Carteira de Investimentos: Estratégias e Resultados [Nov/2011]

carteira-investimentos-2011

Bem-vindo a atualização de novembro da série carteira de investimentos!

atualização do mês de outubro mostrou um forte avanço das carteiras de investimentos dado a alta de 11,49% do Ibovespa.

Neste mês de novembro o cenário novamente se inverteu e tivemos novas baixas..

O Ibovespa apresentou baixa de -2,51%.

Entretanto, a média das carteiras de investimentos não acompanhou o mau humor do mercado, com alta de 0,31%.

Como de costume, analisaremos os seguintes tópicos ao longo do artigo:

  1. A alocação de classes das 15 carteiras de investimentos
  2. As 10 maiores alocações de cada carteira
  3. Rentabilidade de todos os ativos no mês atual
  4. Rentabilidade [e Risco] de cada carteira de investimentos.
  5. Carteira Destaque do Mês

Prontos para a leitura? Vamos lá!

Carteira de Investimentos: Relembrando as Carteiras

Sabemos que o sucesso de uma estratégia de investimentos tem grande relação com a alocação de ativos de uma carteira.

Logo, vamos relembrar como cada carteira foi montada no início do mês de julho:

Carteira-de-Investimentos-Classes-de-Ativos

Clique na imagem para ampliar

A média destas 15 carteiras apresenta a seguinte alocação:

1. [1,14%] Conta-Corrente (CC)

2. [42,86%] Renda-Fixa (RF)

3. [14,43%] Fundos Imobiliários (FII)

4. [6,57%] Câmbio

5. [35,00%] Ações (Bolsa)

Uma ótima alocação de ativos na minha humilde opinião.

Carteira de Investimentos: 10 Maiores Alocações das Carteiras

Além de visualizarmos a alocação em cada classe de investimentos podemos ver quais são os 1o ativos com maior participação em cada carteira:

Carteira-de-Investimentos-10-Maiores-Ativos

Clique na imagem para ampliar

Este tipo de análise nos ajudam a identificar carteiras com alta concentração, estando pouco diversificadas.

Além disso, é interessante notar que o ativo preferido das 15 carteiras é a LFT com vencimento em 2015.

Ela aparece na média com uma alocação de 18,53%.

No relação large caps (BOVA11 e PIBB11) x small caps (SMAL11), temos que a alocação em large caps (~26%) é 2x maior do que small caps (~13%).

Carteira de Investimentos: Rentabilidade dos Ativos no Mês

Rentabilidade-Ativos-Novembro-2011

Analisando cada classe de investimento:

  • Renda-Fixa

A queda das taxas de juros futuras continua favorecendo os títulos públicos pré-fixados e indexados à inflação.

Novamente, os títulos mais favorecidos foram aqueles com maior duração. Ou seja, com vencimento mais longo.

Saber calcular o retorno líquido dos títulos públicos pode lhe ajudar na tarefa de descobrir qual títulos está mais atrativo no momento.

Quem garantiu LTNs com taxas acima de 13% e NTN-Bs com taxas acima de 6,75% tomou um ótimo passo para seu futuro financeiro.

Entretanto, se você ainda investe 100% em ações e não aproveita oportunidades como esta leia este artigo sobre como é importante diversificar além de uma única classe.

  • Fundos Imobiliários

O mês de novembro não foi muito bom para os fundos imobiliários.

Apesar da queda recente da Selic, a atratividade dos fundos imobiliários ainda não se concretizou na visão dos investidores.

A dispersão do retorno dos fundos imobiliários é excelente exemplo para lembrar a todos investidores que a diversificação nos fundos imobiliários não é uma opção, é uma  obrigação.

Infelizmente ainda não há um ETF (Exchanged Traded Fund) para os fundos imobiliários.

Portanto, como regra de bolso, é recomendável escolher pelo menos 5 fundos.

Lembre-se do benefício entre diversificar dentro de uma própria classe, conforme ressaltei no artigo sobre estratégias de investimentos.

  • Câmbio

A volatilidade nos ativos cambiais está alta, alternando-se entre altas subidas e descidas.

Em setembro apresentaram uma forte alta.

Em outubro devolveram boa parte desta alta, com perdas em torno de -5%.

Neste mês, voltaram a apresentar resultados positivos, com fortes altas.

Destaque para o Ouro e Dólar que obtiveram rentabilidade de 8,77% e 7,25% respectivamente.

