendo este artigo, pois ele terá como ênfase:

  1. Analisar o retorno dos diversos ativos (e classes de investimentos) em 2011.
  2. Buscar relações entre alocação de ativos, o retorno e risco de diferentes carteiras simuladas.
  3. Uma surpresa no final do artigo [Bônus]! Conto com a participação de todos! 🙂

1. Alocação de Ativos: Retorno Principais Ativos em 2011

Alocação de Ativos Retorno em 2011

2011 teve seu primeiro semestre marcado pela subida dos juros (Selic), o que colaborou para uma fuga dos ativos de maior risco (ações) para ativos mais seguros (como títulos públicos).

O Ibovespa terminou este primeiro semestre de 2011 com uma rentabilidade em torno de -10%.

Na média, podemos dizer que o investidor que alocou 100% em ações está com um retorno próximo de -10%.

Se considerarmos os custos, estes números podem ser ainda piores.

Pior, o investidor que investiu 100% em ações nos últimos 3 anos estaria com um retorno negativo.

Apenas para efeito de comparação o CDI estaria rendendo em torno de 35% no mesmo período.

Se você ainda investe todo seu capital em ações sugiro ler a série de artigos:

3 razões para não investir em ações – Parte I | Parte II | Parte III.

Entretanto, acredito que a maioria dos leitores do HC Investimentos estejam acostumados com o termo alocação de ativos, dado o último artigo sobre as 5 vantagens da Alocação de Ativos.

Estudo sobre Alocação de Ativos

Com o intuito de reforçar a importância de se adotar a estratégia de alocação de ativos preparei um pequeno estudo sobre como as carteiras diversificadas estariam performando neste primeiro semestre de 2011.

2. Alocação de Ativos: Diferentes alocações, Diferentes Retornos e Riscos 

Neste estudo vamos supor três tipos de alocações diferentes visando entender como a ampla diversificação pode ajudar você a melhorar a relação retorno x risco de sua carteira de investimentos.

Observação: Apesar do estudo ser feito apenas em cima de 6 meses os conceitos podem ser aplicados para investimentos de longo prazo, conforme já testei em estudos com mais de 10 anos de dados.

Alocação de Ativos #1: (Apenas dois ativos)

Alocação de Ativos #1

clique na imagem para ampliar

O investidor que optou por diversificar apenas em BOVA11 (70%) e LFT com vencimento em 2015 (30%) obteria neste primeiro semestre de 2011 um retorno de -5,49% e um risco de 6,19%.

Notem que somente diversificando 30% em LFT 2015 o investidor conseguiria reduzir o risco de sua carteira de investimentos em mais de 50%, já que o risco do Ibovespa foi de 16,28% e da carteira 6,19%.

Como nem todos estão acostumadas com o cálculo de risco, sugiro baixarem a planilha de risco que disponibilizei aqui mesmo no blog.

Olhando os retornos mensais da carteira é possível perceber que os resultados tendem a se comportar dentro de uma faixa.

Isso ocorre devido os 30% aplicados em LFT, que apresenta resultados bem constantes, evitando que a alta volatilidade da Bolsa gere uma alta volatilidade para a carteira.

Entretanto, esta é uma diversificação muito simples e que pode ser melhorada.

Alocação de Ativos #2: (Diversificação Dentro da Classe)

Alocação de Ativos #2

clique na imagem para ampliar

Nesta segunda simulação adicionamos novos investimentos dentro mesma classe (categoria). Não adicionamos nenhum fundo imobiliário, assim como nenhum ativo cambial.

Reduzimos a alocação em ações (para 50%), distribuindo ela em 30% em BOVA11 e 20% SMAL11. O objetivo era aproveitar um pequeno (mas importante) potencial de diversificação nas small caps.

Na categoria de Renda-Fixa diversificamos entre títulos públicos pós-fixados (LFT 2015), pré-fixados (LFT 2015) e indexados a inflação (NTN-B Principal 15, 24 e 35).

Os resultados melhoraram substancialmente!

Agora temos um retorno de -1,73% (contra -5,49% anterior) e um risco de 6,06% (contra 6,19% anterior).

Os números nos mostram que foi possível aumentar o retorno e reduzir o risco.

É importante lembrar (novamente) que em dados mais longos os resultados, apesar de serem ligeiramente parecidos, não são tão ótimos como neste período de 6 meses.

Afinal, aumentar o retorno em 4% em um semestre e ainda diminuir o risco seria bom demais para ser verdade.

O objetivo é mostrar como a diversificação entre uma mesma classe é importante.

É por isso que invisto nos 3 tipos de títulos públicos e procuro manter uma diversificação entre BOVA11 (ou PIBB11 ou os dois!) e SMAL11.

Alocação de Ativos #3: (Ampla Diversificação)

Alocação de Ativos #3

clique na imagem para ampliar

Você lembra quando falei no artigo sobre as 5 Vantages da Alocação de Ativos sobre o modelo 4-3-2-1?

Para aqueles que ainda não conhecem o conceito, vou explicar rapidamente. Ele é bem simples, pois os números representam a alocação que busco seguir nas seguintes classes de investimentos:

40% Renda-Fixa

30% Ações

20% Fundos Imobiliários

10% Câmbio

Nesta simulação temos os resultados exatamente deste modelo, embora os ativos que tenho em carteira não sejam exatamente estes. Mas os resultados que obtive neste primeiro semestre são bastante parecidos com esta carteira! 🙂

Renda-Fixa

Na categoria de Renda-Fixa temos 15% investidos em pós-fixados, 15% em pré-fixados e 10% em indexados a inflação, sendo que os títulos de longo prazo possuem menor alocação dado seu maior risco.

Fundos Imobiliários

Nos fundos imobiliários a alocação é equilibrada, de 2% para cada um dos 10 fundos. Esta seria a diversificação ideal (na minha visão) neste classe.

