90 Carteiras, 51 Ativos e 1 Único Objetivo: Aprender! (Resultados de Jul/2012)

carteiras-de-investimentos-2012

Olá Amigos!

Essa é a sétima atualização da série Alocação de Ativos em 2012.

Todas as atualizações você pode acompanhar na seção carteiras de investimentos aqui no blog.

A média das 90 carteiras nesse mês foi de 3,43%.

Continue lendo essa atualização para saber mais sobre:

  • Quais são os ativos mais comuns entre as carteiras?
  • Estatísticas surpreendentes sobre as carteiras
  • Rentabilidade Mensal dos 51 Ativos e das 90 Carteiras
  • Ranking das Carteiras
  • Qual carteira possui o maior índice de sharpe?
  • Carteira Destaque do Mês
  • [Novidade 1] Relação entre risco x retorno das 90 carteiras
  • [Novidade 2] Evolução das 5 melhores carteiras x CDI x IBOV

Conheça as 90 Carteiras de Investimentos

Acompanhe abaixo os dados sumarizados dessas 90 carteiras.

1. Alocação de Ativos Média das Carteiras (Classes de Investimentos)

Alocação Média das Classes das Carteiras de Investimentos

Uma das primeiras surpresas que tive quando comecei a receber as planilhas foi saber que vários investidores estavam utilizando o modelo 4-3-2-1.

Ele se refere a: 40% Renda-Fixa; 30% Ações; 20% FII e 10% Câmbio.

A diferença da média para este modelo é que os investidores preferem tirar 5% do Câmbio para investir esses 5% em Ações.

Na minha opinião é uma boa escolha, já que nem toda carteira deve alocar em câmbio.

2. Ativos que Receberam a Maior Alocação

Cada círculo azul no gráfico acima se refere a um ativo.

No eixo Y você pode ver a participação de cada ativo na carteira média.

No eixo X você acompanha a posição (ranking) desses ativos nos 51 ativos presentes.

O ativo com maior média de alocação foi a LFT 2015, seguida pela LTN 2015 e pelo BOVA11.

Analisando os ativos preferidos nota-se que não há nenhuma ação individual ou fundo imobiliário, o que significa que o público do HC Investimentos tende a diversificar mais sua carteira, alocando em ativos que sintetizam melhor um índice.

A lanterna fica com TAMM4, com uma alocação média de apenas 0,06%.

Warren Buffet, no livro The Intelligent Investor, já citou detestar companhias aéreas…

Não sei se é coincidência, mas os investidores parecem concordar com ele.

3. Estatísticas Interessantes e Surpreendentes sobre as Carteiras

Estatísticas das Carteiras de Investimentos

Separei 7 itens do tipo: “Você Sabia?”

  1. Além de 52% das Carteiras Investirem nas 4 Classes, 83% investem em 3 classes de Investimentos.
  2. Além de 21% das Carteiras Investirem mais de 50% em Renda-Fixa, apenas 9,52% investem mais de 50% em Ações.
  3. Costumo dizer que o investidor deve investir, no mínimo, em 5 fundos imobiliários diferentes. Neste caso, o baixo número de 63% me preocupa.
  4. Além desta regra de bolso de 5 fundos imobiliários, cito que uma diversificação ideal seria acima de 10 fundos imobiliários. Somente 30% passaram neste teste.
  5. 42% das Carteiras Investem somente em ETFs de Ações na Classe Bolsa. Até que o número me surpreendeu positivamente.
  6. 42% das Carteiras Investem em um Mix de ETFs e Ações Individuais. Aqui era onde esperava a maior concentração de investimentos.
  7. 17% das Carteiras Investem somente em Ações Individuais na Classe Bolsa. Será interessante analisar o retorno x risco destas carteiras.

Nota: Pode haver pequenas distorções nos números por questões de aproximações.

Rentabilidade Mensal

Após esses gráficos introdutórios sobre as 90 carteiras participantes, precisamos analisar o retorno dos 51 ativos que as compõem.

Somente desse modo saberemos o quanto cada carteira obteve de rentabilidade nesse mês.