  • Bolsa

Depois de subir 11,49% em outubro, o Ibovespa voltou a apresentar perdas.

Sua rentabilidade em novembro foi de -2,51%.

Para alguns investidores um balde de água fria para acalmar os ânimos que estavam afoitos com a rentabilidade de 11,49% do mês passado.

O destaque negativo para o mês é do ETF SMAL11, que segue o índice de small caps, com rentabilidade de -4,04%.

Nos últimos 3 meses o Ibovespa vem tirando a vantagem dos Small Caps, estando agora praticamente empatados em rentabilidade nos últimos 12 meses.

SMAL11-x-Ibovespa

fonte: guiainvest

Carteira de Investimentos: Rentabilidade das Carteiras

  • Rentabilidade Mensal

Rentabilidade-Investidores-Novembro-2011

A média das carteiras de investimentos apresentou uma rentabilidade de 0,31%.

Apesar do desempenho negativo de -2,15% do Ibovespa no mês, apenas 5 das 15 carteiras obtiveram resultado negativo.

As duas melhores carteiras foram “MK” (1,36%) e “BF” (1,22%). Por sinal, as duas carteiras mais conservadoras de nossa análise.

  • Rentabilidade Acumulada

Rentabilidade-Acumulada-Investidores-Novembro-2011

Na tabela acima temos a evolução da rentabilidade acumulada, mês a mês.

Na média, as carteiras apresentam uma rentabilidade acumulada de 0,88%.

Apenas para comparação, o Ibovespa obteve rentabilidade de -8,89% e o CDI de 4,81%.

  • Ranking Rentabilidade Acumulada

Rentabilidade-Acumulada-Investidores-Ranking-Novembro-2011

Na tabela acima temos o ranking da evolução da rentabilidade acumulada, mês a mês.

A carteira “MK” continua firme e forte na liderança com retorno de 5,21%, seguida pela carteira “BF” (4,65%).

Será que teremos alguma surpresa neste ranking no mês de Dezembro?

Relação Retorno x Risco

Compilando os retornos diários dos 27 ativos para as 15 carteiras de investimentos foi possível saber o retorno e risco anual de cada carteira.

Os dados não são estatisticamente significantes, já que temos apenas 5 meses de dados diários.

Porém, já dão uma visão da importância da diversificação.

Rentabilidade-Retorno-Risco-Nomvebro-2011

Clique na imagem para ampliar

A principal conclusão que podemos tirar do gráfico acima é a seguinte:

A maioria das carteiras obtém uma relação retorno x risco melhor do que a carteira simulada 50% CDI | 50% Ibovespa.

Este número pode não parecer tão importante, mas ele é extremamente importante.

Veja o porquê:

1. Diversificar entre várias classes de investimentos (RF, FII, Câmbio e Ações) ajuda a melhorar a relação retorno x risco.

2. É preciso diversificar dentro da própria classe de investimetnos.

Exemplo em Renda-Fixa: Investir em títulos indexados a Selic, pré-fixados, indexados à inflação. Variar na duração dos títulos…

Note ainda que as carteira “MK” e “BF” estão com um retorno acima do próprio CDI nestes 5 meses.

Mesmo com o Ibovespa caindo quase -9% neste período.

Ter conhecimento sobre a relação retorno x risco dos ativos e de como funciona uma estratégia de alocação de ativos é um grande benefício para garantir a você melhores resultados e maior segurança financeira.

Carteira de Investimentos: Destaque do Mês

A carteira destaque do mês é uma forma de mostrar na prática o benefício da alocação de ativos.

Afinal, esta série que engloba 15 diferentes carteiras de investimentos tem exatamente este objetivo:

Mostrar a todos a importância da alocação de ativos e diversificação de carteiras na prática e com dados reais.

Pronto para conhecer o destaque do mês?

Rentabilidade-Destaque-Nomvebro-2011

Clique na imagem para ampliar

A carteira “MK” teve uma rentabilidade surpreendente de 1,36% em outubro.

Sua escolha foi baseada nos próprios números de retorno x risco.

Ela é a carteira que apresenta o maior retorno e o menor risco!

Neste mês a queda de -2,51% do Ibovespa teve um pequeno impacto na carteira total, de -0,17%.

Este número é obtido através da multiplicação dos 8% alocados em ações (5% em PIBB11 e 3% em SMAL11) pelo retorno de -2,18% das ações.

