Após 5 anos devorando investimentos, essas 10 lições aprendidas valeram todo o caminho

shutterstock_132181055

Uma das formas de aprendizado que considero mais interessantes é ler sobre os erros e lições de pessoas mais experientes.

É fascinante saber que uma pessoa dedicou boa parte de sua vida estudando e se aperfeiçoando em um assunto.

Hoje tentarei fazer o inverso…

Depois de mais de 5 anos estudando e praticando a “arte” de investir trago a vocês 10 lições que considero fundamentais sobre investimentos.

Elas valem tanto para quem está apenas iniciando como para investidores com uma boa “quilometragem”.

 

1. Humildade

shutterstock_124924085

À primeira vista pode soar estranho o porquê “humildade” está no topo das 10 lições.

Porém, essa é uma qualidade muito importante por diversos motivos.

Um deles é saber que você, principalmente se for iniciante, não possui (ainda)  a experiência suficiente para saber exatamente o que está fazendo.

No meu caso pessoal sofri com essa ilusão e tive de aprender “na marra” como lidar com o excesso de confiança e a ilusão de superioridade.

Quando iniciei meus investimentos acreditei que era possível ganhar mais de 5% ao mês TODO mês.

Antes mesmo de começar a investir de verdade eu simulava minhas operações nos simuladores online de Bolsa. Para minha grande surpresa, consegui ganhar 20% em um único mês comprando apenas 3 ações.

Achei que era inteligente demais para falhar no mercado e logo peguei a calculadora para saber quando chegaria logo ao R$ 1 milhão.

A versão resumida de toda essa história é que em poucos meses eu já estava com uma queda de -30% em minha carteira com dinheiro real.

Para minha “sorte” eu havia colocado uma pequena quantia em torno de R$ 1.500.

Aqui ficam 2 lições:

1. Nunca coloque todo o seu capital acumulado de uma vida em algo que você não conheça profundamente.

Comece pequeno e aumente o capital quando tiver mais experiência.

2. Seja humilde. Saiba que para compreender bem um assunto é preciso dedicar muitos anos de estudo a ele.

Vejo muitos iniciantes, assim como eu já fui um dia, acharem que tem domínio do quanto irão ganhar no mercado e se acham “inteligentes demais” para falhar. Tenha humildade e você evitará muitos problemas.

 

2. A relação Risco x Retorno

shutterstock_138554930

Conhecer a relação risco x retorno é um princípio fundamental nos investimentos, mas muitas vezes ignorado.

É comum conhecer investidores que focam apenas no retorno e ignoram o risco.

É preciso ter sempre em mente que um alto retorno esperado na grande maioria das vezes está atrelado a um alto risco.

Você provavelmente conhece um investidor que já se deu mal investindo em “micos”.

Ou seja, aquelas ações praticamente à beira da falência que valem centavos e estão a espera de uma grande mudança para crescer 1.000% em um único ano.

Ano após ano, esses eventos acontecem em uma ação e chamam atenção de vários investidores.

Porém, eles ficam sabendo desse fato geralmente quando a ação já subiu bastante e está pronta para devolver boa parte dessa subida.

Em alguns casos, já conheci pessoas que perderam 90% de todo seu capital por acreditar nesses “foguetões”, como são chamados esse micos que “bombam”.

Ter em mente que um alto retorno esperado possui um alto risco esperado é importante para você decidir se um investimento vale ou não a pena.

 

3. Custo Oportunidade

shutterstock_130614392

Tanto na vida como nos investimentos você precisa avaliar a relação entre custo e oportunidade para tomar decisões melhores.

Na vida seria:

(1) ver 1 hora de Big Brother Brasil … ou …

(2) Estudar 1 hora

A resposta nesse caso, ao menos para mim, é bem óbvia, já que estudar 1 hora trará um retorno melhor do que ver 1 hora de Big Brother.

Entretanto, essa relação nem sempre é clara. Por exemplo:

(1) Passar 1 hora com seus parentes/amigos … ou …

(2) Estudar 1 hora?

Ambos possuem benefícios, embora sejam diferentes.

Nos investimentos, um custo-oportunidade que considero importante para o investidor pensar é o seguinte:

(1) Investir de forma passiva … ou …

(2) Investir de forma ativa?

