[Estudo de Caso] É possível investir com pouco dinheiro?

investir-pouco-dinheiro

Todos adoram mitos. Afinal, são fáceis de se acreditar.

Porém, a verdade nunca está clara diante de nossos olhos até o momento que nos dedicamos a pensar sobre o assunto.

No mercado financeiro, circula um mito de que é preciso ter muito dinheiro para investir.

Na verdade, essa é uma das desculpas que algumas pessoas usam para fugir de mais uma responsabilidade.

Todo investidor que já está há pelo menos um mês no mercado sabe que é possível investir com muito pouco.

Por exemplo:

  • Existem fundos imobiliários que custam menos do que R$ 2,00.
  • Algumas ações custam menos do que R$ 1,00.
  • É possível adquirir títulos públicos por menos de R$ 50,00.

Ok. Mito derrubado.

Entretanto, ter mais dinheiro ajuda bastante o investidor.

Se você possui R$ 1.000 e paga R$ 10 de corretagem não é uma boa ideia investir em 10 ações, já que você estaria perdendo 10% (100/1.000) do seu capital somente com custos.

Ou seja, sua carteira precisaria subir 10% somente para pagar os custos. Se você considerar também as corretagens de venda, a carteira precisaria subir 20%.

Se você tivesse R$ 100.000, a carteira precisaria subir apenas 0,02% para pagar os custos de compra e venda nesse exemplo.

Como sabemos, uma boa estratégia de alocação de ativos se baseia na ampla diversificação. Por esse motivo, surge a seguinte pergunta:

“A alocação de ativos é válida apenas para quem tem muito dinheiro?”

Continue lendo esse artigo para saber porque a alocação de ativos deve ser praticada por todo investidor, independente de sua situação financeira.

Você irá aprender:

  • Como diversificar sua carteira com apenas R$ 1.000
  • Diversificação mais eficiente com R$ 5.000
  • Como diversificar sua carteira com muito capital

Quanto dinheiro devo ter para praticar a alocação de ativos?

Antes de tudo, se você ainda não tem muita referência do que seja a alocação de ativos, visite essa página.

Como uma das bases dessa estratégia é diversificar a carteira para se prevenir de crises e eventos inesperados, você pode começar sua diversificação com apenas R$ 1.000.

Com esse valor, você já consegue diversificar entre 3 tipos de títulos públicos diferentes.

A negociação no Tesouro Direto é facilitada porque o investidor consegue comprar qualquer título a partir de 10% de seu valor. Logo, se uma LFT custar R$ 5.000, você consegue comprar 0,1 desse título, ou seja, R$ 500.

Aproximando os valores, você poderia montar sua carteira com R$ 1.000 dessa forma:

  1. (50%) LFT 2017: R$ 500 – Título Posfixado
  2. (25%) LTN 2016: R$ 250 – Título Prefixado
  3. (25%) NTN-B Principal 2015: R$ 250 – Título Indexado ao IPCA

Portanto, você já poderia se proteger dos 3 cenários relacionados à juros:

  1. Alta dos Juros – A LFT 2017 subiria de valor com a subida dos juros, já que o título é indexado à Taxa Selic.
  2. Queda dos Juros – A LTN 2016 subiria de valor com a queda dos juros. já que você garantiu uma taxa mais alta do que a taxa em queda  (note que nesse cenário a LFT subiria menos, mas não perderia)
  3. Alta da Inflação – A NTN-B Principal 2015 subiria de valor com a alta da inflação, já que o título paga uma taxa prefixada + variação do IPCA no período.

Para mais detalhes sobre a influência das taxas dos títulos públicos e seus preços leia mais nesse artigo.

É importante lembrar que a compra de títulos públicos possui custos variáveis e não fixos, o que ajuda bastante quem tem pouco dinheiro.

Supondo custos anuais de 0,5% (0,3% da CBLC + 0,2% da corretora) o investidor teria um custos de apenas R$ 5 sobre os R$ 1.000 investidos, ou 0,5%

Para quem possui R$ 1.000 é um excelente começo.

Como diversificar com pouco dinheiro?

Vimos no exemplo acima como uma carteira com apenas R$ 1.000 pode se aproveitar da ampla diversificação em Renda-Fixa, investindo nas 3 subclasses: (1) PosFixados; (2) PreFixados e (3) Indexados ao IPCA.

Agora, como uma carteira com R$ 5.000 poderia estar alocada?

Seguindo a ideia anterior, vamos imaginar uma carteira com R$ 5.000.

Com esse valor, já é possível ir um pouco além, investindo em 2 classes.

Portanto, com R$ 5.000 a alocação poderia ficar dessa forma:

1. (50%) Renda-Fixa: R$ 2.500

1.1. (25%) LFT 2017: R$ 1.250

1.2. (12,5%) LTN 2016: R$ 625

1.3. (12,5%) NTN-B Principal 2015: R$ 625

2. (50%) Ações: R$ 2.500

3.1. (12,5%) BOVA11: R$ 1.250

3.2. (12,5%) SMAL11: R$ 1.250

Custo Total da carteira: 2 corretagens fixas (R$ 10) + 0,5% ao ano dos custos do Tesouro Direto (R$ 25) = R$ 45 sobre R$ 5.000 investidos.