O retorno do câmbio por si só já era suficiente para neutralizar esta queda de -0,17% do total da carteira.

Com 5% alocados em câmbio (5% em Ouro) tiveram uma rentabilidade de 8,77%, garantindo um retorno de 0,44% (5% * 8,77%) do total da carteira.

Apresento estes números para reforçar o conceito de diversificação.

Conclusão

O ano de 2011 caminha para mais um ano de baixos resultados para o Ibovespa.

Nos últimos 5 anos a rentabilidade anual do índice é de 5,20%.

Uma rentabilidade anual inferior a poupança, de 7,37%.

Volto a repetir:

Diversificação tornou-se uma obrigação e não mais uma opção…

Acompanhe esta série sobre carteira de investimentos e observe na prática como a ampla diversificação produz resultados mais sustentáveis no longo prazo.

(crédito das imagens: shutterstock.com)

Sobre o autor

Henrique é especialista em alocação de ativos, eleito um dos 5 melhores educadores financeiros do Brasil em 2012/2013. Continue Lendo aqui!

  • HC parabéns pelo blog tem feito um ótimo trabalho, depois que conheci a alocação de ativos no seu site, investir ficou muito mais prazeroso…

    Grande abraço!

    • Que ótimo Willians!

      Posso dizer o mesmo. Depois que conheci a alocação de ativos investir passou a ter todo o sentido.

      Ficou mais fácil entender o porquê dos resultados da carteira e o que eu deveria fazer em cada cenário no mercado.

      Mas o melhor mesmo foi o tempo economizado. Nada de ficar grudado no computador acompanhando gráficos em tempo real ou notícias…

      Alocação de Ativos é a Oitava Maravilha do Mundo! 🙂

      Abraços!

  • Breno

    Não é possível!! Achei que esse mês eu ia ficar na frente…fazer o que, to aprendendo com os erros da minha alocação.

    Minha última esperança é o “Rali de dezembro” me ajudar, dado que tenho uns 10% a mais de Bolsa que o MK!

    Vamo que vamo…

    Abraços,

    Breno (BF)

    • Olá Breno!

      Não sei se você está se referindo à sua alocação aqui na série ou da vida real.

      Se for aqui saiba que os resultados estão excelentes!

      Sinceramente, acho difícil passar o MK em dezembro com sua alocação, mas a esperança é a última que morre não é mesmo?!

      Abraços!

  • MarcoK

    Carteira MK continua firme e forte … Só falta mais um mês!
    Mas na realidade o importante é estar batendo a SELIC, mesmo com toda esta turbulência.Por outro lado Breno, a partir do resultado do  Brasileirão vemos que o problema não está na alocação da sua carteira …  😀 

    • rsrsrs

      MK, pela situação atual do mercado e pela alocação de sua carteira eu já me arriscaria a entregar o título para você.

      Mas, assim como no futebol, o jogo só termina quando o juiz apita e, antes disso, tudo pode acontecer…

      Parabéns por estar batendo o CDI e pela carteira com melhor índice sharpe.

      Abraços!

  • Breno Medeiros

    Sei não… o mês de dezembro costuma surpreender. Pode ser que o título não fique nem com MK, nem com BF.

    Não vejo a hora de ter a minha carteira participando também. Cadê 2012 que não chega?!

    • MarcoK

      Não me importa muito caso uma ou mais carteiras tenham rentabilidade maior que a carteira MK. Para mim rentabilidade não é o mais importante, mas sim o risco que se toma para chegar nesta rentabilidade.  

      • Na análise final me lembrem de publicar o índice sharpe de todas as carteiras.

        Ele resolverá a questão do retorno x risco.

        Abraços!

    • rsrsrs

      Quase lá Breno!

      Abraços!

  • Mais um excelente artigo!

    A diversificação está se mostrando fundamental particularmente em duas classes de ativos: renda fixa e fundos imobiliários. Quem firmou posição nos prefixados tende a ter uma rentabilidade superior a quem estiver 100% posicionado em LFT ou fundos atrelados ao CDI.

    E, no caso dos fundos imobiliários, parece ter eclodido uma “crise de confiança” em relação a alguns fundos administrados pela BM, por conta do contágio do efeito “NSLU11B”, que é, sem dúvida, um dos destaques negativos do ano em investimentos.