O investidor poderia simplificar seus investimentos escolhendo ETFs de ações ao invés de escolher individualmente as ações para compor sua carteira.

Ele não precisaria acompanhar os relatórios trimestrais das empresas, não precisaria estar ligado nas notícias sobre a empresa e poderia dedicar mais tempo para outras tarefas como, por exemplo, passar mais tempo com a família.

Entretanto, o investimento ativo poderia (suposição) gerar um retorno maior para esse investidor, caso ele se dedicasse bastante nesse tipo de estudo.

No meu caso particular, depois de um bom tempo investindo de forma ativa, percebi que:

1. Não conseguia retornos acima do índice (Ibovespa, no caso)

2. O trabalho demandado para analisar as empresas, seus indicadores e seus relatórios tomavam um enorme tempo

3. O controle de todas as ações compradas (várias para efeito de diversificação) tornava-se mais complexo dado uma planilha maior, aos dividendos recebidos, além de avaliar possíveis subscrições

A escolha dos ETF me trouxe mais liberdade, menos stress e, inclusive, aumentou meu retorno, reduzindo o risco de minha carteira.

 

4. Diversificação de Ativos

shutterstock_9380785

Conforme mencionei, a minha “diversificação” no início de minha jornada tinha apenas 3 ações.

Esse foi o principal motivo para eu perder -30% do meu capital ao começar a investir.

Esse episódio me marcou porque fiquei imaginando se ao invés de R$ 1.500 eu tivesse R$ 1.500.000 investidos. Já imaginou perder R$ 450.000?

Com o tempo, a diversificação de ativos tornou-se cada vez mais clara e necessária, já que não era possível prever o futuro da economia e da Bolsa.

Diversificar significa tirar o lado das “apostas” dos investimentos e se preocupar com a preservação e crescimento sustentável de uma carteira de investimentos.

 

5. Controle de Toda Carteira

shutterstock_157328393

Por controle eu quero dizer ter uma planilha em que você consiga:

1. Guardar todas as operações feitas por você

2. Saber exatamente quanto de dinheiro entrou e saiu de sua carteira

3. Calcular a rentabilidade de seus investimentos

4. Calcular o risco dos ativos que você investe

5. Planejamento Financeiro através de metas e simulações

Quando você não mantém um controle do que faz (seja na vida ou nos investimentos) você não consegue mensurar corretamente progresso, suas metas e objetivos.

 

6. Análise de Dados

shutterstock_105784187

Analisar dados é importante para o crescimento do investidor.

Lidar com investimentos é lidar também com números.

Logo, saber fazer alguns cálculos, mesmos que simples como juros compostos, ajuda você a entender melhor sobre finanças e investimentos.

Analisar números é interessante porque você obtém uma resposta qualitativa sobre uma dúvida.

Por exemplo, você pode achar que as chamadas “blue-chips” (ações de alto valor de mercado) são seguras e não apresentam grandes quedas.

Porém, ao analisar a crise de 2008, você irá notar que ativos como USIM5 perderam -80% de seu valor e ativos como PETR4 e VALE5 perderam -60%.

Como os números não mentem, você sabe agora que é possível ter grandes perdas em ações ditas “seguras” e precisa diversificar sua carteira para não sofrer quedas tão bruscas como essas.

 

7. Cortar Custos

shutterstock_146734340

Estamos acostumados a pensar que o mais caro é melhor.

É assim quando comparamos uma ferrari a um fusca ou quando compramos um vinho ou perfume.

Entretanto, se você quiser fazer com que seu dinheiro renda melhor, você precisa reduzir os custos de seus investimentos.

Um exemplo real pode ser visto nesse artigo em que comparei o retorno de um fundo com 5,5% ao ano de administração com o retorno do CDI.

O fundo obteve rentabilidade de 14,75% em 3 anos, enquanto o CDI de 35,75% no mesmo período.

Um exemplo semelhante é o fundo BB Ações PIBB (PDF de fevereiro/2012) que possui uma taxa de administração de 1,5%.

Apenas para comparação o ETF PIBB11 possui uma taxa de administração de 0,059%.

Nos últimos 5 anos o fundo BB Ações PIBB obteve rentabilidade de 18,71%, enquanto o índice (IBrX-50) valorizou-se 28,55%.