Caso não seja possível investir em 10, procure no mínimo ter 5 fundos imobiliários em sua carteira.

Câmbio

Ao investir em câmbio atua mais como uma medida de proteção a carteira do que busca aumentar o retorno.

O retorno esperado do investimento em dólar e euro é próximo de zero, sendo relevante nos momentos de crise em que é preciso liquidez (em moeda estrangeira) para aproveitar o desespero no mercado para encher o carrinho de ações em promoção. 🙂

O Ouro recebeu maior alocação (o dobro) do que o dólar e euro, pois atua como um duplo hedge cambial. Basicamente, ele ajuda na proteção contra a queda da bolsa e contra uma eventual queda nos papéis-moeda.

Saiba mais sobre como investir em ouro.

Esta classe de investimentos é a única que pode ser retirada de uma estratégia de alocação de ativos, principalmente para investidores que ou tem pouco capital ou ainda estão se acostumando com o conceito de alocação de ativos.

Ações

20% alocados em large caps (PIBB11 e BOVA11) e 10% em small caps.

Estas alocações dependem muito do perfil de risco do investidor, mas investindo através de um fundo de índice os benefícios da estratégia aumentam.

No longo prazo, espera-se (na teoria) que small caps obtenham um retorno maior do que large caps. Entretanto, este retorno adicional vem junto com um risco adicional. Não existe almoço grátis!

Estatísticas da Carteira

Com um retorno de 1,54% e um risco de apenas 4,07% esta carteira mostrou-se uma melhor opção do que as demais carteiras menos diversificadas acima.

Ao espalhar mais seus investimentos espera-se que você consiga diminuir o risco de sua carteira, tanto no curto prazo como no longo prazo.

Note como os retornos mensais se comportaram nesta carteira. Mínima de -1,48% e máxima de 1,78%.

Se você quiser contar histórias para seus amigos de como conseguiu 10% ou mesmo 20% em um mês, a alocação de ativos definitivamente não é para você.

Entretanto, se você quiser prosperar no mercado no longo prazo através de rendimentos um pouco mais constantes, porém crescentes, bem-vindo a alocação de ativos!

Aliás, com maior tempo no mercado você percebe que quem realmente ganha dinheiro no mercado é geralmente quem menos fica contando histórias por aí.

Uma pergunta frequente

Compare os resultados da carteira com o investimento em LFT 2015.

Retorno: Carteira = 1,54% | LFT = 5,53%

Risco: Carteira = 4,07% | LFT = 0,36%

Isso não significa que seria melhor investir 100% em LFT?

Se você tiver uma bola de cristal mágica e me disser que daqui a 10 anos o melhor investimento será LFT…Sim!

Entretanto, se você está no mundo real e sabe que não é possível adivinhar o mercado, a resposta é Não!

Por quê? Porque no longo prazo, as ações tendem (na teoria) a apresentar um retorno maior do que os títulos pós-fixados.

Não só ações, mas também fundos imobiliários, títulos indexados a inflação e títulos pré-fixados.

Afinal, a relação retorno e risco é diretamente proporcional. Quanto maior o retorno maiores as chances do risco também ser elevado.

Além disso, se você juntar todos estes investimentos em sua carteira, melhorará a relação entre retorno e risco no longo prazo.

Portanto, diversifique!

Amadores focam em rentabilidade.
Profissionais focam no risco

Como você está gerenciando o risco de sua carteira?

3. Bônus Prometido!

Na verdade não é apenas 1 bônus, mas 2 bônus!

Bônus #1 – Escolha sua alocação de ativos!

Eu poderia simular diversas opções de alocações de ativos e analisá-las aqui neste artigo.

Entretanto, não é todo mundo que adora ler um artigo de mais de 5.000 palavras. E este já está em 1.700…

Deste modo pensei:

Por que não lançar no blog uma Série Interativa sobre Alocação de Ativos?

Ela funcionará do seguinte modo:

Série: Alocação de Ativos na Prática

1. O leitor escolherá uma alocação para sua carteira baseada somente nestes ativos que foram abordados neste artigo.

A rentabilidade destes ativos será contabilizada a partir de julho. Logo, vocês já ganharam de bônus uns 15 dias! 😉

Não será possível modificar a carteira durante a série. Portanto, escolha bem a sua alocação de ativos!

2. Coletarei os dados enviados por vocês e produzirei uma análise mensal sobre como as carteiras (inclusive a que eu montar) estão indo e faço alguns comentários sobre as diversas carteiras.

Analisarei o porquê algumas carteiras não estão bem diversificadas, mostrarei possíveis riscos de outras carteiras e ainda pretendo criar gráficos de comparação das carteiras enviadas (tanto entre os participantes como com o CDI e Ibovespa, por exemplo).

Eu sei…isso pode ser um trabalho monumental para uma única pessoa…mas se você quiser ser excelente em um assunto, a melhor maneira de alcançar a excelência é entregando o seu melhor não é mesmo?! 🙂

3. A série Alocação de Ativos na Prática terá como prazo final o ano de 2011. A partir daí podemos, caso haja interesse, continuar a série para todo o ano de 2012.

Quais NÃO são os objetivos desta série?

A série Alocação de Ativos na Prática não pretende ser mais uma daquelas que visa eleger uma “melhor estratégia” baseada nas alocações que serão montadas.

Sabemos que 6 meses é um período muito curto para analisar os resultados.

Porém, conforme vimos através deste artigo, mesmo um período de 6 meses podem nos trazer importantes informações sobre o funcionamento de uma estratégia de alocação de ativos.

Portanto, o objetivo não será apontar um vencedor nem perdedor.

Quais são os objetivos da série?

  • Aprendermos como o movimento do mercado influência as carteiras de investimentos.
  • Desenvolvermos uma cultura de diversificação de carteiras. Vamos mostrar para os investidores como a alocação de ativos pode trazer a tranquilidade e os resultados necessários que todo investidor necessita.
  • Maior interação entre os leitores do HC Investimentos.