Portanto, temos o valor de 0,9% para os custos anuais. O valor, embora bom, não é dos melhores, mas aqui estão alguns fatores a se pensar nesse momento:

  1. A inexistência de um ETF de fundos imobiliários faz com que seja preciso escolher 5 fundos e pagar 5 corretagens por eles. O índice já saiu (detalhes aqui). Agora resta-nos aguardar o ETF.
  2. Diversificação entre large caps (BOVA11) e small caps (SMAL11) gera 2 corretagens.

Com essa carteira você já diversifica em duas classes diferentes (Renda-Fixa e Bolsa).

Além disso, você também obtém uma boa diversificação intra-classe (dentro das classes) com 3 tipos de títulos públicos e os 2 tipos de ações (large caps e small caps).

Está gostando desse artigo?

Coloque seu email abaixo para receber novas atualizações do site, assim como nosso curso de investimentos 100% grátis.

Ícone curso Curso 100% grátis!

Junte-se a leitores que recebem as nossas 10 aulas grátis sobre investimentos!

Como diversificar com R$ 10.000?

Vimos no exemplo acima como diversificar uma carteira com apenas R$ 5.000 aproveitando-se das 2 classes tradicionais de investimentos: Renda-Fixa e Renda Variável (Bolsa).

Agora, como uma carteira com R$ 10.000 poderia estar alocada?

Seguindo a ideia anterior, vamos imaginar uma carteira com R$ 10.000.

Com esse valor, já é possível investir nas 3 classes que compõem a Tríade Financeira.

Se você ainda desconhece o termo que explico em detalhes no meu eBook, ele representa as 3 classes que servem de base para a ampla diversificação na estratégia de Alocação de Ativos:

  1. Renda-Fixa: Títulos Públicos (Ganho através de juros com risco muito baixo)
  2. Fundos Imobiliários: 5 FIIs individuais (Ganho através da valorização de imóveis e recebimento mensal de rendimentos)
  3. Ações: ETFs (Ganho através da valorização das empresas que compõem a Bolsa brasileira)

Portanto, com R$ 10.000 a alocação poderia ficar dessa forma:

1. (50%) Renda-Fixa: R$ 5.000

1.1. (25%) LFT 2017: R$ 2.500

1.2. (12,5%) LTN 2016: R$ 1.250

1.3. (12,5%) NTN-B Principal 2015: R$ 1.250

2. (25%) Fundos Imobiliários: R$ 2.500

2.1. (5%) FII 1: R$ 500

2.2. (5%) FII 2: R$ 500

2.3. (5%) FII 3: R$ 500

2.4. (5%) FII 4: R$ 500

2.5. (5%) FII 5: R$ 500

3. (25%) Ações: R$ 2.500

3.1. (12,5%) BOVA11: R$ 1.250

3.2. (12,5%) SMAL11: R$ 1.250

Custo Total da carteira: 7 corretagens fixas (R$ 70) + 0,5% ao ano dos custos do Tesouro Direto (R$ 25) = R$ 95 sobre R$ 10.000 investidos.

Portanto, temos o valor de 0,95% para os custos anuais. O valor é maior do que a carteira com R$ 5.000, mas tenha em mente que trata-se de um trade-off.

Para investir em uma nova classe (fundos imobiliários), o investidor estaria disposto a aumentar ligeiramente seu custo (0,05%).

Se você preferir reduzir custos e, consequentemente, piorar sua diversificação (tudo nos investimentos e na vida são trade-offs que precisamos medir) é possível alcançar custos de 0,65% ao ano.

Como?

Investindo em apenas 2 fundos imobiliários e apenas 1 ETF. Falei que a diversificação ficaria prejudicada, mas esse é o valor pago pelo menor custo.

Desse modo, ele teria o custo de 4 corretagens fixas (R$ 40) + 0,5% ao ano dos custos do Tesouro Direto (R$ 25) = R$ 65 sobre R$ 10.000 investidores.

Logo, ele teria um custo de 0,65%.

Vale lembrar que estamos supondo corretagens fixas de R$ 10. Porém, caso o investidor tenha a oportunidade de pagar apenas R$ 5 por corretagem, os custos da carteira bem diversificada lá de cima seriam de apenas 0,7%.

7 corretagens fixas (R$ 35) + 0,5% ao ano dos custos do Tesouro Direto (R$ 25) = R$ 70 sobre R$ 10.000 investidores ou 0,7%.

A carteira menos diversificada teria custos de 0,45%.

4 corretagens fixas (R$ 20) + 0,5% ao ano dos custos do Tesouro Direto (R$ 25) = R$ 45 sobre R$ 10.000 investidores ou 0,45%.

Além desse fator, algumas corretoras costumam oferecer planos de corretagem grátis por 30 dias quando você abre sua conta.

Essa é uma oportunidade de ouro para montar sua carteira com um custo extremamente baixo.

Você percebeu a preocupação em controlar custos e diversificar amplamente a carteira de investimentos?

A atenção nesses 2 importantes itens é praticamente garantia de um investimento vencedor de longo prazo.

Veja o porquê nesse artigo sobre a tirania dos custos compostos e nesse artigo sobre a importância da diversificação.

Nota: Lembre-se sempre de evitar a taxa de custódia em sua corretora.

Pagar R$ 6,90 todo mês pode fazer uma grande diferença no longo prazo em uma carteira com R$ 5.000.

Algumas corretoras, por exemplo, isentam esse taxa se o investidor operar pelo menos 1x no mês.

E se eu tiver muito dinheiro, também é válido utilizar a alocação de ativos?