Cortar custos, principalmente no longo prazo, fazem uma grande diferença.

 

8. Entender sobre Comportamento Humano

shutterstock_112704628

Economia Comportamental é um dos assuntos mais fascinantes para se estudar.

Compreender mesmo que de forma básica a influência de nossa mente nas decisões financeiras nos ajuda a identificar alguns vícios comportamentais.

Se você já presenciou uma crise financeira como a de 2008, sabe que nesses momentos as pessoas tendem a ser muito mais emotivas do que racionais.

Lendo apenas notícias ruins sobre quebra de bancos, calotes de países e vendo suas carteiras perderem -50% em questão de 5 meses, os investidores se assustam.

Eles vendem suas ações para, somente 1 ano depois, ver o mercado subir 100%, como ocorreu 12 meses após o auge da crise.

Nesses momentos de pânico ou euforia, os investidores tendem a seguir o que chamamos de Efeito Manada.

Ou seja, eles tomam decisões semelhantes a outros investidores por conta da enorme incerteza do momento.

Para eles é mais seguro seguir outros investidores do que fazer exatamente o contrário do que a massa está fazendo.

No caso de 2008, o investidor que, ao invés de vender suas ações, reforçou a sua alocação nessa classe, comprando mais ações, teve um ótimo retorno após a crise.

De maneira análoga, o investidor que diminuiu sua posição em ações na euforia de maio de 2008 com o Investment Grade, sofreu bem menos na crise.

Às vezes, para obter um retorno melhor no mercado é preciso fazer justamente o contrário do que a maioria está fazendo.

Compreender o comportamento humano através da economia comportamental ajuda, e muito.

 

9. Nunca Parar de Aprender

shutterstock_102870209

Pode parecer surreal, mas já vi muitas pessoas dizerem que já aprenderam tudo sobre investimentos.

Essa observação, além de nos remeter ao tópico #1 sobre humildade, é muito perigosa no mercado financeiro.

O mercado é muito dinâmico. Novos ativos estarão disponíveis e viáveis daqui a 5 anos e que hoje não temos acesso.

Pense em ETFs sobre Renda-Fixa, sobre Fundos Imobiliários e opções sobre ETFs.

A taxa de juros muda, a inflação muda e a economia passa por diversos “sobres e desces”.

Portanto, esteja sempre aprendendo e fique atento as mudanças.

Se você ainda não conhece, a seção aqui do blog sobre livros de investimentos pode ajudar você!

 

10. Estratégia de Investimentos bem Definida

shutterstock_83814262

Ao iniciar nos investimentos é comum não ter uma estratégia bem definida.

Por esse motivo temos de ler e estudar bastante sobre técnicas para gerir uma carteira.

Particularmente já testei e pratiquei Análise Técnica, Análise Fundamentalista, Opções…

Porém, foi somente quando li sobre alocação de ativos que pude finalmente ter um controle maior sobre meus investimentos.

Não existe uma técnica que seja perfeita para todos investidores, mas o que me atraiu na estratégia de alocação de ativos foi sua simplicidade e visão ampla da carteira através de uma sólida gestão de risco.

Após anos e anos estudando (foram mais de 10 livros estrangeiros somente sobre esse tema) e praticando no mercado brasileiro com ótimos resultados, resolvi escrever um eBook sobre Alocação de Ativos.

Foram meses e meses de pesquisa, de escrita e muita dedicação.

Agora, o eBook é uma realidade e confesso estar muito satisfeito com todo o esforço.

Você pode conferir todo o meu comprometimento com esse material AQUI.

Forte Abraço!

Henrique Carvalho

Nota: Esse artigo é uma adaptação de uma das lições minicurso sobre investimentos.

(crédito das imagens: shutterstock.com)

Sobre o autor

Henrique é especialista em alocação de ativos, eleito um dos 5 melhores educadores financeiros do Brasil em 2012/2013. Continue Lendo aqui!

  • Henrique Carvalho

    Excelente

  • Ótimo Artigo Henrique!
    Eu gosto muito do número 1(Humildade), creio que seja fundação para todos os outros!
    Abraço!
    Christian

    • Obrigado pelo comentário Christian!

