Estratégia com Aportes Mensais: Método da Alocação Mínima (MAM)

estrategia-mam

Uma das dúvidas mais comuns dos investidores é:

O que fazer com o aporte mensal?

Se você investisse em apenas um único ativo poderia tentar:

1. DCA: Dollar Cost Averaging

2. VA: Value Averaging

3. MAD: Método dos Aportes Dobrados (ou Crescentes)

A lista poderia continuar, mas (para ser sincero) acredito que nenhum deles aplica-se perfeitamente em uma carteira muito diversificada.

Nós, que praticamos a alocação de ativos, devemos saber qual(is) dos “n” ativos escolher para destinar o aporte mensal.

Neste artigo irei apresentar um método muito simples de aplicar e que ainda tem grande probabilidade de melhorar sua carteira de investimentos.

Já que todos os métodos acima tem nomes definidos e siglas para expressá-los, aproveitei a oportunidade e batizei o método:

Método da Alocação Mínima (MAM)

Analisaremos exemplos em que ele, além de aumentar o retorno, reduziu o risco de uma carteira de investimentos.

Continue lendo para você saber como utilizar de forma eficiente os aportes mensais para otimizar seus investimentos.

Voltando As Origens: Diversificar é Preciso!

De janeiro de 2008 até agosto de 2011, um período de 3 anos e meio, o Ibovespa apresentou um retorno negativo próximo de -10%.

Faço este comentário apenas para reforçar a importância de adotar uma estratégia de alocação de ativos.

Não é qualquer investidor que tem a paciência e disciplina para tolerar perdas em um período superior a 3 anos.

Entretanto, se você já lê este blog há um certo tempo já deve estar convencido da diversificação de investimentos.

E neste artigo veremos como levar a sua carteira de investimentos para um próximo nível.

Estratégia Aportes Mensais: CASO #1 (Dois Ativos | Aportes Semelhantes)

Primeiro, vamos analisar como uma carteira com aportes mensais semelhantes se comportou neste mesmo período [jan/2008 até ago/2011].

Esta carteira apresenta a seguinte alocação: 50% CDI | 50% Ibovespa.

O capital inicial será de R$ 100.000 e os aportes mensais de R$ 1.000.

O capital inicial e os aportes mensais serão os mesmos em todas as simulações.

Conceito de Aportes Semelhantes:

O investidor irá sempre aportar o mesmo capital em nos ativos, não importa qual for a alocação deles.

Nota: Esta carteira apresenta uma diversificação muito pequena.

Ela servirá como base para mostrar mais um dos motivos para não alocar 100% em ações.

Veja abaixo os números desta carteira:

Aportes-Mensais-Caso1-Semelhantes

O retorno anual desta carteira é de 4,46%.

Seu risco anual é de 12,80%.

No período analisado, o retorno total foi de 17,37%.

Bem superior ao retorno total de -10% de quem investiu somente no Ibovespa.

Entretanto, note que esta carteira não recebe aportes mensais de acordo com o MAM (Método da Alocação Mínima).

Logo, não há nenhum tipo de estratégia para equilibrar a carteira.

Pronto para conhecer os benefícios deste novo método?

Estratégia Aportes Mensais: Aplicação do Método da Alocação Mínima

A estratégia é bem simples:

Você simplesmente precisa destinar o aporte para o ativo que estiver com a menor alocação em relação a alocação inicial.

No exemplo com apenas dois ativos é bem fácil visualizar em qual ativo você deve aportar.

Basta analisar qual ativo está com alocação abaixo de 50% e colocar o dinheiro nele.

Com vocês, os resultados:

Aportes-Mensais-Caso1-Alocacao-Minima

O retorno anual desta carteira é de 4,47%.

Seu risco anual é de 12,14%.

No período analisado, o retorno total foi de 17,41%.

Vamos compará-lo com o resultado anterior?

Estratégia Aportes Mensais: Comparação Caso #1

Aportes-Mensais-Caso1-Comparacao

Clique na imagem para ampliar

Olhando rapidamente, os resultados não parecem nada empolgantes…

Afinal, o retorno total aumentou em apenas 0,04%. [17,41% – 17,36%]

O retorno anual aumentou em míseros 0,01%. [4,47% – 4,46%]

O risco anual apresentou uma diferença de apenas 0,66%. [12,80% – 12,14%]

Entretanto, você já parou para pensar que estamos avaliando uma carteira com uma simples diversificação (2 ativos)?

