O que é Índice Beta?

294 Flares Facebook 133 Twitter 47 Google+ 12 294 Flares ×

indice beta O que é Índice Beta?

Índice Beta é um importante indicador financeiro.

Ele nos permite diferenciar ativos defensivos de ativos agressivos.

Em épocas de crise, por exemplo, é preferível ter ativos mais defensivos em sua carteira de investimentos.

E é através do índice beta que você poderá separar o nível de risco dos ativos.

Ao longo do artigo veremos tanto explicações teóricas como práticas para a aplicação do índice beta nos investimentos e em sua alocação de ativos.

Continue lendo este artigo para aprender mais sobre:

  • Como Calcular o Índice Beta
  • 3 tipos de categorias de Beta
  • Exemplos Reais para Cálculo do Índice Beta
  • Beta de 5 ações nos últimos 3 anos
  • Baixar a Planilha Excel com os dados utilizados neste artigo

O que é o Índice Beta?

Começando pelo básico…

O Índice Beta é um indicador que mede a sensibilidade de um ativo em relação ao comportamento de uma carteira que represente o mercado.

É a relação entre a variação do retorno de uma ação (ativo) e o Ibovespa (mercado), por exemplo.

Portanto, o Índice Beta é uma medida do risco que um investidor está exposto ao investir em um ativo em particular em comparação com o mercado como um todo.

Índice Beta: Como é Calculado?

A fórmula do Índice Beta é bem simples:

Beta = Covariância entre o Retorno do Ativo e do Mercado / Variância do Retorno do Mercado

Ou desta maneira:

formula beta O que é Índice Beta?

onde:

  • βa = Beta
  • ra = Retorno do Ativo
  • rp = Retorno do Portfólio (Também pode ser usado como rm = Retorno do Mercado)

No Excel a fórmula utilizada é:

=covar(retornos do mercado;retornos do ativo)/var(retornos do mercado)

Nota: Você deve colocar os retornos diários e não os preços dos ativos para calcular o Beta.

Índice Beta e sua Usabilidade

Basicamente, podemos dividir o Beta em 3 categorias:

  • Beta Alto : Beta > 1
  • Beta Neutro : Beta = 1
  • Beta Baixo : Beta < 1

Veja os exemplos abaixo para entender a relação:

Beta Alto: Beta = 1,5

Beta Alto O que é Índice Beta?

Neste caso o ativo com Beta de 1,5 tem 1,5x mais risco do que o mercado.

Beta Neutro: Beta = 1,0

Beta Neutro O que é Índice Beta?

Neste caso o ativo com Beta de 1,0 tem o mesmo nível de risco que o mercado.

Beta Baixo: Beta = 0,5

Beta Baixo O que é Índice Beta?

Neste caso o ativo com Beta de 0,5 tem metade do risco em relação ao mercado.

Índice Beta: Ações x Ibovespa

Já vimos os exemplos teóricos sobre o Índice Beta.

Agora é o momento de analisar o Beta de algumas ações selecionadas do Ibovespa.

São elas: BVMF3 | USIM5 | PETR4 | SBSP3 | LIGT3

Você saberia dizer quais tem características agressivas (Beta > 1) ou defensivas (Beta < 1)?

Beta Alto

BVMF3: Beta 1,1557

Beta BVFM3 O que é Índice Beta?

No gráfico acima temos o retorno diário da BVMF3 no eixo Y e do Ibov no Eixo X.

O período analisado reflete os últimos 3 anos. (19/12/2008 até 16/12/2011)

Cada círculo neste gráfico representa um dia, sinalizando o retorno da BVMF3 e do Ibov.

Foi introduzida uma linha de tendência (cinza mais escuro).

Note que ressaltei também a fórmula desta linha de tendência, no retângulo em cinza escuro.

O número da equação 1,1557 é o próprio índice beta.

Quer dizer que espera-se que quando o Ibovespa subir 1% em um dia a ação BVMF3 subirá 1,1557% na teoria.

De maneira inversa, quando o Ibovespa cair -1% em um dia espera-se que a ação BVMF3 caia -1,1557% na teoria.

USIM5: Beta 1,1511

Beta USIM5 O que é Índice Beta?

A USIM5 apresenta um índice beta muito próximo da BVMF3.