      Sim, a #1 (humildade) é a fundação para as demais. Uma pena ser a mais ignorada entre elas.

      Abraços!

  • Raul

    Henrique, no meu modo de ver, fazer uma carteira de ações que ganhe do ibov é muito fácil e não é trabalhosa. Se você for pegar uma ETF, existirão empresas obviamente péssimas no bolo, como o caso das empresas do Eike Batista. Com pouca análise no próprio site fundamentus já dá para fazer um filtro bem interessante de boas empresas e, depois de formada a carteira, não precisa ficar analisando constantemente elas. Basta fazer análises anuais ou até em períodos mais longos. Não penso que devamos analisar a carteira com base no mercado, mas com base no retorno da empresa. Se a empresa está cada vez maior, cada vez com melhores indicadores e cada vez dá mais dividendos, pra que vou me preocupar com o mercado? Me desculpe, mas acho que o uso de ETFs e fundos de investimentos revela um sintoma de preguiça por parte do investidor. Gostaria de saber a sua opinião. Você acha mesmo que é difícil e trabalhoso fazer a sua própria carteira de ações, que ganhe do ibov?

    • Oi Raul!

      Embora eu nunca tenha investido nas ações “X”, é fácil falar que elas são piores que o Ibovespa agora, mas durante um bom tempo elas tiveram uma rentabilidade superior.

      Os filtros são interessantes, assim como a análise fundamentalista.

      Porém, existem diversos estudos que comprovam que investir em ETFs não é uma questão de preguiça (inclusive, a maioria dos fundos de investimentos ativos em ações perdem para o Ibov), mas sim de balancear melhor os retornos e riscos da carteira no longo prazo.

      Não existe investimento certo ou errado, apenas o que se adequa melhor para você. Dê uma olhada na parte de livros do blog, que tem referências bem legais sobre investimentos ativo x passivo.

      http://hcinvestimentos.com/livros-de-investimentos

      Abraços!

  • André Mattos

    Henrique,

    Estava sentindo falta de posts com HC.

    Belo artigo!

    Grande abraço.

  • Willian Rudy

    Belo Artigo!!
    Engraçado você ter escolhido os ETF´s, mas pensando bem, pode realmente ser uma boa alternativa.
    Vai limitar seus ganhos, mas limita suas perdas tbm…

  • E R D

    Vai ter a a série alocação de ativos esse ano??

  • Túlio

    Belo artigo Henrique!
    Conheço seu blog há menos de uma semana, e já aprendi muito com suas dicas. O modelo de alocação de ativos se encaixa bem ao meu perfil, por acreditar na pulverização dos investimentos para minimizar riscos sem abrir mão de lucro.
    Sobre esse tema, tenho uma dúvida: caso o valor mensal a ser investido não seja suficiente para aplicar em todos os ativos da carteira, você acha interessante aplicar em cada um (ou quantos for possível de acordo com a disponibilidade financeira) a cada mês, até que o investimento no primeiro ativo se repita?
    Não sei se fui claro e nem se é uma pergunta tola, mas estou iniciando nos investimentos e várias dúvidas surgem, né.

    Abraço e parabéns!

  • ALINE PORTO

    Excelente Artigo Henrique!
    Eu tive algumas conversas com o professor Assaf na época de faculdade e ele me disse algo que acho interessante compartilhar porque levo comigo nos investimentos no mercado acionário:
    “Nunca tente acertar o fundo do poço ou o topo da montanha, é isso que diferencia quem se dá muito bem na bolsa e quem mais quebra a cara do que acerta”.
    Isso soa pra mim como um mantra, sempre que me pego querendo “esperar a maior queda” ou “a maior alta” para comprar ou vender ações.
    Grande abraço

  • Ramiro De Freitas Diz

    Muito bom trabalho Henrique.
    Ainda não desfrutei de todo seu blog pois só encontrei hoje.
    Tem um assunto que me preocupa e gostaria de saber sua opinião a respeito de uma provável “Bolha Imobiliária no Brasil”. Dizem até que construtoras de capital aberto irão fechar capital.
    Poderia escrever sua opinião a respeito?

    Abraços
    Ramiro Diz

  • Daiane Bocchi

    Muito bom! 🙂 Estou adorando. Parabéns por compartilhar seu conhecimento.