Conforme ressaltei no início do artigo, existem diversos métodos que cobrem de maneira eficiente uma alocação com baixa diversificação.

Entretanto, se você investe em Renda-Fixa, Fundos Imobiliários, Ações, entre outros ativos, os resultados serão bem diferentes.

Quanto diferentes?

É o que veremos nesta nova carteira!

Está gostando desse artigo?

Coloque seu email abaixo para receber novas atualizações do site, assim como nosso curso de investimentos 100% grátis.

Ícone curso Curso 100% grátis!

Junte-se a leitores que recebem as nossas 10 aulas grátis sobre investimentos!

Estratégia Aportes Mensais: CASO #2 (Ampla Diversificação)

Aportes-Mensais-Caso2-Comparacao

Clique na imagem para ampliar

Investindo em 13 ativos de 4 classes de investimentos diferentes os resultados apresentaram uma boa diferença.

O retorno total aumentou em 4,02%.

Considerando uma capital inicial de R$ 100.000, isso significaria R$ 4.020 a mais em sua conta bancária em um período de 4 anos.

Retorno Anual da Carteira: 12,87% x 12,07% [+0,80%]

Risco Anual da Carteira: 6,23% x 6,33% [-0,10%]

E o melhor: sem fazer praticamente nenhum esforço adicional.

Mais uma boa dica de investimentos para você praticar!

Basta calcular qual ativo está com a alocação mínima em relação à sua alocação original e destinar o aporte mensal para ele.

Para saber a alocação mínima em relação à alocação original qual conta devo fazer?

Você não pode simplesmente subtrair a alocação atual da alocação original.

Um exemplo:

Em nossa simulação o CDI tem uma alocação de 45%.

Já o fundo imobiliário FFCI11 tem uma alocação de 2%.

Após um mês a alocação no CDI está em 44%.

No FFCI11 a alocação está em 1%.

Qual destes ativos você deveria destinar o aporte deste mês?

A diferença nominal é de 1% [45% – 44% | 2% – 1%].

Entretanto, a diferença relativa é muito diferente.

-2,22% para o CDI. [44% / 45% -1]

-50% para o FFCI11. [1% / 2% -1]

Logo, você deveria escolher o FFCI11 para receber o aporte do mês.

Importante: Na hora de verificar a alocação mínima não subtraia, mas faça a divisão da alocação original em relação à inicial.

Quais são os fundamentos que sustentam o Maior Retorno e Menor Risco?

Você provavelmente já ouviu falar da frase: “Não há almoço grátis!”

Ela é bastante utilizada para sustentar o argumento de que um maior retorno tende a ser acompanhado de um maior risco.

Entretanto, vimos que o aumento do retorno da carteira (em 0,80%) também foi acompanhado por uma leve redução de risco (-0,10%).

Como explicar este almoço grátis?

Primeiro, é preciso lembrar que nem sempre será desta maneira.

Depende dos ativos que você escolher, do capital inicial, do aporte mensal, do período analisado…

Entretanto, este método mostrou benefício (seja aumentando o retorno e/ou reduzindo o risco) na grande maioria das simulações que fiz.

Vamos as explicações sobre o porquê este método funciona, principalmente no longo prazo:

Quando você investe o aporte mensal no ativo que teve a maior queda de alocação você está realizando um dos princípios básicos dos investimentos:

Comprar na baixa.

Esta estratégia está apoiada na teoria da regressão à tendência e que você pode analisar com mais detalhes no artigo Regressão Linear do Ibovespa.

O retorno tende a aumentar porque (na média e no longo prazo) ativos que caíram mais tendem a subir mais do que ativos que subiram mais recentemente.

O mercado tende a exagerar, principalmente, nos movimentos de queda, garantindo boas oportunidades para aplicar este conceito.

O risco tende a cair porque você está sempre equilibrando sua carteira, evitando grandes diferenças de alocações entre os ativos.

Exemplo:

Um exemplo bem comum para entender esta queda do risco é o seguinte:

Imagine novamente a carteira 50% CDI e 50% Ibovespa, sendo o capital total de R$ 100.000.

Suponha que o Ibovespa apresentou nos últimos 12 meses uma alta de 100% e o CDI de apenas 10%.

Logo, a carteira teria a seguinte alocação: R$ 55.000 CDI [35,5%] e R$ 100.000 Ibovespa [64,5%].