Não apenas válido, como necessário.

Quem possui muito dinheiro precisa (em teoria) estar mais diversificado do que quem tem pouco dinheiro.

Geralmente, nessa fase o investidor está mais preocupado em crescer de forma sustentável e com pouco risco seu patrimônio, não estando disposto a correr altos riscos.

Afinal, ninguém gostaria de perder milhões em qualquer situação, principalmente no meio de uma crise financeira.

O que é surpresa para muitos é que esse investidor não precisa de táticas totalmente diferentes do investidor que possui R$ 5.000.

E essa é uma das grandes vantagens da alocação de ativos. Ela é extremamente simples para quem possui R$ 5.000 ou R$ 5.000.000.

O investidor milionário também deve se preocupar com a porcentagem de cada ativo em sua carteira.

Os custos serão muito pequenos devido ao grande volume de capital e o foco deve estar na ampla diversificação de ativos.

Portanto, o que ele pode fazer é adicionar mais fundos imobiliários para melhorar sua diversificação (em torno de 10 até 20).

Ainda, ele pode adicionar uma classe extra à sua carteira: Ativos Cambiais, como investir em ouro.

Esse tipo de ativos funciona muito bem em crises financeiras e, apesar de no longo prazo seu retorno não ser muito atraente, ele promove uma camada extra de proteção para a carteira desse investidor.

Veja os detalhes sobre como proteger (fazer hedge) de uma carteira nesse artigo.

Logo, não importa se você possui R$ 1.000 ou R$ 5.000.000 comece hoje mesmo a diversificar sua carteira.

A facilidade de aplicar a alocação de ativos e sua natural proteção contra cenários de crise pouparão você de cair em diversas armadilhas nesse longo caminho para alcançar sua liberdade financeira.

Para conhecer o guia absolutamente completo sobre Tesouro Direto, visite esse link aqui.

(crédito das imagens: shutterstock.com)

Sobre o autor

Henrique é especialista em alocação de ativos, eleito um dos 5 melhores educadores financeiros do Brasil em 2012/2013. Continue Lendo aqui!

  • elder

    Muito bom o artigo. Parabéns.

  • Eu

    Logo no início do post você fala:


    Existem fundos imobiliários que custam menos do que R$ 2,00.Algumas ações custam menos do que R$ 1,00.É possível adquirir títulos públicos por menos de R$ 50,00.
    Ok. Mito derrubado.”
    Embora a ideia de precisar de muito dinheiro para investir seja falha (afinal de contas, até poupança é investimento), achei os exemplos péssimos. Logo em seguida você fala dos custos. Imagina comprar UM FII por R$ 2,00, pagando R$ 2,00 de corretagem (usando como exemplo uma corretora barata aí). O papel teria que subir 100% só pra ter lucro. Não considero isso um investimento…. Além disso, ações com preço < R$ 1,00 são micos, com raras exceções. Imagine comprar uma ação de R$ 0,50 pagando R$ 2,00 de corretagem…

    Sinceramente, acho que você forçou a barra nesses exemplos.

    Além disso, o exemplo com R$ 5.000,00 está exagerado e errado. Errado porque você fala em diversificar com R$ 5.000,00, mas propõe uma carteira de R$ 10.000,00. Exagerado porque será que é necessário mesmo uma diversificação em 10 papéis em uma carteira de R$ 5.000,00? Pra uma carteira tão pequena assim, eu ficaria com os ensinamentos de Graham: 50% RF e 50% RV. RF dá pra comprar o que quiser, já que os custos de compra no TD independem da quantidade de papéis. RV eu ficaria com PIBB ou a dupla PIBB/SMAL ou PIBB/DIVO.

    • Olá!

      Não sei o que ocorreu (talvez muito sono…rsrs), mas quando fui postar o artigo ontem lá pras 02:00 ficou faltando uma parte do artigo sobre diversificação com R$ 10.000. Já a diversificação com R$ 5.000 tinha os números da de R$ 10.000. Desculpe a confusão.

      Sim, comprar uma única cota de FII por R$ 2,00 seria loucura. Porém, esse não é o objetivo do artigo. Perceba que seu foco é como diversificar com custos baixos.

      O artigo oferece algumas alternativas viáveis (como guias) para que o investidor possa se basear e montar sua própria carteira, pensando sempre na tirania dos custos compostos.

      Abraços!

  • Giuliano Vilela

    Bom artigo Henrique. Uma dúvida: para quem está iniciando os investimentos, procurando investir em TD, FII e ETF, qual seria a melhor corretora no momento?

    Note que não estou procurando por um homebroker excelente, análises emitidas pela corretora, etc. A prioridade seria baixos custos, de preferência custódia 0% no TD. Alguma recomendação?

    • Eu

      Nesse caso você terá que diversificar entre as corretoras. Tipo, uma de 0% para TD e outra barata para home broker. A lista para tesouro direto vc encontra aqui: http://www.tesouro.fazenda.gov.br/tesouro_direto/consulta_titulos/consulta_ranking.asp

      Para ações, as mais baratas costumam ser a Mirae e a Rico. Mas tem que ver que tipo de operações vc faz, com que frequencia etc.

      • É uma boa opção também.

        Só é preciso avaliar o trade-off entre colocar tudo na mesma corretora, dando mais flexibilidade para realocar a carteira ou espalhar para tentar reduzir custos.