Nota: A rentabilidade apresentada pode ser ligeiramente diferente de alguma base de dados, já que ela é calculada através de dados diários, ao invés de simplesmente pegar o dado mensal de uma fonte.

É um gráfico bem extenso, mas resume em detalhes todos os ativos.

Se você não está acostumado com esse tipo de gráfico vou relembrar suas principais informações:

  1. O gráfico reflete um ranking decrescente. Logo, de cima para baixo temos os ativos com maior rentabilidade.
  2. Existe uma divisão (linha cinza) entre ativos com rentabilidade positiva (barras azuis) e rentabilidade negativa (barras vermelhas).
  3. Cada classe de investimento recebe uma cor para facilitar a visualização do retorno: Renda-Fixa (azul); FII (verde); Câmbio (laranja) e Bolsa (vermelho).

A rentabilidade e as análises desses 51 ativos foram divididas em 6 gráficos diferentes:

1. Distribuição do Retorno Mensal dos Ativos

Ao invés de analisar uma longa tabela + um gráfico que mais parece um arranha céu, que tal analisar a distribuição do retorno mensal de cada ativo?

O gráfico é simples. No eixo vertical (Y) temos o retorno mensal de cada ativo.

No eixo horizontal (X) temos a posição no ranking de rentabilidade do ativo.

Logo, analisamos da esquerda para à direita os ativos com maior rentabilidade.

PQDP11 foi o destaque do mês, com rentabilidade de 17,03% e SLED4 foi o fracasso do mês, com rentabilidade de -12,61%.

Todos os detalhes sobre as carteiras em breve…

Mas antes…

2. Retorno Mensal das Classes de Investimentos

Este gráfico coleta a rentabilidade média de cada tipo de classe.

Por exemplo, a Classe Bolsa possui 23 ativos, sendo 3 ETFs e 20 ações.

Logo, calcula-se a média (sem ponderação) para essa classe, assim como para todas as outras.

Nesse caso, a média da classe Bolsa é de 1,60%, valor inferior ao retorno de BOVA11 no mês, de 4,50%.

Já o ETF PIBB11 apresentou rentabilidade de 4,13%.

Para saber mais sobre a relação entre BOVA11 x PIBB11 leia essa análise comparativa que fiz entre os dois.

A classe Fundo Imobiliário foi a que obteve melhor resultado nesse mês, com alta de 6,58% na média.

3. Distribuição do Retorno Mensal da Classe Renda-Fixa

Novamente, um gráfico que analisa a distribuição do retorno.

Porém, agora os ativos são rankeados dentro de sua própria classe. No caso, Renda-Fixa.

Com a queda nos juros futuros o gráfico acima apresenta a forma clássica de retorno entre títulos públicos.

Indexados à Inflação tendem a apresentar maior retorno do que Prefixados, que por sua vez tendem a apresentar retorno maior do que Posfixados.

Além disso, perceba que os títulos Indexados à Inflação também apresentam um raking de retorno através através do seu vencimento. Quanto maior a duração do título, maior a probabilidade dele apresentar maiores variações no seu retorno.

Para maiores detalhes sobre a relação inversa entre preço e taxa veja esse artigo e aproveite para baixar a planilha com os dados para entender na prática esse movimento contrário.

4. Distribuição do Retorno Mensal da Classe Fundos Imobiliários

O ativo destaque para os fundos imobiliários foi o PQDP11, com rentabilidade de 17,03%.

Do lado negativo, o fundo BBRC11 apresentou o pior resultado, com rentabilidade de -0,71%.

Embora sejam fundos imobiliários e não apresentem a mesma magnitude de risco das ações, perceba a variação do retorno entre eles em um único mês. Portanto, nunca esqueça de diversificar.

No longo prazo, uma carteira com Renda-Fixa + FII + Bolsa tende a obter uma relação risco x retorno muito melhor do que uma carteira somente com Renda-Fixa + Ações.

5. Distribuição do Retorno Mensal da Classe Câmbio

É importante lembrar que os ativos cambiais possuem um correlação negativa com o Ibovespa e tendem a apresentar na maioria das vezes resultados opostos ao índice.

6. Distribuição do Retorno Mensal da Classe Bolsa

Mais uma vez note a variação de retorno entre a melhor ação (CSMG3 +16,41%) e a pior ação (SLED4 -12,61%).