E, justamente quando sua alocação no Ibovespa está quase o dobro da alocação no CDI, o mercado desaba…

Se você utilizasse os aportes mensais para equilibrar a carteira, a alocação em CDI não seria tão baixa, já que você estaria alocando mensalmente mais recursos neste ativo.

Logo, quando a queda da Bolsa vier, sua alocação não estará concentrada em ações.

Diminuir o risco de uma carteira de investimentos, além de escolher ativos mais seguros, está muitas vezes atrelado em equilibrar a carteira evitando que um único ativo apresente uma alocação muito superior aos outros.

Faz sentido?

Então, comece a praticar essa estratégia de investimento já no seu próximo aporte mensal.

Estratégia Aportes Mensais: Fique Atento a Relação Aporte Mensal / Capital Inicial

Em todos os exemplo utilizamos um capital inicial de R$ 100.000 e aportes mensais de R$ 1.000.

E existe um motivo especial para usar estes números.

Note que a relação entre os aportes mensais e o capital inicial é de 1% (1.000 / 100.000).

Se o aporte mensal fosse de R$ 10.000 a relação seria de 10%.

Isso significa que a cada novo aporte você mudaria toda a sua alocação em praticamente 10%.

No caso da alocação 50% CDI e 50% Ibovespa teríamos:

Antes do aporte mensal:

50.000 em CDI (50%) e 50.000 em Ibovespa (50%).

Depois do aporte mensal:

50.000 (45,5%) em CDI. [50.000 / 110.000]

50.000 (45,5%) em Ibovespa. [50.000 / 110.000]

10.000 (9,0%) em Conta-Corrente. [10.000 / 110.000]

Nota: Conta-Corrente é considerado o ativo em que o dinheiro vai antes de ser alocado.

Note como a alocação tanto em CDI como em Ibovespa caiu de 50% para 45,5%. [-4,5%]

Logo, a relação de 10% entre o capital inicial e os aportes mensais modificaria a alocação no primeiro mês em 9%.

Porém, se o aporte mensal fosse de apenas R$ 1.000 teríamos os seguintes valores:

50.000 (49,5%) em CDI. [50.000 / 101.000]

50.000 (49,5%) em Ibovespa. [50.000 / 101.000]

1.000 (1,0%) em Conta-Corrente. [10.000 / 101.000]

Neste caso, o novo aporte fez com que a alocação caísse para apenas de 50% para 49,5%. [-0,5%]

Conclusão: Quanto maior a relação aporte mensal / capital inicial, maior será a influência do aporte mensal na alocação da carteira.

Estratégia de Aportes Mensais: Perguntas Frequentes

1. E se o ativo em que eu destinei o aporte mensal continuar caindo?

Você deve ter em mente que está acumulando um ativo no processo de baixa para que, quando ele subir, você tenha um bom preço médio nele.

2. E se o ativo em que eu não destinei o aporte mensal continuar subindo? Não estou perdendo uma oportunidade?

Você não deve se preocupar com qual ativo irá subir ou cair.

Lembre-se: Você não tem poderes mágicos para saber exatamente qual ativo e o quanto ele irá subir ou cair.

O investidor inteligente deve se preocupar em manter a melhor relação de retorno x risco possível em sua carteira de investimentos.

Com este intuito, é desejado que você utilize os aportes mensais para favorecer os ativos que mais apresentam desequilíbrio em sua carteira.

3. O que fazer com carteiras em que a relação entre o aporte mensal / capital inicial é alta?

Não existe um número mágico para definir uma relação alta.

O que você deve fazer é sempre favorecer os ativos que mais caíram, já que você estaria naturalmente equilibrando a carteira.

Quando a relação entre aporte mensal / capital inicial é alta, destine o aporte mensal para mais de um ativo, com o objetivo em mente de sempre voltar a alocação que você definiu previamente.

 

Baixe a Planilha com os Dados e Gráficos

Todos os dados e gráficos utilizados para elaborar esse artigo você pode baixar clicando no botão abaixo.

download button Hedge: O que é e Como fazer

 

Conclusão

Uma das formas de reduzir o risco da carteira no longo prazo é rebalancear a carteira.

Ou seja, vender um ativo que subiu para comprar um ativo que caiu.

Aplicar esta estratégia constantemente traria muitos custos devido a impostos, corretagens…

Logo, ela deve ser reservada para momentos em que o mercado dá uma grande virada.

Para melhorar a relação entre retorno x risco da carteira sem incluir em altos custos, você pode utilizar o método da alocação mínima para equilibrar sua carteira.