        Em momentos de crise e altíssima volatilidade como foi em 2008 ter o dinheiro em um único lugar é fundamental para aproveitar a loucura do mercado, seja no pânico ou na euforia.

        Abraços!

        • renato

          Henrique,
          vc ainda é fera em Fii?
          Poderia indicar nos preços atuais 05 FIIs de tijolo para entrar para compor uma carteira diversificada?

    • Oi Giuliano!

      Não tenho vínculo com nenhuma corretora.

      Utilizo a Rico há praticamente 4 anos e gosto dos custos, da estabilidade do HB e do suporte dela.

      Abraços!

  • Grande Henrique, tudo bem meu amigo?

    Devido a forte correlação entre Pibb e Smal, na carteira de 5k, eu ficaria apenas com o Pibb para reduzir os custos.

    É ponto fundamental a escolha de uma corretora que absorva a taxa de custódia, pois, caso contrário, os custos anuais serão maiores. Acredito que faltou essa observação no texto.

    Pensando no longo prazo não aprovo a escolha de dólar e ouro para compor a carteira. Gosto destes ativos para especular, aproveitar momentos e não numa composição hold e de longo prazo.

    Enquanto não surgir uma forma mais simples (ETFs talvez) para a aquisição de FII eu ainda os considero arriscados. Numa possível bolha (fato que não acredito) eles seriam bem prejudicados.

    Finalizando… com a nova realidade da renda fixa brasileira eu penso ser o momento de uma maior exposição à RV, com foco no longo prazo acredito que o trad-off rentabilidade/segurança compense. Optaria por uma exposição de 80%.

    É isso aí meu caro, grande abraço!

    • Eu

      PIBB e SMAL são diferentes. Embora tenham uma correlação alta, a volatividade de SMAL é muito superior a do PIBB. Então mesclar as duas é uma tentativa de obter ganhos maiores. No longo prazo, os benefícios dessa mescla são superiores ao custo.

      Concordo com a exposição maior em RV. Mas acho 80% muita coisa.

      • Concordo que a longo prazo compensa a diversificação entre small caps e large caps, apesar do maior custo.

        Abs!

      • Eu,
        Minha observação foi para carteiras de 5k.

        Abraço!

    • Oi Jônatas!

      Sim, muito importante dar uma olhada na taxa de custódia para carteiras com pouco capital.

      Colocar dólar e ouro realmente nem sempre é uma boa decisão. Porém, para quem possui muitos gastos em moeda estrangeira e gostaria de uma melhor proteção em crises é uma boa decisão.

      FIIs é uma classe interessante para integrar uma carteira de investimentos. Sem dúvida o ETF seria vital para o amadurecimento do setor.

      No longo prazo o trade-off compensa. O ideal é saber a exposição (alocação) necessária para ações. 80% também acho um valor muito alto. É uma opinião pessoal, mas considero 60% em ações já bem agressivo. No caso, os outros 20% em RF e 20% em FII.

      Abraços!

      • Henrique,

        Hoje tenho alocado cerca de 85% em ETFs. Tenho algumas LTNs vencendo em janeiro, comprarei mais ETFs e ficarei com uma posição de cerca de 90%.

        Ainda tenho ao menos 20 anos para aportes, reduzirei minha posição em RV somente nos últimos 7 anos de aportes.

        Abraço!

  • Rose

    oi Henrique,
    a Alocação de Ativos é a minha cara, já li o seu livro e tem tudo de bom e foi após ler o seu livro que tomei iniciativa de começar os meus investimentos.
    Para minimizar o impacto das taxas de corretagens ao longo mês, adotei a seguinte abordagem:
    1. fiz um levantamento de quanto eu disporia mensalmente para investir (R$ 5.000,00)
    2. multipliquei esse valor por 12 meses e obtive o valor anual para investir (R$ 60.000,00)
    3. defini o meu perfil de investimento
    40% Renda Fixa (R$ 24.000,00)
    30 %Fundos Imobiliarios (R$ 18.000,00)
    30% Fundo de Ações (BOVA11, SMAL11, PIBB) (R$ 18.000,00)
    4. Mensalmente utilizo o valor R$ 5.000,00 e escolho apenas UMA categoria para investir
    5. Quando atinjo o valor para cada categoria, parto para começar a investir na outra, desta forma evito ter de fracionar os R$ 5.000,00 em várias aplicações e pagar várias corretagens dentro do mês.
    Estou aprendendo bastante acompanhando seu blog e emails que voce envia.
    abraços,
    Rose

    • É exatamante desta forma que eu tenho agido. Fazendo rodízio mensal por classe de ativo. A cada vez que eu completo o “ciclo” retorno à classe inicial mas procuro diversificar inter-classe. Eventualmente quebro a regra quando encontro alguma “pechincha” no mercado.

      Abraços!

      • Oi Jilvan!

        Muito bem lembrado também é que a alocação de ativos é um ótimo guia, mas nada impede você de “quebrar a regra” de vez em quando.

        Abraços!

    • Excelente aplicação Rose!

      Fico feliz que o eBook esteja sendo útil para melhorar seus investimentos.

      Ainda esse ano devo lançar a segunda edição e uma das novidades será justamente uma planilha para determinar melhor onde investir aportes mensais e realizar rebalanceamentos.

      E como minha política é sempre agregar valor, todos que adquiriram a primeira edição do eBook receberão a segunda sem nenhum custo adicional, mesmo com o aumento do preço do material.