A alta volatilidade e risco das ações individuais nos obriga a escolher diversas delas para não sofrer tanto em momentos de pânico e não deixar de aproveitar momentos de euforia.

O debate entre ações individuais x ETFs de Ações irá sempre existir. Independente da sua preferência, diversifique sempre!

Carteiras de Investimentos: Ranking no Mês

clique na imagem para ampliar

Na tabela acima você pode ver a rentabilidade mensal das 90 carteiras enviadas, ordenadas pelo ranking de rentabilidade no mês.

A carteira líder no mês é a XAR, com uma rentabilidade de 8,45%.

A alocação dessa carteira é de 90% em Fundos Imobiliários e 10% em Bolsa.

Distribuição do Retorno Mensal das Carteiras de Investimentos

Agora você já deve estar acostumado com este gráfico da distribuição do retorno.

Neste caso, temos o retorno mensal das carteiras através do ranking da posição da carteira.

A carteira com maior queda no mês foi a “Jovem3” (-10,43%) pela sua concentração em OGXP3.

Carteiras de Investimentos: Ranking (Acumulado)

clique na imagem para ampliar

Na tabela acima você pode ver o ranking da rentabilidade acumulada das 90 carteiras enviadas.

A carteira líder é a XAR, com uma rentabilidade de 31,93%.

Perceba a diferença entre o retorno dessas carteiras.

Os resultados variam de 31,93% até -14,04%.

E o que diferencia algumas carteiras de outras: a sua alocação de ativos.

Talvez esse conceito já tenha ficado claro para você, assim como a importância do tamanho da posição de cada ativo e classe no resultado final da carteira.

Porém, determinar uma alocação de ativos para o perfil de um investidor requer conhecimento adequado para evitar uma composição ruim na carteira que levaria a resultados deficientes.

Essa série mensal sobre carteiras de investimentos tem sido, embora trabalhosa, muito gratificante para mim e espero que para vocês também.

Relatos de participantes que hoje notam diversos problemas em suas carteiras quando as montaram há 7 meses atrás me motivam a continuar esse trabalho.

Muitas vezes não fica claro para nós investidores sabermos se estamos investindo nosso dinheiro corretamente ou, ao menos, sem incorrer em diversos erros comuns.

Acredito que, através de uma série como essa, que utiliza dados reais do mercado, com ativos reais, os investidores podem comparar seus resultados com outros, assim como sua própria carteira pessoal.

Se você está aprendendo com essa série, compartilhe conosco nos comentários quais lições você tira desse acompanhamento mensal que fazemos aqui.

Aproveito também para agradecer a todos que, após adquirir o eBook Alocação de Ativos, notaram como sua escolha inicial das carteiras dessa série estava longe de ser a melhor solução e que hoje investem com mais consciência e sabedoria sobre o que estão fazendo.

Distribuição do Retorno Acumulado das Carteiras de Investimentos

Acima, o gráfico de distribuição do retorno acumulado as 90 carteiras analisadas.

Na liderança segue a carteira XAR.

Carteira Destaque do Mês

O destaque desse mês é a carteira XAR com rentabilidade de 8,45%.

O motivo dela estar aqui como destaque é porque apresenta uma alta rentabilidade no mês e está isolada em primeiro lugar no ranking geral.

Entretanto, vale lembrar que sua alocação é deficiente, já que está extremamente concentrada em fundos imobiliários, aproveitando-se da boa fase dessa classe em 2012.

Veja no gráfico abaixo as 10 carteiras com maior índice de sharpe:

Esse mês provocou novamente um mudança no índice de sharpe e agora a carteira Angel está na liderança.

Retorno x Risco das Carteiras

O retorno anualizado aparenta ser muito alto para algumas carteiras devido ao curto período de 7 meses e retornos acima de 15%.

O maior retorno (mais acima) é da carteira XAR.

O menor risco (mais à esquerda) é da carteira LASA.

Portanto, quanto mais acima e mais à esquerda a carteira estiver, significa que ela obtém a melhor relação risco x retorno.