Mensalmente, você vai equilibrando um pouquinho sua carteira.

Os resultados, principalmente no longo prazo, tendem a ser atraentes.

Na próxima vez em que você estiver com dúvidas sobre onde aplicar a poupança do mês lembre-se do Método da Alocação Mínima.

Pequenas atitudes como estas fazem uma grande diferença no longo prazo.

(crédito das imagens: shutterstock.com)

Sobre o autor

Henrique é especialista em alocação de ativos, eleito um dos 5 melhores educadores financeiros do Brasil em 2012/2013. Continue Lendo aqui!

  • Mais um excelente artigo, Henrique!

    Acredito que esse artigo tenha vindo em muito boa hora para aqueles leitores que gostam de/precisam fazer aplicações todos os meses na Bolsa, por conta da isenção da tarifa de custódia que é oferecida em algumas corretoras, caso o investidor realize pelo menos uma orde de compra/venda durante o mês.

    Uma das principais lições que fica para o leitor, a partir da leitura do texto, é a necessidade de cultivar a disciplina como um dos hábitos mais cruciais a serem desenvolvidos.

    Outro fator extremamente relevante é a necessidade de controle de risco, por meio de uma diversificação adequada, que pode perfeitamente ser aplicada dentro de um MAM.

    Concordo plenamente quando você diz que “nenhum deles (VA, DCA, MAD…) aplica-se perfeitamente em uma carteira muito diversificada”. O pequeno investidor às vezes é muito afoito, e quer ficar operando a todo momento, a toda semana, e, se pudesse, a cada dia. Quanto menos o investidor operar no mercado, melhor tende a ser a rentabilidade de sua carteira. Ter critérios objetivos previamente estabelecidos é fundamental para somente fazer investimentos se e quando tais critérios forem preenchidos.

    É isso aí!
    Um grande abraço, e que Deus os abençoe!

    • Muito obrigado pelo comentário amigo!

      É interessante como uma pequena mudança como para onde você destinar seus aportes mensais podem fazer grandes diferenças no longo prazo.

      “Ter critérios objetivos previamente estabelecidos é fundamental para
      somente fazer investimentos se e quando tais critérios forem
      preenchidos”

      Este é o conceito! Muito obrigado por enfatizá-lo!

      Grande Abraço!

  • Major

    Para aportes maiores eu montei no excel uma planilha que já calcula o quanto cada uma das minhas 3 categoria de ativos está distante da meta e quando informo o valor do aporte ele divide proporcionalmente entre os ativos que estão abaixo do planejado. O ativo que esta mais distante recebe proporcionalmente mais do que um que esta menos distante.

    HC, no item 3 do “Estratégia de Aportes Mensais: Perguntas Frequentes” parece que tem uma frase que ficou incompleta.Abraço!

    • Obrigado pela atenção Major!

      Já exclui a frase incompleta….Isso que dá publicar artigos com 2.000 palavras…rsrsrs

      E sua estratégia é ótima.

      Se for na forma de gráfico então, perfeito!

      Grande Abraço!

  • Anônimo

    Otimo artigo, eu utilizo as Ações, Tesouro e FIIs e aporto todo mês e tem dado muito certo!

    abços

    ITM

    • Investidor Defensivo

      Bacana o post!
      Uma hora começo a diversificar mais…rs
      Mas, seguinte. 
      A partir de qual quantia acumulada vc acha que vale a pena diversificar em Tesouro, ETFs e FIIs ? 
      Outra coisa.
      Acho que um fico mais resistente em diversificar mais pq no livro Investidor Inteligente só cita a diversificação entre ações e RF… Não cita nada de imóveis…
      Abs! 

      Investidor Defensivo

      • Olá ID!

        A partir de R$ 10.000 já é possível fazer uma diversifição mais consistente.

        O ideal é sempre manter os custos baixos.

        Evitar que a % deles seja maior do que 1%.

        Logo, se a corretagem é de R$ 10,00 você deve alocar no mínimo R$ 1.000,00.

        Como regra pessoal tento manter os custos inferiores a 0,5%.

        A parte de imóveis você pode diversificar através dos fundos imobiliários.

        Abraços!

        • Investidor Defensivo

          Valeu pela resposta HC!
          Só 10 mil ? Vc tá querendo ver FIIs na minha carteira mesmo viu! rs
          Acho que um dia vc vai conseguir.  Este mês acho que não vai dar. A SMAL11 esse mês está com uma MEGA PROMOÇÃO, Já caiu -7,19%. rs! 
          Não posso perder essa promoção.rs

          PS: Claro que vou querer dica sua de algum FII ! rs
          abs!