Bônus #2 – Download da planilha através da newsletter HC Investimentos

Você reparou nos dados da planilha que desenvolvi especialmente para este artigo?

Alocação de Ativos #3

clique na imagem para ampliar

Não seria legal se você pudesse montar sua alocação de ativos diretamente através desta planilha?

O interessante é que os dados e os gráficos se atualizam conforme você muda sua alocação de ativos. E, mais para a direita desta imagem, eu coloquei uma tabela com o retorno e risco de cada ativo.

Deste modo, você pode ver em um única tela qual foi o retorno e risco de cada ativo nos últimos 6 meses.

Faça simulações, veja como o retorno e o risco da carteira mudam conforme você escolhe diferentes alocações para os ativos.

Se você quiser analisar os dados desde 2010, você pode fazê-lo ao clicar na outra aba.

Alocação de Ativos Rentabilidades Mensais

clique na imagem para ampliar

Nesta aba de rentabilidades mensais você poderá ver como calculei o retorno (em 2011 e anualizado), além do risco de cada investimento e do risco da carteira.

Como fazer o download da planilha?

É bem simples! Basta se cadastrar em nossa newsletter que você receberá automaticamente esta planilha. (entre outros benefícios!)

Coloque agora seu email no campo abaixo e clique em “inscreva-se!”

Se você já é cadastrado na newsletter basta verificar sua caixa de email com a planilha e com a minha alocação de ativos para esta série.

Como você pode submeter a sua alocação?

Basta reenviar a planilha preenchida com a sua alocação de ativos para o email que lhe foi enviada a planilha.

Lembre-se de dar uma nome para sua carteira. Pode ser seu próprio nome mas, se preferir, coloque um nome que seja fácil identificá-lo (ex: Valores Reais para o meu amigo Guilherme).

Estarei aceitando submissões até o final do dia 31/07. Mas não espere até lá para enviar sua alocação! 🙂

Espero que vocês, assim como eu, possamos aprender bastante com a série: Alocação de Ativos na Prática!

Dúvidas? Deixe um comentário no final deste artigo.

Conclusão

Quem investe através da estratégia de Alocação de Ativos sabe exatamente que um ano ruim no Ibovespa não significa um resultado ruim para a carteira.

A queda na bolsa é até saudável para este investidor porque ele poderá aumentar sua alocação em ações através de um preço mais barato.

Não deixe para pensar em diversificar apenas quando tiver bastante capital. Compreender as vantagens da alocação de ativos desde cedo ajuda você a se preparar para encarar o mercado no longo prazo.

Gerenciar o risco através de uma sólida estratégia de alocação de ativos é um dever que cada investidor deveria seguir. Afinal:

Amadores focam em rentabilidade. Profissionais focam no risco

Participe da série Alocação de Ativos na Prática e aprenda como diversificar de maneira correta sua carteira de investimentos.

Gostou do artigo? Compartilhe!

Sobre o autor

Henrique é especialista em alocação de ativos, eleito um dos 5 melhores educadores financeiros do Brasil em 2012/2013. Continue Lendo aqui!

  • Afonso Ribas

    Vc eh fora de série mesmo!!!!
    Vou participar.
    [ ]s
    Afonso

    • Obrigado Afonso!

      Tenho certeza de que esta série será uma ótima oportunidade para aprendermos mais sobre a Alocação de Ativos com um mercado real e em tempo real.

      Estou ansioso pelo primeiro mês das análises!

      Agradeço a todos que estão participando!

      Abraços!

  • Excelente idéia!!
    Vou preparar hoje mesmo a minha planilha e enviar pra você!
    Parabéns pela iniciativa

    • Obrigado Anivaldo!

      Email recebido com sucesso! 🙂

      Abraços!

      • Carlos R

        Cinco anos depois mas vamos la. O link para a planilha esta quebrado.

        Como consigo uma copia dessa planilha?

        Pelas fotos posso fazer uma similar mas vai demorar umas boas horas 🙁

  • lisa

    que tal acrescentar no rol de ativos algumas blue ships e a rentabilidade histórica do cdi? 

    • Olá Lisa!

      Pensei em incluir algumas blue-chips mas preferir focar na simplicidade (ETFs) até para poder analisar melhor como cada alocação de ativos desempenhou neste período.

      Incluir ações individuais poderia aumentar bastante a dispersão dos retornos.

      E sobre o CDI as LFTs (títulos pós-fixados) tem rentabilidade bem semelhante ao CDI, já que seguem a rentabilidade da Selic Mensal.

      Abraços!

  • Helison

    Otima ideia mesmo…

    é só eu mandar aki por comentario mesmo,
    a alocação que eu quero pra minha carteira e vc cria?

    Bacana…

    Vou participar…

  • Hugo

    Não sei se você já abordou isso, mas seria interessante uma orientação quanto ao remanejamento da carteira, ou seja, quando teríamos que realocar os ativos de acordo com a porcentagem escolhida?
    Hugo.

  • Silveira

    Grande Henrique

    Parabéns pela qualidade do artigo.

    Nem no Valor Econômico tem artigos desta qualidade.

    abraço e sucesso.

    Tentei me cadastrar mas deu erro 3x.

    I40

  • Hilton Charles S. Prata

    Parabéns pelo excelente artigo e pela bela idéia, xará HC.

  • Investidor Defensivo

    Vc não pára de instigar em me diversificar mais…rs
    Mente borbulhando… rs
    O problema é minha “crença” que smallcaps irão render mais em breve… E depois eu “desaceleraria” (diversificando mais, investindo em fundos que variam menos a rentabilidade).
    Pára de publicar essas coisas !hauhauhau abs!

    • hahaha

      Esta é a intenção ID!