Através desse gráfico torna-se difícil saber qual a melhor relação risco x retorno porque não sabemos exatamente o quanto de retorno adicional compensa por cada unidade de risco.

Conclusão

Até o final de junho/2012 temos os seguintes números:

  • A rentabilidade média das carteiras acumulada no ano é de 11,82%
  • A rentabilidade do CDI em 2012 é de 5,44%
  • A rentabilidade do Ibovespa nesse ano é de -1,27%
Com esses números conseguimos chegar a uma importante conclusão:
  • O índice de sharpe do Ibovespa é de -0,27 (sua volatilidade anual é de 25,10%)
  • O índice de sharpe da média das carteiras é de 0,89 (sua volatilidade anual é de 8,82%)

Portanto, as carteiras estão obtendo um retorno bem acima do CDI (217% do CDI) e do Ibovespa, com um risco 3x menor do que a Bolsa.

Analisar os resultados dessas 90 carteiras diferentes permite amplo uso de dados para verificar conceitos como:

  • Diversificação de Carteiras
  • ETFs x Ações Individuais
  • Minimização de Risco
  • Número adequado de fundos imobiliários para investir
  • Correlação entre as diferentes classes

E o mais importante …

… Como cada carteira se comporta em diferentes cenários.

Não temos o poder para adivinhar o futuro. Logo, diversificamos.

Continue acompanhando este estudo, porque uma coisa é certa: Todos temos muito a aprender.

Nada melhor do que ativos reais, dados reais, e análises detalhadas de 90 carteiras de investimentos.

Agora é com você!

Como está a sua carteira de investimentos nesse período?

Qual tipo de alocação de ativos você está usando para driblar essa forte queda do Ibov?

Você está satisfeito com os seus resultados dado o seu perfil como investidor e a maneira que montou sua carteira?

Deixe suas ideias logo abaixo na caixa de comentários!

(crédito das imagens: shutterstock.com)

Sobre o autor

Henrique é especialista em alocação de ativos, eleito um dos 5 melhores educadores financeiros do Brasil em 2012/2013. Continue Lendo aqui!

  • Olá HC!
    Excelente o estudo e cada vez mais se aprofundando nas carteiras, parabéns!
    Hoje já posso dizer que minha carteira atual é melhor que a desenvolvida para este estudo, em Julho tive rentabilidade de 4,12% com uma alocação distribuída em ETF’s, FII e Tesouro.
    Imagino (se continuar, claro) este estudo no ano de 2013 após vários investidores terem lido seu eBook, teremos retornos incríveis e difíceis de alcançar, rsrs.
    Abraços!

    • Oi General!

      Agradeço pelo comentário, por acompanhar a série desde o início e por participar dela. Que ótimo saber que a tríade financeira está funcionando para você. 😉

      2013 será interessante acompanhar diversas carteiras.

      Forte Abraço!

      • Henrique, bom dia !!!
        estou começando a investir e gostaria de saber se é possível participar do ranking de rentabilidades….se sim, o que preciso fazer ??
        parabéns pelo trabalho !!!!

        • Oi Luciano!

          Infelizmente não é possível participar, já que as inscrições se encerraram em janeiro. Também não seria justo com o pessoal que já participa. 🙂

          No entanto, não se preocupe. No caso de criarmos uma nova série no ano que vem será uma honra analisar sua carteira aqui na série.

          Abraços!

  • Parabéns pelo trabalho Henrique!
    Pode ter certeza que esta sendo 100% aproveitável e motivador a série

    90 Carteiras, 51 Ativos e 1 Único Objetivo: Aprender!
    Abraços,

    Tiago C.

    • Muito obrigado Tiago!

      Estamos todos aprendendo. Sinta-se sempre à vontade para compartilhar sua experiência conosco.

      Forte Abraço!

  • Roberto Denadai

    Mega trabalho fazer esse artigo hein, muito bom mesmo !!! Impressiona como esses fundos imobiliários estão rendendo, dado que os imóveis , pelo menos a parte que eu acompanho deu uma estagnada nos preços.O problema é saber qual é a marcação a mercado desses fundos Abs

    • Grande Denadai!

      Que honra tê-lo por aqui. É verdade. Os FIIs estão impressionando mais uma vez esse ano. A pergunta é: até quando?