      Abraços!

  • David Carvalho

    Henrique, interessante o artigo!

    Existe algum site/ferramenta que eu consiga obter os rendimentos mensais dos melhores fundos de investimentos, afim de eu comparar com os rendimentos mensais da minha carteira?

    Abraço

  • Rafael Cerqueira

    Grande Henrique,

    Primeiramente gostaria de agradecê-lo por ser um dos responsáveis
    pelo meu crescimento como investidor, graças ao seu site finalmente encontrei
    uma estratégia de investimento sólida e eficaz. Acompanho religiosamente o HCInvestimentos
    e indico a todos os conhecidos. Muito obrigado por compartilhar os seus
    conhecimentos!!

    Quanto ao artigo você não acharia importante pontuar outro custo
    que é a taxa de custódia? Acredito que seja importante tanto no resultado da
    carteira quanto na escolha da corretora (aproveitando os comentários
    anteriores), pois se o investidor não tiver em mente esse custo, ainda mais em
    carteiras pequenas a rentabilidade pode ser prejudicada e a escolha de uma
    corretora que isente o investidor que fizer pelo menos uma movimentação é
    essencial, logo os aportes mensais são essências para minimizar mais esse
    custo, R$6,90 por mês pode fazer falta em uma carteira de R$5000,00.

    Parabéns pelo ótimo trabalho!!!

    • Oi Rafael!

      Muito obrigado pelo comentário e por acompanhar de perto meu trabalho.

      Sim, a taxa de custódia é um custo que realmente pode “comer” bastante uma carteira com pouco capital. Algumas corretoras oferecem incentivos para o investidor como isentar essa taxa se o ele operar ao menos 1x no mês.

      Já até coloquei no artigo esse aviso sobre a taxa de custódia para deixar 100% claro para o leitor a importância de evitar esse tipo de custo.

      Forte Abraço!

  • Felipe B.

    Excelente artigo, Henrique! Meus parabéns!

    Gostaria de aproveitar o tema, muito bem escolhido por sinal, para tirar uma pequena dúvida. Em uma carteira com um alto valor não seria válido alocar uma parte dos recursos em investimentos do banco que a pessoa utilize? Quero dizer o seguinte… do percentual alocado em renda fixa, colocar parte em CDBs, por exemplo, do banco que você possui conta aberta de forma a garantir possíveis benefícios com o banco?

    Abraços!

    • Eu

      Desde que os benefícios sejam melhores do que a perda que você teria em outro investimento, ok. Caso contrário, deixe tudo no investimento melhor, mesmo que o banco cobre as taxas de manutenção de conta dele.

      • “Desde que os benefícios sejam melhores do que a perda que você teria em outro investimento, ok”

        Ótima resposta do “Eu”.

        Às vezes, CDBs (em geral) são melhores do que LFTs do Tesouro Direto porque permitem a liquidez diária, ao invés da semanal do TD. Fazendo as contas, CDBs acima de 97%-98% são interessantes.

        Abraços!

  • Muito bom o artigo. Eu adoto uma tática diferente.

    Do valor que eu aporto, eu tiro o custo do meu gasto livre, ou seja, se tenho 3.300 para aportar eu pago o custo como se fosse um gasto nas contas livres (lazer, custos fixos, bebida).

    Assim não me estresso com nada. É uma ótima tática.

    Abraços!

    http://vidaruimdepobre.blogspot.com.br/

    • Eu

      N entendi nada!

      • Gabriel Mota

        O que o pobretão falou é que ele não computa no rendimento dos investimentos os custos (corretagem, etc…). Os custos com investimentos entram no mesmo bolo de outros custos como lazer, luz, etc.. Eu também faço isso é muito prático.

        • @facebook-100003513889338:disqus e @google-a6f3026e8e9777922a7d1fab2885e178:disqus

          Entendo a posição de vocês, mas para ter um controle mais refinado sobre os investimentos é muito importante colocar os custos dentro dos investimentos.

          Afinal, você pode ganhar 10% no ano e achar que está bom.

          Porém se também tiver um custo de 10%, não terá ganho nenhum.

          O exemplo é exagerado, mas mostra como os custos podem enganar uma boa gestão do seu dinheiro.

          Nesse caso, é preciso focar no ROI (Retorno sobre investimento).

          Abs!

          • Rodolfo

            Boa Tarde Henrique,

            Primeiramente parabens pelo trabalho! aprendo bastante lendo seus artigos, porem tenho duvidas agora com relação a entrar nesse mercado pois pelo que entendi aqui….Não é possivel você investir menos de 1000,00 mensalmente.
            No meu caso só disponho de 300,00 mensais para investir por enquanto…
            Gostei da dica de começar com RF, mais lendo os comentários agora, acho que seria inviavel todos os investimentos. para pessoas como eu que não tem dinheiro nenhum para começar.

            seria isso mesmo???.

          • Oi Rodolfo!

            Obrigado pelos elogios!

            Sim, é possível investir com menos de R$ 1.000. Veja o caso descrito no artigo sobre como investir apenas com RF.

            Aos poucos, quando você conseguir juntar mais R$ 1.000 você pode ir diversificando através de outras classes.

            Nessa fase bem inicial é importante investir, mas mais importante ainda é guardar mais dinheiro (poupar mais).

            Forte Abraço!