      Lembro-me quando tive contato com estas ideias de alocação de ativos pela primeira vez e foi como se encontrasse um luz no fim do túnel, uma nova visão de mundo.

      Fascinante!

      Conforme falei, tudo depende do perfil do investidor.

      Acho saudável para quem possui um horizonte de tempo maior começar alocando mais em SMAL11 do que BOVA11/PIBB11.

      Mas o investidor deve ter em mente que deverá esperar (na teoria) maior risco para compensar esta possibilidade de maiores retornos.

      Aqui no HC Investimentos a intenção é justamente mudar todo o paradigma dos investimentos, oferecendo uma alternativa mais tranquila e que gere uma sólida base para alcançar consistentes retornos no longo prazo.

      Agradeço sua participação!

      Grande Abraço!

  • André Savi

    Olá HC, tudo bem?
    Fiz a inscrição, depois envio para você!

    Só uma dúvida, você investe em câmbio através de quais ferramentas?
    Como compra ouro, dólar e euro?

    Abraços, fica com Deus!

    • Olá André!

      Dólar eu invisto via fundo cambial do Bradesco.

      Ouro eu já investi pela Ourominas, mas os custos são muito altos.

      A posição é pequena mas hoje acredito que seria melhor investir via OZ1D ou OZ2D.

      Para fundos Euro acho que o Banco do Brasil tem um ótimo produto!

      Abraços!

  • Parafraseando Afonso Ribas…………

    Vc eh fora de série mesmo!!!!

    Vou mandar minha planilha, com o sugestivo nome de ….Valores Reais….hehehehe

    Henrique, excelente artigo! Como muitos investidores estão ingressando agora no campo dos investimentos, ter artigos de qualidade superior, como os seus, são o porto seguro para conseguir desenvolver as qualidades necessárias para obter rendimentos satisfatórios no mercado financeiro. E o melhor de tudo é a didática que esta impregnada no texto: falar de economia sem o “economês” é sensacional. Continue assim!

    É isso aí!
    Um grande abraço, e que Deus os abençoe!

    • Grande Guilherme!!!

      Obrigado pela participação amigo!

      Estou curioso para receber sua alocação de ativos! 🙂

      Grande Abraço!

  • Egydio Viggiano

    Muito bom o artigo, assim como os outros no blog.
    Realmente posso ver que você entende do assunto e sabe como explicar com palavras mais claras mesmo para que não tem tanto conhecimento em investimentos.

    Abraços

    • Olá Edydio!

      Legal você ter lido o artigo. Muito obrigado!

      Qualquer coisa que eu possa ajudá-lo sinta-se à vontade para me enviar um emal, facebook ou comentário aqui mesmo no blog. As opções são variadas! 🙂

      Grande Abraço!

  • Cairo Adriana

    Olá, Henrique.Parabéns por mais esta iniciativa!Você já possui a nossa alocação de ativos.Rsrsrs.Começamos a idealizar no dia 21 de junho.Daqui a pouco já dá para calcular a rentabilidade do primeiro mês.Abraços.Adriana e Luís-SP

    • Adriana!!!

      hahaha Pois é! Tenho a alocação de vocês e sou suspeito para dizer que é uma ótima alocação! rsrs

      Acho que através de uma planilha será muito mais fácil calcular a rentabilidade do que aquele bolo de extratos! 🙂

      Calcular a rentabilidade definitivamente não é fácil missão. Aguardo o email de vocês caso tenham qualquer tipo de dúvida no processo.

      Grande Abraço ao casal mais preocupado com a saúde que conheço! hehe

      P.S. Ainda estão me devendo uma corrida comigo aqui no Rio hein! 😉

  • Excelente artigo.
    Já me inscrevi, logo mando minha carteira.

    • Valeu Fabrício!

      Estou no aguardo da sua carteira!

      Por sinal, você tem uma das maiores rentabilidades neste ano das carteiras que acompanho.

      Só acho que poderia ser um pouquinho mais diversificada! 🙂

      Abraços!

  • Jônatas R. Silva

    Grande Henrique,
    Mais um iniciativa fantástica, parabéns.
    Estou enviando a planilha, dentro os ativos propostos, pensando como eu faria no longo prazo. Caso fosse pensar somente até dezembro seria 100% em renda fixa, mas analisei como se o prazo fosse mais extenso.

    Abraço!

    • Obrigado Jônatas!

      Está muito pessimista para o segundo semestre?

      No próximo ano podemos aumentar para 1 ano (2012-2013) o período para análise!

      Grande Abraço amigo!

      • Jônatas R. Silva

        É meu amigo, estou pessimista sim. Acredito que a bolsa encerra o ano entre 60 e 65 mil pontos. Esta é minha aposta.

        Abraço!

        • Obrigado pela opinião!

          Estes dias li o relatório do Credit Suisse Hedging Griffo Verde, o melhor fundo multimercado (na minha opinião) e o gestor disse estar mais otimista com a bolsa.

          Conforme eu disse nos últimos posts não acho que a bolsa esteja muito barata, mas está ligeiramente barata.

          No momento, acho que vale adicionar um pouco de ações ao carrinho de compras! 😉

          Abraços!

  • Leandro

    Parabéns Henrique. Teu trabalho é de excelente qualidade, muito didático e muito instigante. Fica a sugestão de uma análise temporal retroativa e mais longa. Novos tempos se anunciam, apesar do aparente “descontrole” com a inflação o Brasil de juros altíssimos deu lugar ao de juros altos olhando para baixo. Quem sabe lá por 2013/2014 não conseguiremos voltar para um dígito. Aí sim a diversificação deixará de ser opção para ser obrigação.

    • Sugestões aceitas!

      Este artigo é uma base para começar a analisar cada vez com mais detalhes e com um prazo mais longo.