          • Por coincidência já estou programando meu aporte mensal para ir justamente para SMAL11! =)

            Abraços!

        • Nepsb11

          HC, como investir em dolar/ouro com custos tão baixos? 

    • Que ótimo ITM!

      Abraço!

  • Fábio Freire

    Parabéns, como sempre muito esclarecedor! Já aprendi muito aqui e vejo que ainda tem muito material para aprender ainda mais.

    Estou com uma dúvida que não consegui encontrar a resposta ainda. Sei que a minha busca ainda não foi suficiente, mas essa você deve saber de bate-pronto: existe lote/fracionário na compra de FII’s? Ou é um mercado só, podendo comprar 1,2,3…n unidades do FII?

    Estou iniciando meus investimentos, e planejei investir R$ 1000,00/mês em ETF’s (50%) e Tesouro Direto (50%). Não sei se com esse valor já seria interessante colocar também FII’s nessa alocação. Em breve, creio eu, terei mais capital disponível para aportar por mês, e aí sim acredito que seria mais adequado. Concorda?

    Abraço!

    • Andrelpaixao

      Fábio, não existe mercado fracionário para os FII, você pode comprar a quantidade que desejar desde apenas 1 cota a n cotas.

      abraços

      • Obrigado pela resposta Andrelpaixao!

        É isso mesmo. Você pagará corretagem cheia comprando 1 FII ou 100 FII ou 1.000 FII.

        Não existe mercado fracionário.

        Abraços!

    • Olá Fábio!

      Com este valor ficaria um pouco mais complicado incluir FIIs por conta dos custos.

      Se a corretagem for de R$ 10,00 e você investir R$ 1.000,00 estará pagando 1% somente de custos.

      Eu uso este 1% como valor máximo para limitar custos.

      Se você dividir R$ 500 em ETFs e R$ 500 em FII teria 2 corretagens.

      Logo, R$ 20,00 sobre os R$ 1.000,00 investidos. 2% somente de custos.

      Com mais capital, você poderá investir em mais ativos!

      E parabéns pod já pensar em diversificar logo cedo. 🙂

      Grande Abraço!

      • Fábio Freire

        Muito obrigado pela explicação!

        Realmente limitando os custos a 1% da operação é interessante. Já tinha lido a respeito em algum outro lugar, o que agora você confirmou.

        Estive estudando os FII’s pelos artigos que você postou aqui. Baixei sua planilha de cálculo do preço justo e fiz alguns ajustes para poder calcular de todos os FII’s disponíveis.

        Notei que vários fundos que apareciam no site fundoimobiliario.com.br, deixaram de aparecer. E também outros que andei analisando e que pelos dados no site da Bovespa, estão com preços interessantes (seguindo o cálculo que aprendi aqui) e não estão listados no site fundoimobiliario.com.br.

        Quais são os critérios que o site utiliza para selecionar os FII’s a serem analisados?

        Abraço!

        • Olá Fábio!

          Optamos por retirar apenas os fundos de recebíveis da lista.

          O critério é basicamente liquidez e número de negócios no mês.

          Cuidado na hora de precificar estes ativos porque a margem de incerteza é muito maior do que em um fundo imobiliário tradicional.

          A única salvação para eliminar as incertezas é a diversificação.

          Grande Abraço!

  • Jônatas R. Silva

    Henrique,

    Excelente esta visão: aportar
    mensalmente no ativo de maior queda. Agora poucos efetivamente conseguem fazer
    isto, é antinatural colocar dinheiro em algo que está indo mal.

    Um cuidado a se tomar é a
    verificação se a queda do ativo foi por fatores econômicos que afetam todo o
    setor ou a empresa, em caso de ações individuais, está quebrando. Em nada
    adianta eu fazer aportes em empresas ruins. Uma boa alternativa seria o aporte
    em ETF.

    Agora a diversificação em tantos
    ativos para quem investe pouco dinheiro é complicada. Como já escrevi
    recentemente, considero uma boa diversificação, a dupla: TD + ETF.

    Como sempre, artigo da mais alta
    qualidade meu amigo.

    Abraço!

    • Excelente comentário amigo!

      Concordo totalmente com você.

      Para quem tem pouco capital a dupla TD + ETF é a melhor opção na maioria dos casos.