          • Rodolfo

            Obrigado HC pela resposta..
            Continuo lendo bastante sobre o assunto no seu site,e espero um dia ser como vocês e passar esse conhecimento para mais pessoas e ajudar cada dia mais como vcs fazem…

            Obrigado pela ajuda.

  • Luigi

    Henrique,

    Estou estudando sobre investimentos com pouco dinheiro e estou com uma dúvida.
    Vou reservar R$ 500,00 mensais para investir.
    Devo fazer aportes todos os meses com estes valores ou guardo na poupança por um tempo para fazer aportes maiores reduzindo o custo das taxas fixas?

    Parabéns pelo artigo.

    Grato

    • Oi Luigi!

      Sempre dependerá do caso, mas na maioria das vezes é melhor juntar um certo dinheiro até conseguir reduzir o custo com taxas fixas.

      Utilize a regra de bolso dos 1% (ou 0,5% se quiser ser mais conservador) para validar essa estratégia.

      Ex: Se os custos forem de R$ 10, você precisa no mínimo ter R$ 1.000 para investir. (1%)

      Abs!

      • Luigi

        Muito obrigado Henrique, esta era uma dúvida que tinha a algum tempo já.

  • Pedro

    E a taxa de custódia de ações das corretoras não entra nos custos?

    • Entra sim Pedro!

      Até atualizei o artigo colocando uma nota sobre esse custo.

  • Fabio

    Henrique, boa tarde.
    Ótimo artigo, mas fiquei com uma dúvida.
    Esses valores de carteira que você colocou seriam de aportes mensais?
    Porque 1000,00 por mês já é bem pesado. Será possível alocação de ativos com aportes mensais menores?

    []s

    • Oi Fabio!

      No artigo, os exemplos consideram um patrimônio inicial.

      Para aportes mensais geralmente é melhor esperar até uma certa quantia para evitar custos maiores. R$ 1.000 é uma boa quantia para aportes mensais com custo controlado.

      Abs!

  • Henrique e pessoal, nos últimos dias saiu a notícia de que uma nova queda na SELIC é muito improvável. Com esse cenário em vista, eu diria que não vale à pena comprar títulos de TD pré-fixados nesse momento. Eu compraria ou indexados à SELIC ou ao IPCA. O que acham??

    Outra coisa, eu nunca vi você, HC, recomendar fundos de investimentos (seja de ações, multimercados ou mesmo renda fixa) como investimento. Se bem escolhidos, eles podem ser uma ótima alternativa (rentabilidades melhores que o IBOV – BOVA11). Não gosta da modalidade?

    Parabéns pelo ótimo trabalho e um abraço!

    • Eu

      Particularmente eu ficaria com os títulos atrelados ao IPCA. Questão de segurança, ficar mais protegido contra a inflação. Abaixando os juros do jeito que fizeram, há sérios riscos da inflação subir. Já tem economistas dizendo (ex-presidente do BACEN por exemplo) que a inflação no próximo ano deverá ficar inclusive acima do teto da meta. Por via das dúvidas, melhor se proteger.

      Qto aos fundos de investimento, a gente pode dividi-los em, por exemplo, duas classes: ativos e passivos. Em geral, não é negócio investir em fundos passivos, sendo mais recomendável fazer por conta própria, pra não pagar a taxa de administração do fundo.

      Já os ativos são outra história. Nesse caso vc paga para o cara ficar girando o dinheiro e, por isso, pode ser vantajoso. Obviamente vai depender da escolha do fundo, e é aí que está o problema. Tem algumas estatísticas que mostram que, em regra, o retorno é aleatório. Em regra o fundo que performa excepcionalmente bem em um ano não o fará no ano seguinte. Aí a questão que surge é: vc sabe garimpar as exceções à regra?

  • Olá Henrique,

    Comprei seu livro sobre Alocação de Ativos logo após ter terminado de criar meu colchão de segurança. Comecei a investir inicialmente nas NTN-B P 2024 e 2035 há alguns meses, quando me senti seguro para investir nessa categoria. Após ler seu e-book e algumas matérias do blog, resolvi então iniciar os investimentos em FIIs.

    Uma das matérias que me chamou a atenção foi a em que você utilizou uma planilha de “Valuation de FIIs” para calcular o Upside/Downside deles. Eu reproduzi esta tabela no meu Excel tendo como base os cálculos que você apresentou para um único FII. Tomei o cuidado de me informar sobre a valorização dos fundos e eventuais percalços nos FIIs, como o West Plaza, que apresentou o maior Upside, 91%, porém está assim perante ao fim da garantia do valor das cotas.

    Como todo mercado de renda variável, estou com uma leve perda devido a desvalorização de alguns títulos que comprei. Gostaria de saber se você ainda se baseia nesta tabela para pelo menos fazer uma compra um pouco mais “saudável” na hora de investir em FIIs, e se vale a pena dedicar uma porcentagem maior de investimento em fundos chave, como o BC Fundo de FII (pela “garantia” maior que oferecem, por investirem em diversos imóveis de diversos setores, e pelo maior número de negociações). Obrigado e continue este trabalho maravilhoso de educação financeira.

  • Henrique, recebi um email hoje oferencendo 1.32% garantidos por mês:

    http://www.guiainvest.com.br/newsletter/email-marketing.aspx?data=26/10/2012&id=65502

    Aqui a página descritiva:
    http://mutualinvestimentos.com.br/capa/rentabilidade.html

    Será sério isso? Já ouviu falar de algo assim?
    Pode ser furada?