      Não queria sobrecarregar vocês de informação logo de cara! 🙂

      Mas preparem-se para “queimar a cuca” nos próximos artigos! rsrs

      Gostei muito do seu comentário:

      “Quem sabe lá por 2013/2014 não conseguiremos voltar para um dígito. Aí sim a diversificação deixará de ser opção para ser obrigação.”

      Perfeita observação!

      Abraços!

  • Ed

    Henrique Parabéns pelo blog,  Antes de conhecer seu blog já adotava a estratégia de alocação de ativos, mas de uma forma um pouco amadora. O blog está me ajudando muito. Teria como você escrever um post sobre investimento em cambio como forma de proteção? Estou interessado em destinar uma pequena parte em Dólar ou Ouro, justamente prá aproveitar as grandes quedas do mercado de ações, mas não faço idéia qual a melhor estratégia. Obrigado.

    • Olá Ed!

      Acho que só hoje recebi uns 5 pedido para falar sobre investimentos em câmbio! rsrs

      É um sinal não é mesmo?! 🙂

      Mas pode deixar que progamarei um artigo falando sobre Dólar, Euro e Ouro.

      O “problema” é que tem tanto assunto legal para falar e gosto sempre de detalhar bastante os artigos para que sejam bem úteis para o investidor!

      Abraços!

  • Leonardo Matzenbacher Finger

    Mais uma ótima iniciativa Henrique! Ler os teus artigos me despertou para a diversificiação e lhe sou muito grato por isso! Certamente estarei participando, mando minha planilha no final de semana!
    abraços!

  • Diego Justo

    Ola HC otimo artigo e sensacional as informações que compartilha gratuitamente conosco,

    fiquei com uma duvida a respeito da planilha de alocação de ativos devo me restringir apenas ao que esta na planilha ex.: ações tenho de colocar apenas investimentos nos ETFs?? ou posso colocar alguma ação que desejaria ter na carteira e em renda fixa poderia alocar alguma coisa em CDB ou fundos .. simular uma carteira real derrepente ..

    em todo caso mesmo que nao consiga mandar a planilha para sua analise estarei sempre acompanhando seus posts por aqui ..

    um grande abraço e sucesso em seus investimentos e sua vida 🙂

    • Olá Diego!

      Como vou buscar a rentabilidade certinha dos investimentos que coloquei na planilha e até para simplificar a vida do leitor optei por incluir apenas estes ativos.

      Liberando o investimentos em ações individuais os resultados seriam bem mais voláteis também! 🙂

      Agradeço os elogios e sinta-se sempre à vontade para dar sugestões, fazer críticas e elogios! 

      Grande Abraço e Sucesso!

  • Helison

    As alocações serão postas aqui mesmo, por comentarios…

    Caso sejam, aqui estão as minhas…

    variavel
    30% Smal11
    10% Pibb11

    Fixa
    5% Pós LFT15
    15% Pré LTN15
    10% Indexado NTNBP15

    Cambio
    4% Dolar
    4% Ouro
    2% Euro

    FII
    2,5% WPLZ11B
    2,5% FLMA11
    2,5% EURO11
    2,5% FLRP11B
    2% FCFL11B
    2% BCFF11B
    2% BRCR11B
    2% PQDP11
    2% NSLU11B

    Esta ai…

    Prontinho..

    • Ok Helison!

      Vou adicionar a carteira “Helison” com estas alocações.

      Grande Abraço!

    • Aliás, ótima alocação!

      Está seguindo mesmo o modelo HC 4-3-2-1! hehe

      Só que no seu caso os 40% são em ações e 30% em RF.

      Abraços!

  • Ruy de Freitas Martins Barbosa

     Henrique,

    para quem tem uma carteira composta SOMENTE de ações que tem o DY maior que o CDI, mesmo assim você acha vantajoso fazer Allocation e balancear com RF?
    se as ações estão pagando proventos mais altos que a RF?
    ainda assim, na sua opnião, vale a pena fazer realocação?

    estou achando o seu site muito interessante, obrigado pelas informações.

    um grande abraço,

    Ruy

    • Sim Ruy!

      Mesmo sendo ações mais defensivas e conservadoras elas continuam sendo ações, apenas com uma menor volatilidade (na teoria).

      A diversificação está justamente em explorar os benefícios das diferentes classes de investimentos.

      Além disso, lembre-se que o DY é uma medida do presente. Porém, no futuro o DY da empresa pode ter uma queda significativa se os dividendos distribuidos caírem.

      Para terminar, pense no seguinte cenário:

      Juros sobem de 12,25% para 15%.

      Tudo o mais constante nas empresas com alto DY, a atratividade delas será menor já que é possível obter um alto retorno (15%) investindo em títulos públicos, que são bem menos arriscados.

      Investindo nos títulos indexados a Selic (LFT), por exemplo, você aproveitaria esta alta dos juros.

      Já as ações com foco em DY podem sofrer variação de mercado pela fuga de capitais das ações para os títulos públicos.

      Alocação de Ativos é procurar se proteger de praticamente QUALQUER cenário.

      Por isso foquei duas vezes na seguinte frase neste artigo:

      “Amadores focam em rentabilidade. Profissionais focam em risco.”

      E tenho certeza de que os leitores do HC Investimentos estão preocupados em gerenciar o risco de suas carteiras! 😉

      Grande Abraço Ruy!

      • Ruy de Freitas Martins Barbosa

        Fala, Henrique,

        Na verdade, eu não foco nem em rentabilidade e nem em risco, eu foco em renda. Por isso que eu achei tão interessantes os FIIs, apesar de eu não gostar de imóveis, acredita?
        Eu acabei de assinar o Vienna Renda e Dividendos, então, se prepare, te vejo lá, hein?

        Abraços

        Ruy

        • Olá Ruy!

          Acredito sim! Eu também não sou muito fã de investir em imóveis, mas os fundos imobiliários apresentam muitas vantagens, inclusive como diversificação de carteira!