Ações de setores cíclicos como o de siderurgia tendem a ter Betas Altos.

Por estarem sujeitos as variações dos preços das commodites, estas ações são classificadas como agressivas em relação ao mercado.

Beta Neutro (ou próximo de Neutro)

PETR4: Beta 0,9559

Beta PETR4 O que é Índice Beta?

A Petrobrás é uma das ações com maior participação no Ibovespa.

É por este motivo que os círculos do gráfico estejam bem próximos um dos outros.

A dispersão em relação à linha de tendência é pequena.

Portanto, o R² da PETR4 em relação ao Ibovespa é de 0,6722.

O maior R² das ações aqui analisadas.

O R² é um índice que varia entre 0 e 1.

Quanto maior o seu número, menor é a dispersão dos círculos em relação a linha de tendência.

Espera-se das ações com grande participação no Ibovespa:

  • Índice Beta próximo de 1.
  • R² superior a 0,50.

Beta Baixo

SBSP3: Beta 0,7246

Beta SBSP3 O que é Índice Beta?

A Sabesp (SBSP3) é considerada tradicionalmente uma ação defensiva.

Seu Beta é menor do que 1.

O setor de Utilidade Pública, como o de Saneamento Básico não apresenta o mesmo caráter cíclico que um setor de siderurgia apresenta.

Logo, o Beta das ações deste setor tende a ser menor do que 1.

Além disso, o R² também tende a ser baixo.

Note também que a inclinação da linha de tendência é menor do que as anteriores.

Afinal, o Índice Beta reflete o ângulo de inclinação desta linha de tendência.

Quanto maior for este ângulo, maior será o Beta e vice-versa.

LIGT3: Beta 0,4237

Beta LIGT3 O que é Índice Beta?

A light obteve o menor Índice Beta das ações analisadas neste estudo.

O valor de 0,4237 significa que para uma subida de 1% no Ibovespa LIGT3 tende a subir apenas 0,4237%.

Entretanto, no caso de uma queda de -1% no Ibovespa, a LIGT3 tenderia a cair apenas -0,4237%.

Assim como o setor de Utilidades, o setor Elétrico também é tradicionalmente caracterizado como um setor defensivo.

O exemplo que confirma esta característica é o retorno das ações deste setor neste ano contra o Ibovespa:

  • CMIG3: 39,7%
  • ELPL4: 32,9%
  • CPFE3: 30,4%
  • LIGT3: 22.1%
  • GETI3: 12,6%

E o Ibovespa amarga a perda de -20,21% no ano.

Está gostando desse artigo?

Coloque seu email abaixo para receber novas atualizações do site, assim como nosso curso de investimentos 100% grátis.

 O que é Índice Beta? Curso 100% grátis!

Junte-se a leitores que recebem as nossas 10 aulas grátis sobre investimentos!

Índice Beta: Aplicação Prática

Os leitores deste blog sabem que minha filosofia de investimentos em ações se resume nos ETFs.

Entretanto, aqui vai meu recado para investidores que investem em ações individuais ou (quem sabe futuramente) ETFs setoriais com liquidez:

Você já sabe que é possível classificar ações e setores através do Beta destes em relação ao Ibovespa.

Portanto, quando o mercado estiver eufórico e você começar a ver propagandas de “Como Investir na Bolsa” nos ônibus (é um sinal importante! rsrs) faça o seguinte:

Meça o Beta de sua carteira de ações.

Digamos que você tenha encontrado o valor 1,05.

Busque reduzir o valor do Beta para um valor abaixo de 0,70.

Venda ações de setores cíclicos como siderurgia, Bens industriais e Construção.

E compre ações dos setores anti-cíclicos como Consumo, Utilidade Pública e Telecomunicações.

Deste modo, quando a próxima crise vier você estará melhor protegido e poderá ainda sair no lucro, vide o exemplo das elétricas em 2011.

Índice Beta: Considerações Finais

O Índice Beta, assim como qualquer outro Índice não tem a capacidade de prever o futuro.

Portanto, é preciso lembrar que ele mede a sensibilidade histórica (no caso deste estudo 3 anos) entre o retorno de um ativo e o mercado.

Ao longo do tempo, embora não seja muito comum, é possível encontrar ações que tinham um Beta de 0,70 e depois apresentaram um Beta de 1,30.