    • Quando a esmola é boa demais, o santo desconfia.

  • Olá HC,

    Artigo excelente e esclarecedor, sou praticante da sua metodologia de alocação de ativos e ela tem me salvado de alguns escorregões que cometi. Como comentei tem algum tempo comecei a operar opções e isso fez o desvio padrão aumentar demais, fiquei com um risco altíssimo e um retorno negativo.

    Se não tivesse diversificado provavelmente teria perdido uma boa parte do capital, agora que notei o erro vou continuar com a estratégia e aportar somente em ativos já estabelecidos. Os custos estão acabando com meus aportes mensais, porque a corretora que utilizo agora cobra custódia e para ficar isento tem que optar por um plano mais caro de corretagem.

    Abraços!

  • Camilla Luz

    Henrique vou investir na alocação de ativos de 1.000 reais, tenho que fazer depósitos mensais em todas elas? Como faço, compro 10% todo mês? como saber qual vai ser o meu retorno? Obrigada.

  • Bela mudança de paradigma Henrique! Eu escuto muita gente falar: “não tem aplicação boa para pouco dinheiro, as aplicações que tem rendem quase nada, é melhor gastar que vou aproveitar melhor…”
    Falta de Propósito e má Educação Financeira.

  • Gabriel

    Henrique sou novo no seu blog. Em breve lerei todo ele.
    Li os comentários sobre a taxa de custódia e hoje eu só compro TD pela SOCOPA. Porém caso eu compre mercado a vista eu pago 7,0 de corretagem e se eu nao fizer nenhuma operação no mes eu pago 10,00.
    Nesse caso o que eu devo fazer? (eu ainda nao comprei ETF)
    Pois se eu juntei dinheiro para ter 10.000 para investir 50% em TD e 50% em ETF. Se eu deixar a carteira parada por varios meses, eu vou ficar pagando 10,00 todo mês. Mas se eu fizer alguma compra por mês eu só pago 7,00.
    Oq seria vantajoso? Comprar todo mês ETF, nem que seja só um pouco? Ou pagar os 10,00 todo mês. (por favor use os 10.000,00 como base para o cálculo)
    Obrigado!

  • Douglas

    Um custo que foi esquecido é o das transferências Corretora – Banco e vice-versa. para os aportes mensais esse custo deve fazer muita diferença. O texto considera custo de corretagem de R$10,00, mas se adicionar mais um TED de R$ 8,50, esse custo sobe para R$ 18,50, se a corretora cobrar taxa de custódia de R$7,00 o custo sobe novamente para R$25,50. Ou seja para o aporte valer a pena teria que ser maior que R$ 2500,00 (pela regra do 1%).

    Um abraço.

    • Oi Douglas!

      Bem lembrado. Normalmente, quem possui conta no Bradesco ou Itaú consegue fazer um TED sem custos para as principais corretoras que trabalham com os 2 bancos, mas é sempre bom pesquisar antes.

      Abraços!

  • Rodrigo Carvalho

    Muito boa essa matéria….estou recomendando até pra amigos.

    Rodrigo Carvalho

  • jamm

    HC, bom dia

    Parabéns pelo seu trabalho, gostei muito deste post, embora não sei se alguém percebeu mais tem um erro nas porcentagem do item 2, na carteira de R$5000.
    Bom eu tenho a seguinte pergunta, no meu caso eu já tenho a maioria das minhas aplicações em fundos: renda fixa (17%) (título, públicos, CDBs, atrelados à inflação), multimercados Long Short (37%) e fundos small caps (37%), poderia utilizar estes fundos para alocação de ativos ou recomenda resgatar as aplicações para aplicar direitamente em títulos públicos e ETF’s?.

    Por outro lado também tenho um fundo imobiliário e no meu extrato aparece mensalmente uma taxa manutenção de custoria= R$6.9 minha corretora afirma que é a taxa de custodia da Ibovespa, é isso mesmo?, você comentou que as corretoras cobram esse valor ou é a Ibovespa?

    Desde já agradeço e parabéns novamente

    Abçs

  • sheila

    Olá
    Consigo economizar 2000 por mês, e meu problema é justamente o entender tudo o que foi escrito no artigo. na verdade, não entendi NADA, o que torna inviável que eu invista em alocações, pois como vou poder avaliar se estou fazendo um bom negócio se não entendo nada a respeito? Haveria disponível em algum lugar um passo a passo para principiantes, ou exemplos de lugares confiaveis e com taxas de corretagem que valessem a pena para me indicar?

    Grata

    • Fernando de La Cruz

      Sheila, o blog do Henrique é ótimo, tanto para aprender, como para se aperfeiçoar. A linguagem que ele utiliza é simples de se entender. Leia todos seus artigos publicados e se possível, não deixe de ler seu eBook que é fantástico!

  • Paulo Albuquerque

    Qual corretora você utiliza para fazer estes investimentos?

  • Paulo Albuquerque

    Boa noite, Henrique!

    Gostaria de saber se você ainda sugere investir no Tesouro Direto nos percentuais definidos aqui, ou seja, 50% em LFT 2017, 25% em LTN 2016 e 25% em NTN-B Principal 2015 atualmente. A SELIC acaba de subir para 11% e o tesouro direto está com taxa de compra de -0,02% ao ano, ou seja, se eu comprar agora e carregar o título até o vencimento, receberei uma taxa negativa + a variação da SELIC no período. Estou com R$1.500,00 para investir e pretendo seguir sua orientação para alocação de recursos. Gostaria de saber sua opinião. Obrigado.