          E obrigado pela assinatura do Vienna Renda e Dividendos! 😉

          Sugiro dar uma lida no último artigo, que explica bem a relação entre risco e retorno nos últimos 3 anos para vários ativos.

          Ele explica bem o posicionamento do portfólio do VRD.

          Grande Abraço!

          • Ruy de Freitas Martins Barbosa

            Fala, Henrique, já li todos os artigos.

            Só achei falta de uma coisa lá: não encontrei forum ou algum lugar onde se possa debater, conversar, enfim, trocar idéias.
            Posso te mandar e-mail?
            Abraços

            Ruy

          • Olá Ruy!

            A ideia de criar um fórum para o HC Investimentos está na lista de tarefas! rsrs

            Mas confesso que a prioridade dela ainda é baixa…Acho que será inevitável com o crescimento do site! 🙂

            Você pode enviar comentários (até adicionar imagens), me mandar um email, twitter, facebook, linkedin, google+1.

            O que não falta é possibilidade de contato! 😉

            Abraços!

  • Carlos

    Henrique boa noite,

    Eu gostaria de excluir alguns itens na planilha, como faço?

    Parabens pelo excelente trabalho

    • Olá Carlos!

      Obrigado pelo elogio!

      Se entendi corretamente sua pergunta, você pode deixar a alocação em 0% para não alocar nos ativos que não quiser.

      Abraços!

  • Breno

    Vou fazer segunda-feira! O pobReminha é só o horizonte…final de 2011! tem que pensar um pouco macro também!
    tchanananm…o que farei!? juros vai subir mais ou menos? e a inflação? e a bolsa?

    • Breno

      Henrique, estava pensando…

      Não acho justo ter uma lista extensa de FIIs.

      Eu sei que vc não é bobo e já pega os preços desses ativos listados por você pra sua carteira própria, logo o trabalho agregado é bem menor pra manter esse controle com várias carteiras. Não dá pra abrir pra qualquer ativo do mundo senão vc vai demorar horas só linkando os preços.

      Mas, no final das contas, para ações temos apenas 2 ETFs (PIBB x BOVA, pra mim, nem conta como 2. Logo temos PIBB/BOVA E SMLL), enquanto temos mais de 10 opções de FIIs para escolher – isso dá muita margem pra Asset Picking em FIIs, destoando um pouco do que eu acredito que seja objetivo, que é asset allocation…O modelo de hoje permite ao cara que entende muito de FIIs obter uma vantagem
      comparativa maior contra um cara que tem muita opinião em ações – eu
      tenho bastante opinião, principalmente macro e setorial.

      Sugiro que em uma próxima versão se deixe apenas aquele que é o ETF dos FII (não me lembro qual, mas acredito que é o BCFF). Ou então que seja possível escolher umas 10 ações do IBOV, fazendo uma escolha sábia em que varios setores estivessem representados, ou ainda botar a opção de outros ETFs (foda que a liquidez é ruim, podiamos até criar ETFs próprio, por exemplo o Ativo “Bancos” em que o preço vária com média de ITUB + BBDC + BBAS) – mas enfim, isso ficaria muito complexo.

      Enfim, é só um brainstorming…o que acha?

      • Obrigado pelas sugestões Breno!

        Minhas considerações:

        1. ETF FII

        Infelizmente ele ainda não existe! :/

        O BCFF11B é um fundo ativo (não segue nenhum índice) e investe nos ativos que ele bem entender.

        No caso, ele é até um pouco concentrado em recebíveis…

        Por este motivo tive de colocar alguns FIIs selecionados.

        2. ETF Bancos e outros ETFs

        É verdade, seria uma ótima opção. Porém, a liquidez destes fundos setoriais ainda é baixa ao meu ver.

        Caso no ano que vem elas estejam melhor posso incluí-las no estudo!

        Abraços!

      • Obrigado pelas sugestões Breno!

        Minhas considerações:

        1. ETF FII

        Infelizmente ele ainda não existe! :/

        O BCFF11B é um fundo ativo (não segue nenhum índice) e investe nos ativos que ele bem entender.

        No caso, ele é até um pouco concentrado em recebíveis…

        Por este motivo tive de colocar alguns FIIs selecionados.

        2. ETF Bancos e outros ETFs

        É verdade, seria uma ótima opção. Porém, a liquidez destes fundos setoriais ainda é baixa ao meu ver.

        Caso no ano que vem elas estejam melhor posso incluí-las no estudo!

        Abraços!

    • Pois é…o período realmente é bem curto.

      Porém, ele já nos trará boas informações sobre o efeito de uma alocação de ativos no desempenho de uma carteira de investimentos.

      Ano que vem pretendo alongar o período para 1 ano.

      E quem sabe possamos até mesmo fazer um outro estudo para 3 anos e 5 anos…

      Abraços!

    • Pois é…o período realmente é bem curto.

      Porém, ele já nos trará boas informações sobre o efeito de uma alocação de ativos no desempenho de uma carteira de investimentos.

      Ano que vem pretendo alongar o período para 1 ano.

      E quem sabe possamos até mesmo fazer um outro estudo para 3 anos e 5 anos…

      Abraços!

  • Jean Torrecillas

    Em relação mesclar LCIS e CRIS e Fundos Imobiliários qual seria uma porcentagem mais ou menos ideal e qual seria o risco dessa alocação

    • Olá Jean!

      Pelo modelo básico 4-3-2-1 busco alocar em torno de 20% em fundos imobiliários.

      Logo, uma alocação mínima seria 10% e máxima 30% (10% de variação na alocação é razoável).

      O risco destas aplicações é um pouco maior do que os títulos públicos e menor do que as ações e ativos cambiais.

      Abraços!