    No mais, parabéns ao MK pelo excepcional desempenho e carteira solidamente diversificada, que acertou na mosca na escolha dos ativos!

    É isso aí!
    Um grande abraço, e que Deus os abençoe!

    • Olá Guilherme!

      Como sempre valiosos comentários que resumem muito bem a atual situação.

      Os fundos imobiliários parecem ter empacado devido aos recentes casos…

      As incertezas aumentaram.

      Com isso, nós investidores precisamos de 2 coisas:

      1. Diversificar mais.
      2. Rezar para um ETF de FII logo logo.

      Abraços amigo!

      • marcelo – sp

        henrique: primeiro, obrigado pelo site!
        quanto aos FII, não compartilho dos “receios” que muitos expressam.
        considero excelente opção de investimento, especialmente em função do DY e da isenção de IR para os rendimentos — o “faz-me rir”.

        Entretanto, é evidente que o investidor prudente deve estudar os fundos antes de botar o dinheiro.

        O NSLU nunca me interessou por se tratar de fundo com um único inquilino… Assim é o caso de outros fundos negociados na bolsa. Não compro!

        Também não entro em oferta inicial, porque não consigo avaliar a qualidade do fundo. Opto pelos fundos negociados em bolsa, com bom DY (cerca de 0,7% acho satisfatório), com diversidade de imóveis e inquilinos.

        Outra coisa: fujo de fundos que investem em papéis securitizados…. não entendo e, portanto, não entro!

        Para mim, fundo imobiliário é alternativa ao investimento em imóvel para aluguel. FII permte investimento de menor valo, com mais liquidez e isenção de IR.

        Assim, minha carteira hoje é: FFCI, HGRE, HGBS, HGJH, BBVJ, FLMA.

  • Augusto Rodrigues

    HC,

    Tenho muito receio de fazer essa lance de alocação de ativos, dada a minha inexperiencia nesse em investimento.
    Tem algo mais interativo (videos no youtube, por exemplo) ou livros para iniciantes, que mostre o básico com exemplos práticos ?

    Ah.. parabens pelo site.

    • Olá Augusto!

      Infelizmente não existe (ainda) material de qualidade no youtube ou livros sobre o assunto.

      E é aí que eu pretendo focar em 2012.

      Enquanto isso, sugiro visitar a nossa página sobre carteiras de investimentos para acompanhar mês-a-mês como as carteiras se comportaram.

      http://hcinvestimentos.com/carteira-de-investimentos/

      Você ainda poderá saber como em 2010 eu consegui um bom resultado com baixo risco.

      Abraços!

      • Breno Medeiros

        Henrique,

        Está mais do que na hora de sair o seu livro.

        Sugiro que ele venha impresso ou também impresso. Nada contra os e-book’s, mas não é todo mundo que tem paciência pra ler em uma tela de computador ou de um tablet. Não falo nem por mim, que li o seu site todo, mas estou pensando numa maior divulgação de conhecimentos sobre educação financeira no Brasil e de um conteúdo único que o seu site aborda.

        Parabéns e boa sorte em 2012!!!!

        • Obrigado Breno!

          Vou pensar com carinho na sua proposta.

          E obrigado por revirar o site inteiro! 🙂

          Às vezes eu volto em um post antigo e atualizo ele para melhorar as ideias que busquei expressar e não estavam muito claras.

          Abraços!

          • Breno Medeiros

            Sugiro inspiração no livro A ÁRVORE DO DINHEIRO, do Doutor em Finanças
            Comportamentais Jurandir Sell Macedo Júnior, publicado na Coleção Expo Money.

            É
            um livro introdutório sobre finanças pessoais muito bem escrito e que em minha
            opinião vai além dos demais que já li, pois aborda as finanças modernas, sugere
            a diversificação da carteira e calcula os riscos dos investimentos em ações.

            Mas o
            trabalho desenvolvido pelo site HC Investimentos acrescenta em muito para uma
            abordagem nas finanças pessoais que ainda não havia visto: a análise do risco x
            retorno de uma carteira composta por ativos dos mais variados tipos (ações,
            títulos públicos e privados, câmbio e fundos imobiliários). Também não vi
            ninguém discorrer sobre fundos imobiliários em livros.

            Bem, se eu estiver
            errado em alguma colocação, por favor, me corrijam e caso exista literatura
            impressa em português no Brasil, por favor, me indiquem.