      De qualquer forma acho válido o investidor ter esse tipo de ativo em sua carteira para diversificá-la.

      Sim, acredito que com o tempo teremos informações de maior qualidade nesse segmento e saber a marcação a mercado os imóveis que compõem os fundos será um fator de decisão importante para investir em um FII.

      No mais, estou totalmente ciente do sucesso do Azul. Parabéns! 🙂

      Forte Abraço!

  • Álisson

    E aí, Henrique!
    Impressiona, realmente, a rentabilidade dos FIIs. Contudo, ainda tenho receio de investir nesse tipo de ativo: como o pagamento do aluguel é mensal, e o montante investido nessa classe ainda é baixo, o valor acaba não sendo significativo para ser reinvestido – numa carteira de R$ 100k, teríamos 20k em FII, com aluguel em torno de 0,8%, ficamos com um valor mensal de R$ 160,00. Como uma cota, na média, custa R$ 100,00, não conseguimos investir esse valor tão cedo – é necessário ou aguardar um novo aporte, ou optar por um Fundo de Investimento que aceite aportes de baixo valor, geralmente DI. Que pensa a respeito? Como vem tratando esse “problema” na sua carteira?
    Abraços,
    Álisson

    • Oi Álisson!

      Geralmente espero o próximo mês e junto esses rendimentos como o novo aporte mensal para fazer as compras.

      Abraços!

    • Everton

      Alisson,

      Além do que você expôs, também não seria um risco dessa classe de investimentos a possível bolha imobiliária que esta formada no pais?
      O valor das cotas podem cair drasticamente na minha opinião.

      • Álisson

        E aí Everton!
        Então, na minha humilde opinião, a bolha imobiliária existe, porém não corre risco de estouro – não acredito que vá desandar para uma quebra súbita e generalizada. A bolha vai desinflar aos poucos. No mais, a maioria dos FIIs parece não relacionada diretamente ao mercado da bolha – basicamente, aptos. residenciais. O problema, claro, são aqueles FIIs ainda em construção e cuja construtora seja um pouco mais penalizada por uma eventual queda dos preços. Que achas? Concordas?
        Ah, e se cair drasticamente, tanto melhor: vai ser hora de ir às compras!
        Abraços!

  • Everton

    HC,

    A cada mês aprendo mais com essa série, muito bom mesmo.

    Quando puder, comente sobre o ETF Divo11 para quem quer diversificar com dividendos.

    Obrigado.

    • Oi Everton!

      Pode deixar amigo. Tenho na lista de prioridades um artigo bem completo sobre ETFs. E, claro, o DIVO11 estará nele.

      Abraços!

  • Guilherme

    Excelente trabalho, Henrique!

    Você já parou para imaginar a quantidade de investidores de alto nível que está formando com seu trabalho!?

    Se tem uma palavra que define sua paixão nessa área, a palavra é “qualidade”. Não tenho como agradecer mais!

    Aliás, minha carteira resolveu finalmente se destacar…..rsrsrs…ficou no top 10 do mês. Parabéns a todos do ranking!

    É isso aí!
    Um grande abraço, e que Deus os abençoe!

    • Muitíssimo obrigado meu amigo!

      Fico honrado em saber que essa série está sendo importante para diversos investidores, independente da experiência deles.

      É verdade, sua carteira mandou muito bem nesse mês. Para quem soube diversificar bem, foi um mês excelente para lucrar com o mercado.

      Abraços!

  • Helison

    Olá Henrique,

    Estou com uma duvida.

    Vc já viu ou mesmo acompanha o blog Além a Poupança?

    Ele publicou alguns artigos sobre calculo de rentabilidade de carteira por meio do método de cotas.

    Também criou uma planilha que faz todas as contas, sendo necessário apenas a introdução do valor do aporte e do valor final da carteira.

    Contudo, os calulos estão diferentes dos obtidos na planilha que vc disponibilizou no artigo “Como Calcular a Rentabilidade de um Investimento”.

    Gostaria de saber qual método é o correto? Qual planilha seguir?