  • Leandro

    Henrique, te faço um solicitação razoável. Não sei programar excel com a mesma destreza que tu, por este motivo te pergunto se poderias adaptar este teu modelo de planilha para o seguinte formato: te envio (já no formato excel) a rentabilidade mensal do CDI e do IBOVESPA, desde o início do Plano Real (meados de 94) até a presente data e tu adaptas tua planilha para que possamos testar os modelos de balanceamento simples (RF-CDI X RV-IBOVESPA) nos percentais digitados (10/90, 20/80 ….).
    Isto teria uma utilidade muito grande para todos nós pois permitiria testar todos os modelos possíveis de balanceamento simples e acompanhar a acentuação ou atenuação da curva de juros em relação ao CDI e ao IBOV.
    Lembra daquele materia que te enviei, testando o modelo 70/30 desde 95  até 2010 e com vários subperíodos internos para demonstrar a robustez do modelo? Pois é, ele foi feito a “unha” e aí é um trabalho do cão (quem mandou eu não manjar nada de excel).
    Insisto que seria um excelente material para testes e compreensão do modelo pois uma pequena modelagem nesta tua planilha permitiria acompanhar risco e curva destes dois principais ativos.
    Um abraço e fico no aguardo. Parabéns novamente por teu excelente trabalho.

    • Olá Leandro!

      Eu venho fazendo este tipo de simulação desde 2009! 🙂

      Estou apenas estudando melhor todos os processos para poder compartilhar um estudo de qualidade com os leitores do HC Investimentos.

      Apenas adiantando, na maioria das simulações o rebalanceamento com 20% de desvio percentual da alocação obtiveram os melhores resultados.

      Pretendo também analisar a fronteira eficiente de Markowitz dos ativos desde 1994.

      Agradeço o comentário e o material enviado!

      Abraços!

      • Marco

        Uma sugestão: para a alocação de ações, coloque 5% durante períodos de alta dos juros, 10% durante parada até início de queda e 15% durante queda e parada até antes de subirem. Se for muito conservador para o seu perfil, talvez multiplique por 2 estes valores para um perfil mais agressivo.

  • Marco

    Legal! Pena que a alocação tem que ficar fixa:  como os juros devem parar de subir no final do próximo mês (se não for amanhã), é que é hora de se mexer na carteira, começando   a partir do final de agosto a voltar a comprar ações gradativamente  (caso a situação não saia do controle na Europa ou EUA !!) depois de ter vendido no início do ano com o início do ciclo de alta dos juros.

    • Olá Marco!

      Estas mudanças de curto prazo que não necessitam realocar (rebalancear) grande parte da carteira podem ser realizadas através dos aportes mensais, caso seja possível.

      Afinal, se tivermos de balancear a carteira todo mês os custos subiriam bastante, indo contra os princípios da alocação de ativos.

      Caso esta série seja de grande utilidade para todos, podemos repeti-la em 2012, abrangendo o ano inteiro.

      E, quem sabe, podendo realocar trimestralmente?

      Para ser sincero eu gostaria de poder liberar todas as possibilidades de alocação e rebalanceamento. Entretanto, como sou eu que farei a verificação de rentabilidade e comentário das carteiras, seria um trabalho monumental, bem maior do que já é! 🙂

      O intuito é manter a qualidade da série!

      Abraços!

  • Gustavo

    Fantástico Henrique! O esforço e atenção que você dedica ao blog e seus leitores são dignos de aplausos, parabens! Seu trabalho é fundamental pra muitas pessoas, como eu , abrirem a cabeça em relação ao seus investimentos!
    Fugindo um pouco do tópico do post, li um artigo hoje sobre o preço do ouro que achei interessante e gostaria de saber sua opinião, se tambem tiver interesse 🙂 pois foge do que sempre ouvimos sobre o investimento em ouro
    O link é : http://streetlightblog.blogspot.com/2011/07/should-we-care-about-price-of-gold.html

    Um abraço!

    • Olá Gustavo!

      Muito obrigado pelos elogios! É extremamente gratificante receber este feedback sobre o trabalho realizado no blog.

      Sempre que tiver alguma dúvida, crítica ou sugestões pode me enviar um comentário ou email que farei o possível para atendê-lo da melhor forma possível!

      E obrigado pelo envio do link. Matéria interessante sobre o ouro!

      Me lembra um pouco o post que escrevi sobre investir em ouro quando o metal estava próximo dos R$ 90,00 aqui no Brasil.

      http://hcinvestimentos.com/2010/11/22/investimento-em-ouro-uma-visao-critica-historica/

      As considerações que fiz ainda acho bem válidas para o cenário atual.

      Grande Abraço!

  • Bruno Silva

    Henrique

    Primeira vez que entro no blog e gostei muito, bastante informacao e varios estudos interessantes focados no nosso mercado.

    So uma coisa me chamou a atencao. Voce usa apenas volatilidade como proxy para risco?

    Porque nao incorpora as outras 2 fases da distribuicao dos retornos? Kurtosis e Skewness ou em portugues Curtose e Obliquidade.

    Depois da crise, os modelos que usavam apenas volatilidade cairam mais ainda em discredito. Pois nao consideravam os “black swans”, que em geral apresentam curtose alta, a famosa fat tail.

    Continue com o bom trabalho, eh bom ver alguem se dedicando dessa maneira para beneficiar  outros investidores sem cobrar nada em troca.

    Abraco

    • Olá Bruno!

      Obrigado pela visita aqui no HC Investimentos!

      E valeu pelas dicas sobre a avaliação do risco. Confesso que uso a volatilidade porque ela traz uma boa visão quando avaliamos o longo prazo, em que (na teoria) temos o efeito de regressão à média dos retornos.

      Agradeço seu comentário e espero recebê-lo novamente aqui no blog!

      Grande Abraço!