    • LLJ

      Rodrigues bom dia, meu amigo claro que quanto mais fontes de informação tivermos será melhor, porém, neste deserto que temos no Brasil de material informativo para nós iniciantes um dos maiores oásis é o HC Investimentos, é só ver o grande número de comentários que tem em cada postagem do grande Henrique, ele é o cara tenha certeza… ele sabe das coisas.
      Abraços.

  • Anônimo

    Parabéns pelo trabalho que tem feito HC, ano que vem que já esta logo ali,, gostaria de colocar minha carteira também!

    Abços
    ITM
    http://investindo-todo-mes.blogspot.com/

  • MarcoK

    Henrique, já que o pessoal está falando nas carteiras do próximo ano. Caso tenha, talvez seria interessante se fosse possível alterar a composição das carteiras de tempos em tempos. Assim acho que na tentativa e erro as pessoas iriam aprendendo como construir uma carteira da melhor forma possível compatível com o perfil da pessoa.

    • Olá Marcok!

      No ano que vem podemos fazer essa mudança no meio do ano, após 6 meses. Parece justo?

      Por mim eu liberaria todas as opções possível.

      Mas é preciso lembrar que sou eu (e apenas eu) por trás da coleta e análise de todos estes números! 🙂

      Abraços!

  • TBB

    HC em 2012 vai
    ser possível a entrada de novos investidores para fazer parte da carteira de
    investimentos? Você poderia também permitir cotas de fundos de investimentos. O
    que acha dessa sugestão? Abraços

    • Olá TBB!

      Sim, em 2012 abrirei novamente as portas! 🙂

      E provavelmente não teremos cotas de fundos de investimentos.

      Não posso abrir muito o leque, embora gostaria muito.

      Notem que eu coleto dados de 27 ativos e 15 carteiras diariamente.

      Verifico tudo para fazer questão dos números estarem os mais justos possível, incluindo os rendimentos dos fundos imobiliários distribuídos.

      Abrindo muito o leque traria um trabalho que teria de me dedicar exclusivamente para esta tarefa… :/

      Espero que entenda.

      Abraços!

      • Augusto Rodrigues

        Poderia explicar melhor a frase “Abrirei novamente as portas” ?

        Como é que funciona essa ideia de entrada de novos investidores para fazer parte da carteira de investimentos ? 

        Att

        • Olá Augusto!

          Fique tranquilo.

          Farei um post próximo ao final do ano (antes do Natal) explicando em detalhes como será realizada a série carteira de investimentos em 2012.

          Abraços!

  • VCBN

    Oi, HC! Sei que seu objetivo é divulgar a importância da diversificação, mas tenho uma dúvida acerca dos títulos públicos.
    Considerando que os títulos indexados à inflação (NTN-B) obrigatoriamente pagarão a inflação medida pelo IPCA acrescida de juros pré-fixados, embora apresentem uma volatilidade maior no curto prazo, não seriam a melhor opção para um investimento de longo prazo, visto que o capital investido nunca perderia o poder de compra?
    Em outras palavras: para um investidor de longo prazo, não seria mais interessante investir apenas em títulos indexados à inflação, do que diversificar entre títulos pós-fixados, pré-fixados e indexados à inflação?

    • Olá VCBN!

      Depende do que você considera longo prazo.

      Imagine que você invista com a expectativa de 5 anos.

      Suponha também que após os 5 anos a taxa de juros, que hoje é de 11%, foi para 20%…

      Os títulos pós-fixados apresentariam melhor retorno, sobretudo melhor relação retorno x risco.

      Teoricamente, os títulos indexados a inflação apresentam maiores probabilidades de retorno no longo prazo.

      Mas a diversificação, mesmo que branda, ajudará você a se proteger destes cenários raros.

      E nós nunca sabemos quando e como eles irão ocorrer.

      Abraços!

  • Berlim Invest

    São muito bons seus posts sobre atualizações das carteiras! Nós conseguimos ver bem como se saem os companheiros investidores!

    Sucesso e continue assim!
    Berlim Invest

    http://www.berliminvest.blogspot.com

  • VCBN

    HC,

    Apesar de saber que o objetivo do tópico não é exatamente este, embora os assuntos guardem grande relação, gostaria de saber sua opinião sobre a adaptação do portfólio permanente de Harry Browne para a realidade brasileira.
    Uma possível adaptação poderia ser a seguinte?