  • Pingback: 5 Verdades Desagradáveis Sobre Ter Sucesso()

  • José Luis Marban

    Oi Henrique, bom dia.
    Vc teria uma indicação de uma corretora boa e com custos acessíveis para quem vai começar a investir mensalmente uma quantia pequena (R$ 400,00)? Pelo que tenho percebido, os custos matam o investimento do pequeno investidor.
    Parabéns pelo blog!!!

  • Andre

    Eu sou um dos que acredita que com pouco capital, diversificar é besteira pelo seguinte: o início da formação de uma reserva financeira tem, primeiramente, a finalidade de formação de uma reserva emergencial, para imprevistos. Sendo assim, essa reserva inicial precisa ser líquida e o mais conservadora possível. E dessa forma, usar pré-fixados ou títulos longos atrelados ao IPCA é um erro, pois as variações na curvas de juros de curto prazo podem causar prejuízos ao investidor e se aquela reserva é para emergências, e precisar ser utilizada, poderá não trazer benefícios ao investidor. Acho que a cabeça do indivíduo que está montando sua reserva nesses níveis, é juntar dinheiro. E não diversificar. Não existe necessidade de diversificar por diversificar. A necessidade que existe é de diversificar é justamente função do plano de investimentos e do prazo do investidor para cada pedaço do dinheiro.

    Abs,

  • Marcos Gomes

    olá Henrique! Parabéns pelo seu trabalho! Gostei muito do que li! Porém sou novo no ramo de investimentos, e quero começar com os 1.000 reais e usar as sugestões colocadas por você. Tenho dúvidas, como procurar uma corretora? Qual a melhor estratégia pra mudar o investimento para 5.000?

    Desde já agradeço!

  • Ricardo Abrahão

    Henrique, com 500 mil é viável fazer a alocação de ativos.para ter renda mensal?

  • William Andriguetti

    Já eu indico trabalhar com uma franquia pessoal, que além de o investimento ser baixo é muito rentável para construir um patrimônio grande…
    Trabalho com uma já fazem 3 anos e 8 meses e estou cada vez mais feliz com os resultados, fora que com um investimento de 200,00 mensais que é a manutenção já tenho vários benefícios sendo um franqueado e temos treinamentos de como ganhar mais, economizar e investir… apesar de ser bem novo e estar com 23 anos já tenho um patrimônio que muitas pessoas sonham… mas essa é a minha opinião pessoal.
    Em um dos ramos que atuo estou buscando alguns parceiros para trabalhar comigo.
    Se alguém tiver interesse em ocupar suas horas livres e agregar valores em sua renda, me chame INBOX, ou através do Skype: william91_@hotmail.com
    Só chame se REALMENTE tiver interesse.
    VAGAS LIMITADAS.

  • Pingback: 5 Verdades Desagradáveis Sobre Ter Sucesso que eu Aprendi com os Milionários que Começaram do Zero - PH Investimentos - O seu Portal da Educação Financeira()

  • Boa HC!

    Eu admiro muito o seu trabalho. Parabéns!

    Como sempre informação relevante, a alocação de ativos é a melhor estratégia pensando no longo prazo.

    abraço

  • Pingback: Encontrei um investimento seguro e rentával | Investir | Multiplicando seu Dinheiro()

  • Bruno

    boa tarde, o que não entendi até peço desculpas pela minha ignorância, mas não fala se eu investir tanto terei tanto de retorno, e isso que gostaria de saber.

  • Kay

    excelente texto, tem material atualizado? Obrigada.

  • Janete Barbosa

    Muito bom esse texto, obrigada por compartilhar… já invisto no Tesouro direto há alguns meses, estou lendo/aprendendo agora sobre alocação de ativos.

  • Cesar

    Ok, concordo, isso vale para muitos, mas veja que estamos falando em valores R$ 1.000,00 e R$ 5.000. Para muitos isso não é considerado pouco dinheiro, especialmente se quiser fazer investimento mensal. Eu tenho usado uma estrategia muito coisa boa, peço que a considere. Estou falando em investir, como buy and hold, a quantia de R$ 100 programada. Pagando apenas R$ 0,50 de corretagem e sem taxa de custódia, não é legal. Pode avaliar por favor em http://www.cmelotrader.com/#!como-investir-pouco-dinheiro/zodot.

  • Pingback: 5 surpreendentes lições dos milionários que começaram do zero – Investimento Seguro()

  • compos

    Você está na necessidade de um empréstimo rápido e legítimo para aumentar o seu capital ou investir em seu projeto? Se sim, por favor, entre em contato (tombradinvestment@gmail.com) hoje para mais informações; E-mail: tombradinvestment@gmail.com. Obrigado.

  • Pingback: 31 Poderosas Dicas Para o Seu Planejamento Financeiro Pessoal()

  • Pingback: Empreendedorismo multinível: prosperidade à vista ou enrascada certa()

  • Bom artigo Henrique, conheci esse site recentemente e olha e muito bom também conhecia o viver de blog mas vejo que este também e muito bom valeu pelo artigo.

  • raquel

    gostei do conteúdo, bem detalhado e esclarecedor…parabéns!!!

eBook-alocacao-ativos