  • MarcoK

    Para verificar explicitamente que é interessante reduzir ou melhor ainda sair da bolsa durante o período de alta dos juros, como eu mencionei em um outro post eu analisei  os dados da selic e do ibovespa a partir de 2003 até hoje. Neste período pode-se observar o seguinte:

    1) Houveram 5 períodos nos quais a taxa SELIC estava subindo: nestes 5 periodos a bolsa caiu em 4 e subiu em apenas 1 (entre 16/09/04 e 19/05/05)

    2) Houveram 10 períodos da SELIC estável ou em queda: nestes 10 períodos a bolsa caiu em 1 e subiu em 9! O período que a bolsa caiu foi justamente em 2008 que foi o período super excepcional da crise.

    Isto mostra que de fato mais vale a reduzir ou sair da bolsa durante o período de subida, como eu tenho feito a muitos anos. Por exemplo, entre final do ano passado e inicio deste ano, quando estava certo de haver uma alta,  eu vendi quase tudo quando a bolsa estava em torno de 72.000 (fiquei só com Tiete que paga bons dividendos e que está praticamente estavel nestes 7 meses)… Em breve vou começar a recomprar por um preço bem menor sendo que nestes 7 meses o dinheiro deve um rendimento positivo da selic.

  • Thiago Rocha Lima

    Henrique incrível o seu post.
    Primeira vez que comento sobre um post seu, porém já venho acompanhando a algum tempo, através dos seus comentários tive o primeiro contato com os FII`s e agora com os ETF`s. Ainda estou bem no início do aprendizado financeiro que é infinito no meu ver. E essa idéia de controlar os riscos antes do rendimento é muito eficiênte tanto para os próprios investimentos como para vida, sem ficar preso a um home broker acompanhando o mercado a cada minuto.

    Abraços.

    Thiago

    • Obrigado Thiago!

      Quando tomei conhecimento destas ideias de alocação de ativos pela primeira vez foi como se um novo mundo se abrisse aos meus olhos.

      E não precisar ficar acompanhando o mercado a todo momento nos dá uma tranquilidade que não tem preço.

      Sinta-se à vontade para comentar mais vezes, quando assim achar necessário! 🙂

      Grande Abraço!

  • Pingback: Carteira de Investimentos: Estratégias e Resultados()

  • Pingback: Diversificação de Investimentos: Descubra sua Importância()

  • Pingback: Otimização de Carteiras: O Guia Completo()

  • Pingback: 17 Dicas de Investimentos para Vencer no Mercado()

  • Pingback: Carteira de Investimentos: Gerenciamento de Risco [Agosto]()

  • Pingback: Carteira de Investimentos: Sobrevivendo a Crise [Setembro]()

  • Pingback: Carteira de Investimentos: O Gigante não está mais adormecido()

  • Eduardo Veiga

    HC,

    ouro, dólar e euro não estão ligados a nenhum 

  • Eduardo Veiga

    HC,

    tenho uma dúvida. Ouro, dólar e euro não estão ligados a nenhum produto em específico. Quais a opção para investir nesses ativos? Os fundos dos grandes bancos?

    Abraço

  • Patterson

    Olá Henrique! Na sua opnião, no valor de 200 mil, como você diversificaria sua carteira? Tenho imóvel próprio, tenho 40 anos mas não tenho filhos. Obrigado

  • rogerio

    caro henrique, parabéns pela matéria e pelo blog….estou com uma dúvida: se ouro e dólar servem, digamos, para equilibrar a carteira e ter liquidez a qualquer momento, e o rendimento é quase nulo, não seria melhor e mais fácil aplicar em algo simples como a poupança?…ao menos se tem algum rendimento e liquidez….obrigado e um abraço…

    • Olá Rogerio!

      A vantagem dos ativos cambiais é que oferecem uma ótima proteção em momentos de crise. É só ver os altos rendimentos do Dólar e Ouro em 2008 que você entenderá o que estou falando.

      Porém, são ativos que não recomendo para carteiras pequenas, dado os custos.

      Abraços!

  • rogerio

    caro henrique, parabéns pela matéria e pelo blog….estou com uma dúvida: se ouro e dólar servem, digamos, para equilibrar a carteira e ter liquidez a qualquer momento, e o rendimento é quase nulo, não seria melhor e mais fácil aplicar em algo simples como a poupança?…ao menos se tem algum rendimento e liquidez….obrigado e um abraço…

  • Richie

    Henrique estou numa duvida cruel.. Estou pensando em comprar um ap na planta (conforme minhas comparações não estou pagando nem caro nem barato por ser na planta) Forma de pagamento ate a entrega das chaves consigo pagar de boa. Eu penso em comprar como investimento de antes da entrega das chaves vender o mesmo, já que em Julho 2013 vou morar fora do Brasil, dai no caso deixaria com o meu corretor para a venda do ap. Li bastante sobre isso e minha duvida hoje é se realmente faco isso ou pego meu dinheiro e aplico diversificadamente em Fundos imobiliários para render meu dinheiro. Só que pelos meus cálculos o rendimento comprando um imóvel é bem maior e e isso que esta me fazendo pensar em comprar o imóvel. POr favor gostaria de sua opinião. Muito Obrigado!!!

  • Pingback: Carteira de Investimentos: Diversificação Não é Opção, é Obrigação!()

  • Pingback: Aportes Mensais: Método da Alocação Mínima (MAM)()

  • Pingback: Carteira de Investimentos: Diversificação é Obrigação, Não Opção()

  • Pingback: Blog Willian Rodrigues » Alocação de Ativos()

  • Reinaldo Galdino Jr

    Olá Henrique!! Para um investidor que siga a estratégia da alocação de ativos no longo prazo p/ fins de aposentadoria. Como ficaria a sua fase final, ou seja, aquele momento em que ele já quer usufruir de tudo aquilo que acumulou ao longo de muitos anos?? Para quem investe somente em ações haveria possibilidade de retirar somente os dividendos se fosse o suficiente, ou vendendo determinadas ações dentro do limite mensal com isenção do IR. Quem está na alocação de ativos, como é ou como enxerga essa fase final? Abraço!!

eBook-alocacao-ativos