    – 25% em ações (fase de prosperidade) – 25% em NTN-B (fase de hiperinflação – já que o título está atrelado ao IPCA) – 25% em NTN-F (fase de queda da taxa de juros) – 25% em Fundo DI ou LFT (fase de aumento da taxa de juros)

    A alocação mencionada parece razoável, ou está muito concentrada em renda fixa?

    • A ideia por trás do portfólio permanente é interessante.

      Porém, julgo ser mais eficiente realizar realocações nos momentos em que um certo desvio percentual da carteira ocorrer.

      Além disso, você mesmo notou que a carteira está concentrada em Renda-Fixa. Ademais, faltam os fundos imobiliários como classe nesta alocação e o próprio Harry Browne defende o uso de Ouro.

      Se você perceber nesta nossa série de alocação de ativos temos 15 portfólios permanentes! 🙂

      Abraços!

  • LLJ

    Henrique bom dia,Como todos sabem o final do ano se aproxima e cada vez mais os gurus das finanças começam aparecer e tentam decifrar o futuro em 2012. Quanto a você, sei que não é nenhum guru claro, mas neste momento de transição de 2011 para 2012, quais são realmente as precauções que devemos tomar, mesmo sabendo que, quem já atua no mercado através de alocações de ativos, se bem feita à alocação, já está de certa forma protegido contra os acasos, mas, mesmo assim onde estão os riscos do momento? LLJ, abraços e um feliz natal…

    • Olá LLJ!

      O maior risco está em não diversificar nossas carteiras! 🙂

      Tudo é muito relativo e por isso muitos “gurus” falham no longo prazo.

      Um risco que vejo atualmente como investidor é a queda dos juros reais no Brasil, o que dificultaria as altas rentabilidade a que estamos acostumados.

      Dá uma saudade só de lembrar do tempo em que LTNs para 2015 pagavam 13% e NTN-B Principal 2015 com taxa próxima de 7%…

      Os investidores precisaram correr para ativos mais arriscados (como ações e fundos imobiliários) e o risco de susas carteiras irá aumentar.

      Mas nada que uma planejada alocação de ativos seja capaz de amenizar.

      Grande Abraço!

      • Carlos

        Olá HC

        Poderia falar mais sobre isso : “Um risco que vejo atualmente como investidor é a queda dos juros reais
        no Brasil, o que dificultaria as altas rentabilidade a que estamos
        acostumados.”

        De quanto seria essa queda, que investimentos ela afetaria e quando haverá essa queda dos juros reais ?
         

        • Olá Carlos!

          A queda da Selic já é uma realidade e deve continuar em 2012.

          A preocupação é a Selic terminar o ano perto de 10% e a inflação de 5%.

          Logo, teríamos juros reais de 5%.

          Antigamente, os juros reais eram de 8%-12%, conferindo maior ganho sem maiores riscos.

          Abraços!

  • Henrique,

    Estou estudando bastante varias formas de investimento, encontrei seu
    site e estou virando-o de cabeça para baixo, lendo todos os artigos(de excelente qualidade por sinal).

    Porém senti falta de uma análise mais completa sobre os Títulos de
    Crédito que podem ser adquiridos pelas Companhias Securitizadoras(LCI,
    LCB, CRI, LCA, CRA, Export Notes, etc..)

    Apesar dos altos valores de investimento inicial, alguns desses títulos tem taxas de retorno superiores à 15% a.a.

    Grato desde já,

    Um abraço e feliz ano novo!

    • Olá Felipe!

      Fico muito contente que tenha gostado do site e que esteja virando-o de cabeça para baixo.

      É verdade. O site não costuma abordar este tipo de investimento devido a facilidade encontrada nos principais investimentos. A saber: Tesouro Direto, FIIs e Ações.

      Entretanto, note que alguns destes títulos podem ser encontrados dentro do próprio investimento em FIIs.

      Além disso, a falta de flexibilidade e liquidez me faz tomar uma certa distância destes investimentos.

      Afinal, uma estratégia de alocação de ativos precisa ser flexível para se adequar aos diferentes cenários do mercado.

      É uma honra tê-lo conosco aqui no site e espero continuar entregando material de qualidade para que mereça receber sua visita.

      Grande Abraço!

  • Pingback: Carteira de Investimentos: Diversificação Não é Opção, é Obrigação!()

eBook-alocacao-ativos