Assim como a Correlação, Índice de Sharpe, P/L e o R², o Índice Beta não é estático, sendo uma variável dinâmica.

Além da consideração acima preciso ressaltar outro ponto.

A estratégia de montar carteiras defensivas ou agressivas através do Beta para diferentes cenários inclui um fator bem peculiar:

Market Timing.

Sim, definir que o mercado está eufórico e você pretende partir para uma carteira defensiva pode parecer uma atitude sensata.

Porém, o mercado pode continuar “irracional” e/ou sua análise poderá se provar errada.

Logo, você estará sobre a influência do exato momento em que deverá realizar estas modificações.

Para amenizar a influência de acertar o tempo correto para mudar de estratégia o ideal é:

  1. Determinar uma estratégia de alocação de ativos
  2. Praticar uma ampla diversificação
  3. Seguir algumas dicas de investimentos simples e eficazes

Índice Beta: Download da Planilha

Faça o download da planilha do Índice Beta para compreender todos os detalhes de:

  • Calcular o Beta
  • Ver os Gráficos Gerados para o artigo

download planilhas financeiras O que é Índice Beta?

Versão Excel 2007

Para baixar mais planilhas financeiras confira o restante da série Planilhas Financeiras.

(crédito das imagens: shutterstock.com)

Fique atualizado!

Insira aqui o seu email para receber gratuitamente as atualizações do blog!

Sobre o autor

Henrique é especialista em alocação de ativos, eleito um dos 5 melhores educadores financeiros do Brasil em 2012/2013. Continue Lendo aqui!

  • http://hcinvestimentos.com/ Henrique Carvalho

    O que você achou deste artigo?

    Você acrescentaria alguma informação? Deixe aqui sua opinião!

    Abraços,

    Henrique

  • Giuliano Tognetti

    A aplicação prática que você deu de exemplo é bem legal. Mas o beta pode te enganar, Eletrobras tinha beta 1,4 em 2006 (cálculo com 1000 dias) e 0,7 no final de 2010. A empresa é a mesma, o setor é o mesmo (energia deveria ser bem estável..). Se o Beta é variável no tempo, é sensível ao período que você define para analisar, não garante que irá acontecer no futuro, eu presumo que não há muito o que fazer com ele.Supondo que uma empresa tem beta 0,5: uau, ela é bem segura e tem pouca volatilidade com o índice. Eu compro. A porcaria fica alucinada pra cima e pra baixo e chega a um beta 1,5. O beta em si não serviu pra nada.Se o mercado estiver eufórico (e não é muito difícil perceber quando ele está, PL alto é um bom exemplo), não seria mais sensato fazer um rebalanceamento da carteira vendendo o que está superestimado e caro e colocando no que está barato ou com mais liquidez?
    Alguns gostam de usar o beta como medida de risco (até o poderoso Damodaran já fez isso), eu não vejo muito sentido também. Acho que indicadores como Passivo/PL mostram melhor a alavancagem e o risco de uma empresa. 

    • http://hcinvestimentos.com/ Henrique Carvalho

      Olá Giuliano!

      No artigo fiz questão de ressaltar este problema de analisar dados históricos.

      E o próprio P/L que você cita também sofre do mesmo problema…

      De um trimestre para outro o P/L do Ibovespa pode saltar de 10 para 20.

      Conforme disse no artigo não há solução perfeita, mas podemos amenizar:

      1. Diversificando
      2. Definindo uma estratégia de Alocação de Ativos

      Abraços!

      • Giuliano Tognetti

        Exatamente. O P/L também varia. Mas a diferença é que o lucro médio das empresas de um índice é mais constante que o valor de mercado delas. Então o P/L varia mais pelo preço do que pelos lucros. Isso permite identificar um mercado caro de um barato.
        Mais importante que isso, há estudos mostrando que carteira de empresas com P/L baixo rendem mais que o mercado.Eu não conheço um estudo que mostre que carteiras com beta baixo tenham desempenho satisfatório no longo prazo. Seria muito legal ter um desses…
        A propósito. Seu artigo está perfeito, a forma como vc apresentou a informação ficou excelente e completa. Eu ainda não tenho opinião se o beta realmente é efetivo. HC, você utiliza mesmo ele ? Se sim, é da mesma forma que você disse no artigo?