    • Opa também tenho total interesse nessa dúvida!
      Atualmente utilizo a planilha do Além da Poupança para o estudo das carteiras reais em meu blog e surgiu essa mesma questão entre os leitores, HC quando tiver um tempo nos explique essa divergência? Talvez algumas rentabilidades tenham sido afetadas por esses cálculos, resta saber se pra melhor ou pior.
      Abraços!

      • Beleza!

        Vou colocar aqui na lista de artigo o artigo final que ainda estou devendo sobre cálculo de rentabilidade e explico todas essas dúvidas por lá mesmo.

        Obrigado por compartilhar esse blog.

        Abraços!

        • GanhandoMuito

          Também fiquei com essa dúvida HC. Li o seu artigo que o amigo citou ali em cima e vi essa divergência pois o meu aporte nem sempre é na mesma data.
          Porém o ADP explicou que está usando um conceito de preço médio. Saberia se é possível usar o preço médio e mesmo assim calcular o aporte somente no dia que for feito (como vc mostra no seu artigo)??

          Abraços

  • Helison

    Tenho outra duvida também.

    Assim como você, eu tenho debentures BNDESpar. Então, gostaria de saber como você faz para saber o valor atualizado delas, a fim de calcular a rentabilidade.

    Eu tenho 4 formas, sendo todas elas diferentes, daí a dificuldade em saber qual é a melhor, ou a mais correta.

    1º Pelo site http://www.debentures.com.br, no campo PU Histórico ultimo dia do mês.
    2º Pelo mesmo site anterior, no campo Mercado Secundário (Preço médio)
    3º Pelo extrato que chega da CBLC, que é muito próximo do caso anterior.
    4º Pelo valor bruto informado pela minha corretora.

    Você utiliza um desses? Existe outra forma que você considera melhor?
    Qual a diferença entre PU Histórico e Mercado Secundário?
    Como faço para comprar ou negociar esses títulos no BovespaFix?

    • Oi Helisson!

      Para a BNDP 14 eu uso esse mesmo site citado (#1)

      Para as demais uso esse site abaixo:

      http://www.pentagonotrustee.com.br/Site/PrecosUnitarios
      Abraços!

      • helison

        Mas porque só esse ativo é calculado pelo site citado (#1)?

        O que ele tem de especial? Ou de anormal?

        • Helison

          Qual a diferença entre PU Histórico e Mercado Secundário?
          Como faço para comprar ou negociar esses títulos no BovespaFix?

  • Everton

    HC,

    Você acha valido aplicar os 5% de investimento em cambio comprando Bitcoins?

    http://www.weusecoins.com/

    • Oi Everton!

      Não conhecia o site, obrigado por compartilhar.

      Na minha visão e pela rápida passagem pelo site a resposta é não.

      A ideia, embora boa, me parece bem surreal ainda.

      Abraços!

  • Helison

    Henrique,

    Em relação ao seu artigo de como calcular a rentabilidade de uma carteira de investimentos e a respectiva planilha, acho que ela apresentou uma inconsistência.

    Na hora de calcular a rentabilidade histórica, ao comparar o valor atualizado da cota com o valor inicial da cota, considera-se todas as compras feitas ao valor da cota inicial, o que não ocorre.

    Quando compramos cotas de ETF, para saber a rentabilidade devemos comparar o preço de venda com o preço médio de compra das cotas e não apenas o valor que compramos a primeira cota.

    Entende o meu questionamento?

  • Mayko

    Não seria interessante divulgar as carteiras como feito no período de 2011?

  • Itaici

    Olá Henrique,
    sou nova no ramo de invesimentos… estou na fase de adquirir conhecimentos… estou lendo alguns dos livros recomendados… enfim, tenho um valor para começar e muitas dúvidas!!! Gostaria de saber se é viável eu “copiar” (sei que a responsabilidade é minha), alguns (05) fundos imobiliários, os que tiveram maior rentabilidade, ou agora estão mais caros e não é o momento ideal… gostaria de saber também qual seria o valor mínimo para aplicação em cada um, já que tem a taxa corretagem… por último gostaria de saber qual o melhor momento para adquirir ETFs, (como saber o preço justo), ou é só comprar e pronto…
    agradeço antecipadamente

eBook-alocacao-ativos