      E nada de empresas individuais.

      Senão você poderia ficar aportando em uma empresa que está a beira da falência.

      Mais um motivo para investir no índice através de ETFs e garantir maior segurança, além de saber onde colocar seus aportes mensais.

      Obrigado pela participação no blog!

      Grande Abraço!

  • Anônimo

    Recorrendo aos companheiros de blog, antes de tomar uma decisão,

    Uma dúvida ,
    Vale a pena comprar um imóvel na planta que esta sendo vendido a 112 mil a prazo por 90 mil a vista, sendo que os 90k seriam financiados a 0,7% ao mês?  A idéia é alugar o imovel até que ele sofra uma boa valorização de até uns 130K e em seguida vende-lo quitando o financiamento.

    abços

    ITM

    • Olá ITM!

      Primeiramente, todo investidor deve apenas investir no que tem real conhecimento sobre o assunto.

      Eu, por exemplo, não tenho conhecimento neste ramo de revender imóveis, mas conheço pessoas que tem experiência para tal modalidade.

      Entretanto, gostaria de fazer algumas observações:

      Você considera o fato do imóvel simplesmente perder valor após a compra?

      E se ele não valorizar até os 130k como imagina?

      E você não conseguir alugá-lo como imagina?

      E se o inquilino se não pagar os aluguéis corretamente?

      Você está incluindo todos os custos que estão ligados a este investimento?

      Até mesmo o custo oportunidade de poder estar fazendo algo diferente?

      São perguntas que você tem de ter respostas prontas antes de investir.

      Se não tiver, você pode estudar melhor a modalidade de investimento ou investir no que você realmente conhece.

      Você pode investir em títulos públicos…

      fundos imobiliários…

      ETFs…

      Invista sempre nos ativos em que você se sente um pouco mais seguro e, principalmente, conhece os riscos e sabe o que fará no caso de um evento improvável…

      Eles acontecem…e é bom estarmos sempre preparados para o pior.

      Grande Abraço!

      • Anônimo

        Obrigado pela dica e na verdade realmente o que vai acontecer depois da compra é uma incógnita (valorização, inquilino…) e normalmente costumamos pensar mais nos prós e muita das vzs deixamos os contras de lado.

        abços

        ITM
        http://investindo-todo-mes.blogspot.com/

        • Eu que lhe agradeço pela participação ITM!

          Aprendi nestes meus 4 anos de mercado que o importante é você avaliar todos os cenários possíveis e esperar o pior.

          Eles não irão ocorrer sempre, mas quando ocorrerm…é um inferno.

          Estar preparado de antemão para eles é uma atitude inteligente e que garante toda a tranquilidade para continuar tomando sábias decisões!

          Abraços!

  • Pingback: [Bolsa] Saudade dos vermelhinhos!? Me too! =)) « Valores Reais()

  • Marcia Sousa

    Ola Henrique, apesar de vir acompanhando teus artigos ha algum tempo ainda nao consegui diversificar e organizar meus investimentos como tenho visto nas carteiras ( tenho acoes, poupanca e fundo de renda fixa). Comecei a investir no tesouro direto e tenho uma duvida: se eu comprar uma cota que vai vencer apenas daqui a 5 anos e precisar do dinheiro antes vou perder muito? E ao contrario, se comprar uma que vai vencer no ano que vem tambem vou perder? E facil vender ou ha muita burocracia? Obrigada, um abraco.
    Marcia

    • Olá Marcia!

      Você pode perder dinheiro no curto prazo com títulos pré-fixados (LTN) e indexados a inflação (NTN-B).

      Com um vencimento em 5 anos do título você só irá perder muito se as taxas subirem bastante (Mais de 2% por exemplo).

      Entretanto, se você levá-los até o vencimento terá a taxa contratada no momento da compra.

      Você pode vendê-los antes do prazo apenas nas quartas-feiras no próprio site do Tesouro Direto. É tranquilo de fazer esta operação. Tudo online mesmo.

      Grande Abraço!