        • http://hcinvestimentos.com/ Henrique Carvalho

          Olá Giuliano!

          Você tem razão.

          O livro do Damodaran relata bem os estudos de que P/Ls baixos tendem a apresentar rentabilidades superiores ao mercado.

          Entretanto, o que poucos sabem é que o risco também é maior do que o mercado.

          Portanto, voltamos ao básico da relação risco x retorno.

          Existe também um estudo que relatei no artigo abaixo sobre o modelo de 3 fatores de Fama & French.

          http://hcinvestimentos.com/2011/08/08/carteira-de-investimentos-julho-2011/

          E quanto ao uso do Beta particularmente não uso.

          Como invisto em ETFs (BOVA11 e SMAL11) já estou seguindo o mercado. Logo, não teria sentido analisar o Beta.

          Um estudo sobre carteiras com baixo Beta você pode ver aqui:

          http://portfolioist.com/2011/08/11/why-low-beta-strategies-are-worth-another-look/

          O artigo é mais voltado para investidores em ações individuais que podem usar o Beta para amenizar um possível risco de sua carteira de investimentos.

          Grande Abraço!

          • Giuliano Tognetti

            HC, acho que eu estou desalinhado nos termos. A grande questão aqui seria: o que é risco? Eu, opinião minha, não considero risco a volatilidade do preço do ativo, per se. Risco pra mim é volatilidade nos lucros, ou melhor, retornos abaixo das minhas expectativas. 
            Vamos supor que eu compro uma empresa com yield 50% e ela despenca e passa a custar metade do preço. Nisso, o mercado sobe 10%. Correlação negativa com o mercado = não compre porque é arriscada ? Eu acho que eu perderia uma excelente oportunidade se eu não comprasse mais…
            Talvez eu tenha exagerado na situação hipotética…
            De qualquer forma, preciso ler mais, os sites que você passou mostram dados muito legais de carteiras com baixos betas, valeu mesmo.

            PS: Muito legal o cartão de natal !

          • http://hcinvestimentos.com/ Henrique Carvalho

            Sem problemas Giuliano!

            Aliás, eu tenho que parar com esta mania de jogar a palavra “risco” sem definir o que ela representa no contexto.

            Na maioria dos casos uso risco como sendo volatilidade, já que é um conceito estatístico medido através do desvio-padrão.

            E que bom que gostou do cartão de Natal! =)

            Abraços!

  • http://www.valoresreais.com/ Guilherme

    Excelente artigo, Henrique!

    Critérios como os índices Sharpe, Beta etc., são importantes ferramentas para auxiliar o investidor a selecionar melhor os ativos que compõem uma dada carteira de investimentos. É claro que, com uma filosofia de investimentos em fundos de índice, tudo tende a ficar mais simplificado!

    É isso aí!
    Um grande abraço, e que Deus os abençoe!

    • http://hcinvestimentos.com/ Henrique Carvalho

      Concordo amigo!

      Sou um defensor dos ETFs.

      E este artigo mostra como investidores em ações individuais que não querem migrar pros ETFs podem conhecer melhor o risco de sua carteira de investimentos.

      Abraços!

      • leandro santos

        Olá Henrique, parabens e obrigado pelo conhecimento que vc gera aqui!! estou aprendendo muito com seu blog, mas qdo  vejo temas como este ( indice Beta,etc) fico cada vez mais interessado nos ETFS!!pois sou medico e preciso destinar tempo e concentração no meu trabalho,contudo sem deixar de investir para aposentadoria e é ai que surge minha duvida: existe “market timing” para os ETFs?? pensando no longo prazo..
        Leandro Santos

        • http://hcinvestimentos.com/ Henrique Carvalho

          Olá Leandro!

          Estou do seu lado. Não é por sermos preguiçosos, mas os ETFs realmente tem benefícios muito atraentes em relação as ações individuais.

          Quanto a market timing existe, mas não é boa ideia! :)

          O ideal mesmo é você olhar para a alocação de sua carteira e, caso precise, rebalancear para voltar a alocação original.

          Abraços!

  • Helison

    Olá Henrique,

    Parabéns pelo artigo, realmente muito bem explorado.