  • Paulo Veneroso

    9. Nunca parar de aprender…Muito bom! Gostei também dos exemplos práticos do “Custo de oportunidade”, passei por situações parecidas. Quanto a análise de dados dê uma olhada => http://www.finance-e.com. Abraços!

  • Tiago S.

    Henrique, usando a alocação de ativos e investindo no curto prazo, como retirar parte do lucro e reinvestir o resto?

  • Yuri Y

    Henrique;

    Me identifiquei muito com três lições que na minha opinião são as mais importantes (pelo menos para mim, rs)
    1 – Humildade, 8 – Economia comportamental e 9 – Nunca parar de aprender (eu me recordo do meu professor de economia dizendo que quanto mais tempo dedicamos a leitura sobre economia, mais iremos notar o quão somos ignorante neste meio, e era assim que me sentia frustado, cheguei a ler mais de 50 livros somente no primeiro ano, e parecia que quanto mais estudava, mais me sentia burro), chega a ser engraçado.
    Nesta época da economia, eu cheguei a passar esta “ilusão de superioridade” e infelizmente ainda tenho alguns resquícios de que busco corrigir.

    Constantemente eu me pergunto e paro para refletir se as atitudes que eu faço no dia a dia ou muitas vezes a forma com que me posiciono para expor minha opinião sobre determinado assunto não chega a passar uma falsa humildade. E, por mais incrível que pareça, às vezes, eu falho e feio neste quesito. Então, tente me monitorar diariamente.

    Parabéns pelo excelente artigo.

  • JOEL MARCIO MARTINS SOARES

    Muito Bom Artigo.

  • fernando

    http://www1.caixa.gov.br/acoesonline/custosoperacionais.asp

    o que vc acha da caixa para investir meu aporte seria de r$1000 por mes comecando com 5fIIs e 3etf

  • Élida

    Realmente quando entramos nesses investimentos (ações, tesouro direto, etc) acabamos confiantes demais. Eu, por exemplo, achei que poderia multiplicar meu dinheiro sem esforço, e rápido.

    Sem conhecimento, não somos nada. E por mais que tenhamos 10 mil, 20 mil, nosso dinheiro não vale nada se não soubermos utilizá-lo.

    http://queroinvestirmeudinheiro.blogspot.com/

  • Pingback: Porque valeu a pena fazer preço médio nos últimos 7 anos | Investimento()

  • Nossa, quanto aprendizado, hein Henrique?

    Todas as comparações, os exemplos e as dicas foram perfeitas. Obrigado por compartilha sua experiência.

    Grande abraço!

  • ROGER

    Henrique, vc esta de parabens. Esse seu blog nos ajuda muito. Tanto inexperiente como eu e outros mais experientes…Gostaria de algumas dicas de como pesquisar em sites as informações mais relevantes para se comprar um FII. Conheço o tetzner; li aqui no seu blog; mas ainda tenho muitas duvidas. Se puder me ajudar…agradeço imensamente.
    E.T: Comprei sei ebook sobre alocação de recursos…mais uma vez parabens…estou indicando para amigos. E vou tentar colocar em pratica, por isso quero saber sobre FII.
    Abço.

  • David Malinsky

    Cara,recebi uma herança no valor de r$ 500.000,00,investi no cdi que me rende 0,67% livre ja dos imposto,mas estou insatisfeito,em que outro investimento vç me aconselha.

  • Roberto Fernandes

    Invista em ÍNDICE ALEMÃO, somos a FINANCE INVEST uma empresa de Barretos que estamos a formar UM GRUPO DE INVESTIDORES com perfil agressivo, os investimentos serão em ações nas 30 MAIORES EMPRESA da Alemanha, como por exemplo: Volkswagen, Adidas, BMW, BAYER, SIEMENS, entre outras, conhecida como DAX 30.
    Insira seu E-mail clicando no link abaixo, e após a inserção do seu E-mail confirme a inscrição. Que entraremos tirando todas as suas duvidas.

    http://financeinvest.com.br/landing

    Um abraço e Sucesso nos INSVESTIMENTOS

  • Pingback: 31 Poderosas Dicas Para o Seu Planejamento Financeiro Pessoal()

eBook-alocacao-ativos