      • Marcia Smartins

        Obrigada pela informação! Um abraço

  • Echgouguiminv

    Olá! nunca pensei em investir por um motivo simples: não tinha dinheiro pra isso!!
    Recentemente consegui poupar R$ 25.000,00 e comecei a pesquisar diversos investimentos que podem me render mais que a poupança. Estou pensando em investir R$ 11.000,00 em imóveis (terreno), R$ 5.000,00 em ações, R$ 5.000,00 em TD e o restante deixar na poupança mesmo, caso apareça alguma emergença. Contudo, ainda estou meio resistente ao investimento em ações e TD, pois no primeiro todos sabem como andam atualmente e o segundo há incertezas também, por exemplo: se investir uma quantia em NTN-B e a taxa Sellic subir (o que provavelmente vai acontecer) posso ter um perda significativa, por isso estou muito em duvida e gostaria de um toque.

    Obrigado e aguardo resposta!

    Guimarães.

    • Fabriciokoch

      No NTN-B voce nao perde dinheiro se a selic subir ou baixar. No final do prazo, voce vai receber exatamente a taxa acordada no momento da compra + a inflação do periodo.
      Voce so vai perder no seguinte caso: selic aumentar e surgir a necessidade de voce se desfazer dos papeis antes do prazo acordado.

      Ou seja, se vc consegue segurar os papeis ate o fim do prazo voce nao vai perder dinheiro, pode apenas deixar de ganhar mais. O que não é tão grave assim.

      Espero ter ajudado.

      • Exatamente!

        Obrigado pela colaboração Fabricio.

        Para contabilizar rentabilidades sempre utilizo o parâmetro de marcação a mercado (mark to market).

        Utilizando este método é possível avaliar os ativos mais depreciados atualmente em uma carteira.

        Porém, o que interessa mesmo é saber se o investidor irá levar os títulos até o vencimento ou não.

        Abraços!

        • Rodrigo Machado

          Você utilizar esse método também para Tesouro Direto? Tem visto resultado? Li sua forma de alocar e achei interessante, fazer isso no Tesouro Direto. Será que é interessante?

    • Olá Guimarães!

      Você já leu nossos artigos sobre fundos imobiliários?

      Eles oferecem diversas vantagens sobre os imóveis.

      Pode ser uma alternativa interessante para sua carteira.

      Abraços!

  • Mantuan

    Henrique, o Alexandre Póvoa, no livro ‘Mundo Financeiro’ dedica um capítulo a esta estratégia de alocação de ativos, realizando aportes nos ativos de maior queda percentual em relação a alocação inicial. É interessante ver como a estratégia realmente gera um ganho de patrimônio.

    • Olá Mantuan!

      Interessante! Não conhecia o livro.

      Já li o “Valuation” do mesmo Alexandre Póvoa.

      A experiência que você teve com o livro foi positiva?

      É um livro para iniciantes ou investidores experientes?

      Abraços!

      • Léo

        Henrique, o que achastes do livro Valuation do Póvoa? Estava dando uma olhada sobre o tema e fiquei na dúvida se valia a pena comprar esse ou um livro gringo…

  • Erico Bastos

    Henrique,
    a 3 anos faco exatamente essa alocacao de ativos!
    no meu caso comecei da seguinte forma…

    50% TD
    10% VALE5
    10% PETR4
    10% BBDC4
    10% CMIG4
    10% USIM5

    Problemas que tive no meio do caminho
    (1) Usiminas caiu, caiu, caiu e segue caindo!! E eu cada vez aportando mais e mais nela… chegou uma hora que exclui ela da alocacao e nao compro mais!! nestes casos o que seria interessante fazer?
    (2) Petrobras, praticamente mesmo caso da Usiminas, um pouco menor a queda mas bem acentuada!!

    (3) O valor que o TD informa no extrato de valorizacao nunca representa exatamente o valor que voce tem… pois se voce carregar o titulo ate o vencimento, as oscilacoes dos titulos que podem ser por exemplo -2% num mes e 3% no outro mes nao valem de nada, pois voce teoricamente por vender no vencimento do titulo nunca tem rendimento negativo mensal, e tb nunca tera algo como 3% ao mes, considerando o prazo total do titulo dividido pelo numero de meses!! Logo como calcular a alocacao aqui? Alguma sugestao?

    (4) Resolvi adicionar ativos na cesta de ativos… no caso GFSA3 e COCE5! Como fazer? ate hoje nao sei… simplismente nao coloquei na mesma cesta! rs rs fiz uma segunda sendo 50% para cada uma dessas novas! como voce faria?

    Parabens pelo blog! Sucesso!
    ABs
    Erico

  • Muito bom texto HC!
    .
    Artigo bem organizado e esclarecedor! Bacana!
    .
    Abcs
    .
    P.S.:E setembro foi punk hein. Portfolio fechou no negativo. Vamos ver como vai ser outubro.