    Talvez poderia dar uma explorada melhor acerca do R².

    Eu entendi para que serve mas ainda não sei o que realmente é.

    Se possível…

    Mais uma vez parabéns!

    Dentro de uns 5 anos você já vai estar gerindo fundos?

    Ou algum clube de investimento?

  • Fernanda Prado

    Boa tarde, Henrique

    Parabéns por mais este excelente artigo. Como sempre, você foi bastante didático.

    A título de curiosidade, estou lendo o livro “Investindo em Ações no Longo Prazo” e, por coincidência, acabei de passar pela passagem em que o autor faz críticas ao Índice Beta (vide pg. 131).

    Reproduzindo um trecho do livro, o autor diz: “as anomalias de retorno médio… são suficientemente graves para se inferir que o modelo [CAPM] não é uma aproximação útil do retorno das ações”.

    Logo, como você bem alertou, este índice não tem a capacidade de prever o futuro. =)

    Abração!

    • http://hcinvestimentos.com/ Henrique Carvalho

      É um prazer colaborar Fernanda!

      Ao analisarmos um indicador devemos sempre ter em mente que ele nos mostra o passado e que o futuro pode não refletir o mesmo caminho do passado.

      Estar ciente disso já é um grande passo para fazer investimentos mais conscientes.

      Grande Abraço!

  • Pedro Machado

    Henrique,

    Primeiramente gostaria de agradecer por disponibilizar essa quantidade enorme de informações extremamente uteis. Seu trabalho é genial, sem sombras de dúvidas. E acho que prestar um pequeno elogio, ainda que seja chover no molhado, é o minimo que posso fazer por ter à mão tamanha qualidade e clareza de informação.
    E gostaria também de sugerir, se for possível, implementar uma forma de imprimir esses artigos, ou exportar em PDF.

    Abraço,
    Pedro Machado

  • Isaacguedes

    Olá Henrique, parabéns pelo trabalho feito, ajudando os investidores individuais.Tenho só uma ressalva a fazer com relação ao índice Beta: 

    Como um grupo de ações que caiu muito bruscamente comparado com o mercado torna-se mais arriscado no preço mais baixo do que era no preço mais alto? O beta mede o risco dessa forma… Da mesma forma, o beta não consegue distinguir o risco inerente em “uma companhia de brinquedos de um único produto que vende pedras de outra companhia de brinquedos cujo produto exclusivo seja o banco imobiliário ou a Barbie”. Investidores comuns, contudo, podem fazer essas distinções pela reflexão sobre o comportamento do consumidor e sobre a maneira como os produtos de consumo competem, e podem compreender quando uma imensa queda no preço de uma ação indica uma oportunidade de compra.

    A verdade é que o beta deriva da teoria dos mercados eficientes, que segue a linha da teoria moderna de finanças. Uma lição custosa dessa teoria foi a proliferação do seguro portfólio para reajustar uma carteira de investimentos em mercados em declínio. O uso do seguro portfólio acabou intensificando a quebra da Bolsa de Valores de 1987…

    O risco que importa não é o beta ou a volatilidade, mas a possibilidade de perda ou dano por um investimento.

  • Pingback: Beta | Investimentos na Prática

  • Joaobp7

    Henrique, vc teria o beta entre o indice do ibovespa e os principais indices do mundo tipo dowjones?

  • Joaobp7

    A propósito muito  bom artigo! Parabens!

    • http://hcinvestimentos.com/ Henrique Carvalho

      Muito obrigado João!

      Abraços!

  • Gevanildo

    Excelente explicação.

  • Pingback: Blog Willian Rodrigues » Planilhas financeiras gratuitas [HC Investimentos]

  • Pedro Nolasco

    Henrique, onde você conseguiu os retornos diários de cada ativo durante o período de três anos?

  • Pingback: 5 Indicadores Financeiros que Você Precisa Conhecer

  • collins

    Explicação clara e elucidativa. Para economistas o modelo de correlação linear que calcula o B no seu termo independente da equação é bem mais fácil de entender. A exposição do tema é excelente, nota dez, como vocês dizem :)
    José Ruivo, Lisboa Portugal
    ESG trader

eBook-alocacao-ativos
294 Flares Facebook 133 Twitter 47 Google+ 12 294 Flares ×