    • Obrigado Willy!

      Estatisticamente estes 3 meses (Agosto, Setembro e Outubro) são os piores meses para ações…Mas isso não quer dizer muita coisa…rsrsrs

      Confesso que gosto desse período de turbulência.

      É como um teste para mim.

      Testar minha filosofia de investimentos.

      E confesso que estou muito feliz com minha postura e com os resultados.

      No momento, adicionando um pouco de SMAL11 a carteira! 🙂

      Abraços!

      P.S. Parabéns pelo seu tópico com as duas carteiras. É muito animador ver sua disposição na atualização, que é sempre impecável!

  • Caro HC,

    Há algumas semanas descobri o seu blog e o que tenho me perguntado é: porque não o descobri antes?! Acredito que tudo vem em seu devido tempo. Comecei o blog http://www.psicologiaeinvestimentos.blogspot.com.br/ no ano passado. Tenho tentado abordar as questões da psicologia econômica, mas enquanto psicólogo, escrevo como um administrador ou economista…

    Tudo que leio em seu blog, sem excessão, é de ótima qualidade e numa linguagem acessível e não “economiquês”.

    Estou na sétima lição do MiniCurso e estou adorando.

    Keep on the good work!

  • Rg007

    Será que você poderia compartilhar essa planilha para a carteira de investimentos ? 🙂

  • Carlos Eduardo

    Henrique, no seu livro você defendia uma constância de 20% alocado em FII. Hoje, 2 anos depois, a porcentagem continua a mesma ou há indicação de se elevar o aporte na carteira?

  • Pingback: O que é rebalanceamento de carteira e por que ele é tão importante?()

  • Pingback: O que é rebalanceamento de carteira e por que ele é tão importante? | Economia de forma rápida e descomplicada()

  • Olá

    a questão de alocação de ativos esta entendida, no entanto, a de aportes mensais não.

    Pelo que entendi a ESTRATÉGIA COM APORTES MENSAIS:METODO DE ALOCAÇÃO MINIMA(MAM)
    é a mais recomendada e efetiva, no entanto a minha duvida é a seguinte:

    se definimos que temos na cateira
    LTN
    LTF
    NTB-BPrincipal
    Fixx11
    Bova11
    Smal11

    e que esta alocado a um perfil conservador , ou seja, 60-20-20 entendo que se vou depositar no final do mes a quantia de R$ 2000,00 reais devo distribui-lo proporcionalmente ou seja dividir meu R$ 2000,00 reais e comprar todos os ativos porém de forma proporcional para equilibrar a carteira novamente, ou seja, vou comprar os 6 ativos da minha carteira todos os meses, é isso mesmo?????

    por favor me exolique melhor esta questão por favor ?

    • Celio Mansini

      Entendi de outra forma.
      Você atualiza os valores que já tem aplicados no momento anterior aos aportes mensais e então verifica se o perfil está sendo respeitado: 60-20-20 por exemplo. Quem não atingir a porcentagem estipulada recebe o aporte, equilibrando a carteira.
      Seria isso? Alguma Luz?

  • Tiago Fernandes Ribeiro

    Em outro artigo vc disse que era possível começar investindo R$1000, sei que é pouco, mas é o ínicio, começaria com RF e ETF mas e quanto ao aporte, não entendi muito bem! Teria que ser em qual porcentagem em relação ao investimento inicial? POderia me explicar?

  • Neto

    Caro Henrique, para quem tem aportes mensais baixos e capital inicial abaixo de 10 mil, vale a pena investir em renda variável (ainda que seja em ETF)?

    Em Renda fixa vou investir em CDB/títulos públicos, ou talvez só títulos públicos (selic, ipca e um prefixado). No Blog do Rafael Seabra vi uma sugestão de 80% investido em renda fixa dessa forma e 20% em renda variável, tendo em vista um perfil conservador.

    Ocorre que, sendo o capital inicial e aporte mensal baixos, compensa fracionar tanto um dinheiro que já é pouco? Melhor dizendo: A partir de que valor inicial/mensal vale a pena investir em BOVA11?

  • Daiane

    Como determinar o risco de uma carteira de investimentos?

  • Bárbara Balzana Mendes Pires

    Henrique, na sua planilha vc mostra investimentos com rentabilidade de 11,5%. Que investimento é esse?
    Gostei muito do seu site e baixei o e-book para ler agora.

eBook-alocacao-ativos